Obras hiper-realistas de Giovani Caramello são expostas na Caixa Cultural

entretenimento
18.11.2019, 13:40:00
Atualizado: 18.11.2019, 13:51:07
Obra Nikutai, de Giovani Caramello

Obras hiper-realistas de Giovani Caramello são expostas na Caixa Cultural

Um dos destaques é Nikutai, com impressionantes 2,5 metros de altura

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Caixa Cultural Salvador recebe entre os dias 20 de novembro e 26 de janeiro a exposição inédita Hiper-realismo no Brasil, do paulista Giovani Caramello. Reconhecido internacionalmente, o artista começou nas artes visuais de forma autodidata. Aos 28 anos, dedica pelo menos oito deles à escultura.

Em Salvador, ele expõe 10 obras, entre esculturas e maquetes - em silicone, resina e terracota - que reproduzem, com impressionante precisão de detalhes, figuras humanas altamente expressivas. A exposição terá visitação gratuita de terças-feiras a domingos, das 9h às 18h.

Além de primeira exposição individual da carreira do artista, essa será a primeira vez que seus trabalhos chegam ao Nordeste.“Expor fora do eixo Rio – São Paulo é o que mais me motiva nessa exposição. Minhas obras circulam por várias cidades, mas em coleções privadas, por isso não ficam acessíveis ao público em geral, e pra mim também será novidade vê-las todas reunidas e disponíveis”, destaca Caramello.

Todas as obras expostas na Caixa Cultural pertencem a coleções particulares e serão especialmente reunidas para essa mostra, que conta com curadoria e projeto expográfico assinados por Thomaz Pacheco, da OMA Galeria, de São Paulo.

(Foto: Divulgação)

Entre os trabalhos expostos, destaque para a obra ‘Nikutai’, com impressionantes 2,5 metros de altura, e ‘Sozinho’, primeira escultura da carreira do artista, uma criança franzina de expressão triste, com sardas e olhos verdes, que veste uma capa do Batman.  Em seu trabalho,  Caramello busca traduzir questões relacionadas à efemeridade do tempo e propõe uma reflexão sobre o conceito de que tudo um dia cessa, chega ao fim.

“O visitante vai poder, além de se impressionar com o realismo das esculturas, perceber a poética do artista. O trabalho de Giovani tem uma poética bastante literal para o público. As pessoas conseguem perceber o que cada obra está sentindo e sentir junto com elas, é muito bonito ver a reação e os testemunhos das pessoas diante das esculturas”, ressalta o curador Thomaz Pacheco. Em uma das salas, o público poderá acompanhar um pouco do processo criativo do artista por meio de maquetes ainda em plastilina, espécie de massa de modelar utilizada em seus esboços.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas