Nas alturas: preço de passagens aéreas ameaça festas de fim de ano em família

bahia
26.10.2021, 05:00:00
(Paula Fróes/CORREIO)

Nas alturas: preço de passagens aéreas ameaça festas de fim de ano em família

Passagem de São Paulo para Salvador custa cerca de R$ 2 mil; outros trechos passam dos R$ 3 mil

Quem quer vir pra Salvador está encontrando um obstáculo e não é mais a pandemia: é o preço das passagens aéreas. A servidora municipal e designer de interiores Marcela Cerqueira, de 40 anos, teve que abandonar os planos de visitar a cidade no final do ano. O motivo da viagem era passar o Natal e Réveillon em família depois de dois anos de pandemia. Ela mora em São Paulo com o marido e conta que a ida e volta de cada um para Salvador custaria cerca de R$ 2 mil. A depender do ponto de partida, os valores são ainda mais elevados; as passagens com saída de outras capitais brasileiras passam dos R$ 3mil.

Marcela e o marido vieram a Salvador agora em setembro e os preços estavam bem mais em conta. A passagem de ida e volta de cada um custou cerca de R$ 490. Quando foram pesquisar a passagem para as festas de final de ano, o susto foi grande. “A gente olhou outros destinos e vimos que, a depender do período, é mais barato viajar para Argentina do que para Salvador. Isso deixa a gente triste porque temos que deixar de ver nossos parentes por causa desses preços abusivos”, diz Marcela.

A servidora municipal diz que não tem como arcar com os valores atuais e que, a não ser que consiga uma promoção, vai tentar viajar em fevereiro de 2022, quando os preços, por enquanto, estão mais baixos. “Acabamos desistindo. Para passar o Natal e o Réveillon em família, agora só se aparecer uma promoção muito boa”, finaliza. 

A vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens Seção Bahia (Abav-Ba), Ângela Carvalho, confirma os altos preços. “Com a pandemia, as companhias aéreas reduziram a quantidade de voos, então hoje temos poucos voos e uma alta demanda nesse processo de retomada. Os voos estão cheios, lotados, e isso gera o aumento, os preços estão absurdos mesmo”, coloca. 

O analista judiciário Gustavo Henrique Oliveira, de 43 anos, também é baiano e está morando no Rio Grande do Norte. Ele está pesquisando preços de passagens e ainda não sabe se ele, a esposa e o filho vão conseguir passar o Natal com a família aqui em Salvador. No ano passado, a viagem custou no total R$ 3.500; este ano, não está saindo por menos de R$ 5 mil.

“Queremos ir, pois meu pai está bastante debilitado em razão da diabetes e também para rever todos os meus irmãos e sobrinhos após esses dois anos de afastamento por conta da pandemia, mas os preços praticados pelas companhias aéreas estão impeditivos”, diz ele.

Gustavo conta que para complicar a situação, a maioria dos voos têm conexões e paradas, tornando a viagem com uma criança de 3 anos ainda mais cansativa. “Viajar de carro não está nos planos, pois o custo do combustível está muito alto, além de ser mais cansativo ainda, afinal são mais de 1.200km entre a capital potiguar e a baiana”, acrescenta. 

Gustavo e o filho ao lado dos pais durante a última visita a Salvador em dezembro de 2020 (Foto: Arquivo Pessoal)

E o problema não está sendo enfrentado somente para quem busca voos domésticos para Salvador. A estudante Kamila Souza, de 21 anos, que mora em Portugal, não passa o Natal em família desde 2018. Em 2021, mais uma vez o plano vai ser adiado. Entre agosto e outubro deste ano, a passagem de ida e volta para Salvador estava custando R$ 1.900; para o final do ano, o salto é grande. “No ano passado, ida e volta para o Natal estava custando R$ 5 mil e eu não fui porque já achei caro. Agora em 2021 está R$ 7 mil, então também não vai dar”, diz ela. 

Esse preço é para viagem entre o final de dezembro e início de janeiro, quando Kamila tem disponibilidade de ir. Ela conta que fez uma pesquisa e notou uma grande variação de valor conforme a alteração das datas. “No início de dezembro e no final de janeiro os preços estão mais baratos. As passagens caem para uma média de R$ 2 mil a R$ 3 mil cada trecho, mas eu tenho aula nesse período”. 

Kamila não vai passar o Natal em família em 2021 por conta dos preços das passagens (Foto: Arquivo Pessoal)

A jornalista baiana Paloma Jacobina, de 41 anos, mora na Holanda e também se assustou com o preço das passagens para cá no final do ano. “Estou acompanhando os preços desde cedo. Antes da Europa abrir para brasileiros, em maio, a passagem para Salvador estava custando cerca de 400 euros. Quando eu comprei, em setembro, já não encontrei nada por menos de 700 euros”, diz. 

Paloma tinha o costume de visitar a família ao menos uma vez ao ano, mas, com a pandemia, não vem para Salvador há dois anos. O último Natal aqui foi em 2017. Em 2019, deixou a visita para março, já tinha comprado passagem, mas a pandemia interrompeu os planos. Por isso, decidiu enfrentar os altos preços agora e vir mesmo assim. A estratégia foi viajar em novembro e voltar no dia 31 de dezembro já que, depois dessa data, os valores ficavam ainda mais caros. “A gente decidiu ir só para o Natal, voltamos na noite do dia 31. Ou era isso ou teríamos de ficar até o final de janeiro, quando a passagem ficava um pouco mais barata”, acrescenta. 

Paloma encontrou uma diferença de 300 euros entre os preços entre maio e setembro (Foto: Arquivo Pessoal)

Outro baiano que mora fora e preferiu não ter o nome revelado, também encontrou o mesmo problema. Ele, que foi morar na Suécia durante a pandemia, diz que comprou passagem para vir para Salvador em novembro e vai retornar no dia 30 de dezembro. “Para dois adultos e uma criança eu estou pagando cerca de R$ 16 mil. Quando eu procurava a volta para janeiro, o valor do trecho ficava mais caro do que ida e volta juntas ainda em dezembro”, conta. 

Por que os preços das passagens estão mais caros?

Segundo o também vice-presidente da Abav-Ba, Jorge Pinto, a justificativa envolve a redução do número de voos durante a pandemia e o recente aumento da demanda. “A malha ainda não está com capacidade 100% porque, com a pandemia, houve redução. A demanda está começando a subir e a oferta de voos ainda está baixa, então é um incentivo para aumentar os preços. E houve prejuízo na pandemia, ou seja, agora é o momento das companhias buscarem uma recuperação”, acrescenta. 

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), afirma que o preço do querosene de aviação (QAV) registrou alta de 91,7% no segundo trimestre deste ano, em relação a igual período do ano passado, segundo os dados mais recentes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A escalada da cotação do dólar em relação ao real, também tem influência nos preços. De acordo com a Abear, 51% dos custos do setor são indexados pela moeda estadunidense. 

O mais recente levantamento da Abear sobre o querosene de aviação revela que, no primeiro semestre de 2021, o preço médio do combustível na bomba, no Brasil, foi 24,6% superior do que nos Estados Unidos. O Brasil é o único país do mundo que tem um tributo regional sobre o QAV, o ICMS. As companhias estrangeiras, por sua vez, não pagam esse imposto para abastecer em território nacional. “É por isso que uma viagem internacional muitas vezes é mais barata do que um voo doméstico, considerando-se distâncias similares”, afirma o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

Expectativas para o turismo no Verão

Segundo Ângela Carvalho, a associação está em contato com as companhias aéreas para buscar a redução dos preços. “Na última conversa que tivemos com as companhias aéreas, houve a promessa de que, a partir de novembro, serão colocados novos voos e, com isso, a tendência é de as tarifas aéreas baixarem. Nós precisamos que as passagens baixem para que as pessoas possam vir para cá durante o Verão e movimentem o turismo interno porque, com esses preços de agora, não há condições”, destaca.  Ângela acrescenta ainda que a expectativa é de redução dos valores e, assim, o esperado é que Salvador consiga alcançar ao menos 70% do volume de turistas do Verão de 2019-2020. 

Para o presidente da Salvador Destination, Roberto Duran, os preços elevados são uma preocupação para o turismo baiano como um todo. “O nosso entrave é uma questão de oferta e demanda, é a lei do mercado. Temos uma oferta limitada de assentos aéreos, uma grande procura e, portanto, preços elevados. Nós sabemos que, durante a pandemia, muitas aeronaves foram devolvidas, funcionários foram demitidos e as companhias reduziram bastante o número de voos para todos os destinos, inclusive os da Bahia”, coloca. 

Companhias aéreas devem ampliar quantidade de voos a partir de novembro (Foto: Paula Fróes/CORREIO)

De acordo com a Kayak, um metabuscador de viagens, Salvador é destaque na procura por passagens. A cidade aparece como o quinto destino mais buscado no Brasil, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e Recife. Ainda no top 10 da lista, outro destino baiano: Porto Seguro. 

Segundo o secretário de turismo da Bahia, Maurício Bacellar, além de Porto Seguro e Salvador, outros locais em alta são: Ilhéus, Chapada Diamantina e Litoral Norte de Salvador. Bacellar destaca que a Secretaria de Turismo da Bahia (Setur) vem realizando articulações com operadoras e investidores para fomentar o turismo no estado. 

“Nós estamos concedendo às empresas de aviação aérea uma desoneração do preço do ICMS do combustível de aviação, o que o torna mais barato na Bahia. Aí, em contrapartida, as companhias ficam obrigadas a fazer voos para a Bahia, aumentando a quantidade de passageiros ou abrindo novas rotas. Até dezembro deste ano, chegam voos para Guanambi, Comandatuba, Paulo Afonso e Lençóis”, informa o secretário.

Para Bacellar, apesar dos preços elevados, o momento é de otimismo para o turismo. “A movimentação nos aeroportos ainda está menor que em 2019, o que vemos é um grande movimento nas praças de pedágio, tem muita gente viajando de carro ainda. Além disso, o turismo internacional ainda está bem abaixo, nossa imagem lá fora não passa segurança, principalmente por conta das atitudes do Governo Federal em relação à pandemia. Mas, mesmo assim, em setembro deste ano, a ocupação hoteleira na Bahia foi 0,7% maior que a de 2019, ou seja, superior à pré-pandemia e isso é muito bom e nos anima para esse Verão”, acrescenta.

Contraponto

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) informou que os dados mais recentes da Anac (até de julho deste ano), mostram que, no Aeroporto de Salvador, o preço das passagens do local como destino e partida caíram 12,8% este ano, na comparação com o período de janeiro a julho de 2020 e 14,8% na comparação de 2021 e 2019. No ano pré-pandemia, a média de preço era de R$ 470,19; em 2020, de R$ 400,39 e, em 2021, R$ 328,93. 

A empresa Kayak também informou que houve redução nos preços. Segundo a assessoria, considerando buscas feitas entre 01/10 e 20/10 para viagens no período entre 20/10 e 31/12, o preço médio das passagens para Salvador teve queda de 8% em comparação a setembro e 14% em comparação ao mesmo período em 2019. A empresa confirmou que houve aumento da demanda. As buscas saltaram em 50% na comparação mensal e de 73% em comparação a 2019. A Kayak informou que a comparação é feita entre 2021 e 2019 por conta do ano atípico de 2020, quando houve redução drástica de oferta e procura de voos. 

Pesquisa de preços: (*Valores encontrados no dia 25/10 no site ViajaNet para ida no dia 23/12/21 e volta no dia 02/01/22 para voos com bagagem para despachar)

  • Cuiabá - Salvador - Cuiabá: R$ 3.793 (1 parada)
  • Goiânia - Salvador - Goiânia: R$ 3.014
  • Maceió - Salvador - Maceió: R$2.894
  • Boa Vista - Salvador - Boa Vista: R$2.844 (1 parada)
  • Aracaju - Salvador - Aracaju: R$ 2.807
  • Florianópolis - Salvador - Florianópolis: R$ 2.673 (1 parada)
  • Curitiba - Salvador - Curitiba: R$ 2.425
  • Porto Alegre - Salvador - Porto Alegre: R$ 2.323
  • Palmas - Salvador - Palmas: R$ 2.326
  • Rio Branco - Salvador - Rio Branco: R$ 2.291 (1 parada)
  • Campo Grande - Salvador - Campo Grande: R$ 2.275 (1 parada)
  • Brasília - Salvador - Brasília: R$ 2.265
  • Belém - Salvador - Belém: R$ 2.256 (1 parada)
  • São Luís - Salvador - São Luís: R$ 2.377 (1 parada)
  • Porto Velho - Salvador - Porto Velho: R$ 2.196 (1 parada)
  • Manaus - Salvador - Manaus: R$ 2.170 (1 parada)
  • Macapá - Salvador - Macapá: R$ 2.123 (1 parada)
  • João Pessoa - Salvador - João Pessoa: R$ 2.040
  • São Paulo - Salvador - São Paulo: R$ 1.905
  • Vitória - Salvador - Vitória: R$ 1.766
  • Rio de Janeiro - Salvador - Rio de Janeiro: R$ 1.677
  • Teresina - Salvador - Teresina: R$ 1.647 (3 paradas)
  • Fortaleza - Salvador - Fortaleza: R$ 1.409
  • Belo Horizonte - Salvador - Belo Horizonte: R$ 1.306
  • Natal - Salvador - Natal: R$ 1.279
  • Recife - Salvador - Recife: R$ 1.119

- Destinos internacionais:

  • Madri (Espanha) - Salvador - Madri: R$ 13.614 (1 parada)
  • Paris (França) - Salvador - Paris: R$ 13.588 (1 parada)
  • Miami (Estados Unidos) - Salvador - Miami: R$ 11.540 (2 paradas)
  • Lisboa (Portugal) - Salvador - Lisboa: R$ 9.932 (1 parada)
  • Buenos Aires (Argentina) - Salvador - Buenos Aires: R$ 5.481 (1 parada)

Confira 10 dicas para conseguir voos mais baratos: (Retiradas do site de promoções de passagens aéreas Melhores Destinos)

  1. Esteja sempre de olho nas tarifas, as promoções podem acontecer a todo momento porque os preços são bastante dinâmicos. E corra para comprar se encontrar algo interessante, você pode ter apenas alguns minutos antes que a oferta se esgote
  2. Baixe aplicativos de viagens e de promoções de passagens aéreas e ative as notificações para receber alertas de promoções
  3. Pesquisa em sites de agências de viagem online. Isso porque no mesmo lugar você encontra as passagens de todas as companhias aéreas naquela data e rota, facilitando bastante a busca
  4. Leia todas as regras das promoções anunciadas, os preços podem trazer condições importantes que não devem passar batidas, principalmente em relação à tarifas e bagagens
  5. Busque por diferentes datas e horários, tem muita gente querendo viajar na sexta à noite e voltar na segunda de manhã. Outros horários na segunda e dias da semana como terça, quarta e sábado tendem a ser mais baratos
  6. Fique atento em relação às promoções das companhias aéreas nacionais. A Megapromo Latam e Feirão da GOL costumam ter preços interessantes. A Azul não tem uma promoção específica, mas tende a responder às ofertas das concorrentes
  7. Não deixe para a última hora. Comprar passagens nacionais de 60 a 30 dias antes da data da viagem costuma ser mais barato. Nos voos internacionais de 90 a 30 dias. Se for voar na alta temporada ou feriados, aumente este prazo
  8. Aeroportos próximos a grandes cidades podem ser uma boa alternativa para encontrar passagens aéreas mais baratas
  9. Emita passagens com pontos ou milhas. Você pode acumular seus pontos no cartão de crédito ou assinar um clube de milhas e depois emitir as passagens pagando apenas a taxa de embarque
  10. Aproveite as ofertas da Black Friday. Neste ano, ela acontece no dia 26 de novembro, mas as promoções podem se estender para os dias anteriores e posteriores também 

*Com orientação da subeditora Monique Lôbo

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas