Mundial: Darlan brilha, mas fica em 4º no arremesso do peso

esportes
05.10.2019, 16:55:00
Atualizado: 05.10.2019, 17:00:20
Brasileiro ficou em quarto lugar e não conseguiu faturar uma medalha (Foto: Kirill KUDRYAVTSEV / AFP)

Mundial: Darlan brilha, mas fica em 4º no arremesso do peso

Brasileiro conseguiu a expressiva marca a 22,53 m

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Destaque brasileiro no Mundial de Atletismo em Doha, no Catar, Darlan Romani ficou em quarto lugar na final do arremesso do peso disputada neste sábado (5). Na segunda tentativa, o atleta de 28 anos conseguiu a expressiva marca a 22,53 metros, superando seu objetivo pessoal de ultrapassar os 22,50m. Entretanto, não foi o suficiente para conquistar uma medalha.

Após a disputa, Darlan lamentou ter ficado de fora do pódio. "O Brasil merecia esta medalha", disse o atleta, bicampeão sul-americano e medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima deste ano, em entrevista ao SporTV, após a final da prova.

De todo modo, o brasileiro destacou que cumpriu sua meta pessoal "A ideia era passar dos 22 metros no Pan e passar dos 22,50m aqui no Mundial. Eu estava tranquilo porque o que a gente (equipe técnica) tinha qualificado [como meta] para o ano era arremessar acima de 22,50m", afirmou.

Apesar de a medalha ter escapado, Darlan se tornou o primeiro brasileiro a conseguir resultados expressivos em provas de campo no arremesso do peso. Ele foi o 5º na Olimpíada do Rio-2016, além de ter sido recordista sul-americano com 22,61m na Diamond League neste ano.

O quarto lugar no Mundial de Doha mostra a consistência do atleta. Ele chegou a ficar em segundo e esteve entre os três primeiros até a última rodada de arremessos. Foi quando Joe Kovacs assumiu a ponta, com 22,91 metros, e conquistou o ouro.

O norte-americano superou o compatriota Ryan Crouser e o australiano Tomas Walsh, ambos com 22,90 metros - a prata ficou com o representante dos Estados Unidos pelo critério de desempate (segundo melhor arremesso).

Darlan ainda teve uma última chance, na tentativa final, mas precisaria arremessar uma distância que nunca havia feito na carreira. Acabou parando nos 22,13m. Assim como na qualificatória, na qual terminou em segundo, o brasileiro acabou atrás de Walsh. O melhor arremesso de todos os tempos (23,12 metros) pertence ao norte-americano Randy Barnes e foi obtido em 1990.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas