Ocupação de hotéis é 4 vezes maior para primeiro feriadão sem máscaras em Salvador

salvador
14.04.2022, 05:00:00

Ocupação de hotéis é 4 vezes maior para primeiro feriadão sem máscaras em Salvador

Trade turístico está animado com a retomada, mas reconhece que desafios precisam ser enfrentados

O feriadão da Semana Santa, que começa a valer para muitos a partir de hoje, será o primeiro com a liberação do uso de máscaras   no estado após dois anos de restrições. A flexibilização é mais uma que contribui para a retomada do turismo na capital e o setor estima, em média, 65% de ocupação dos hotéis na capital baiana durante os dias comemorativos, um índice quatro vezes maior  em relação à Páscoa passada. A projeção é da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis na Bahia (ABIH-BA). 

O presidente da associação, Luciano Lopes, explica que o número é animador e reflete o aquecimento do turismo na capital mesmo após o verão. Segundo ele, há cerca de três semanas vem sendo registrado um aumento na procura por hospedagens em Salvador. “Temos que lembrar que na Páscoa passada nós estávamos no pico da segunda onda da pandemia e a ocupação atingiu 16%. Neste ano vemos as pessoas viajando, mas neste feriado ainda não vai dar para capturar todo esse movimento”, diz. 

Apesar do acréscimo na ocupação, Luciano acredita que a retomada se dará de forma gradual e admite que o aumento de preços das passagens aéreas dificulta a vinda de turistas para a capital. “O preço atrapalha muito porque encarece o pacote turístico, que é formado por um conjunto de: passagens, hotéis, passeios e transporte. Se um desses componentes fica muito caro, tem reflexos para o consumidor”, explica.  

As passagens do principal polo emissivo de turistas, São Paulo, para Salvador, por exemplo, estão custando entre R$1.500 R$2.000, o dobro do valor comum, segundo o presidente da ABIH.  “Às vezes é mais barato, por incrível que pareça, ir de São Paulo para Miami do que vir para Salvador”, afirma Luciano Lopes.  

O estudante Felipe Ellery, 22, sai de São Paulo e desembarca em Salvador nesta quinta-feira (14) e fica na cidade até o domingo de Páscoa (17). Ele conta que sentiu o aumento do preço dos bilhetes mesmo tendo feito o pagamento há quase dois meses. Mas a alta não foi suficiente para impedir a vinda do jovem, que ficará hospedado na casa dos avós durante o feriado.  

Com a melhora do cenário pandêmico, Felipe pretende visitar pontos turísticos e amigos que possui na cidade. “Acredito que a flexibilização do uso de máscaras é uma boa notícia por demonstrar que há luz no fim do túnel”, diz. Mesmo com a liberação, o jovem afirma que vai manter o uso da máscara em espaços públicos, como tem feito na cidade onde reside.  

Para Marcus Campus, gerente de marketing e promoção Salvador Bahia Airport, mesmo com a alta de preços, o aeroporto vem registrando bons índices de movimentação. Somente na sexta-feira de Carnaval, desembarcaram na capital baiana mais passageiros do que durante todo o mês de abril em 2020. 

“Salvador fechou 2021 como o oitavo aeroporto mais movimentado do Brasil, antes da pandemia éramos o nono [...] Estamos com a expectativa de ter uma movimentação próximo a 100% superior do que a Semana Santa do ano passado”, destaca Marcus Campos. 

Alguns hotéis da capital já sentem o aquecimento e estão contentes com o desempenho durante o feriado. É o caso do Grand Hotel Stela Maris, que vai registrar 93% de ocupação no final de semana, de acordo com a diretora Viviane Pessoa. Segundo ela, mesmo antes da pandemia, o feriado da Páscoa já costumava ser movimentado no hotel que fica à beira da praia.  

“As pessoas estão muito animadas com a liberação das máscaras, o mês de abril como um todo vai ser bem interessante porque temos mais um feriado e festas de Carnaval fora de época”, diz. A expectativa do Hotel Quality, localizado no Stiep, não é tão boa. O gerente operacional Danilo Castro diz que a média de ocupação durante a Semana Santa será de 50%. “Ainda não estamos sentindo os efeitos da liberação nas hospedagens e sim na procura por eventos e cotações no decorrer do ano”, explica. 

Eventos ajudam a alavancar o turismo na capital 

A professora Joselice Souza, 43, também vai aproveitar o feriado da Semana Santa para viajar. Em companhia do seu parceiro, a moradora de Feira de Santana, vai passar o final de semana na Praia do Forte, no Litoral Norte, e pretende curtir a praia e visitar restaurantes. Joselice lembra que a pandemia ainda não acabou e que é importante manter os cuidados.  

“Não estou 100% tranquila quanto à liberação do uso da máscara, mas tentarei relaxar e me resguardar na medida do possível, sobretudo em ambientes fechado”, conta. Na programação dos dias de folga, a professora vai curtir o show da banda mineira Jota Quest, que será realizado no Castelo Garcia D’Ávila, no sábado. O aquecimento do setor de eventos também é um dos motivos que contribui para a retomada do turismo, de acordo com membros do trade turístico.  

A professora Joselice vai viajar para Praia do Forte no feriado 

(Foto: Arquivo Pessoal)

Para o presidente da Associação Baiana de Produtores de Eventos da Bahia (Abape-BA), Moacyr Villas Boas, o cenário é animador, mas os custos necessários para a promoção de eventos aumentaram, o que dificulta a retomada plena.  

“Não é um momento muito favorável porque a economia do país vai de mal a pior. Os custos para se produzir os eventos dobraram em todos os sentidos em comparação com o ano passado”, afirma. Segundo Moacyr, apesar dos ingressos para shows e eventos estarem mais caros, não foi feito o repasse integral dos aumentos de preços para os consumidores.  

O presidente da Apabe-BA diz ainda que a grande oferta de eventos que vem sendo disponibilizada na cidade pode até criar problemas para o setor: “Diante dessa abertura, todos estão produzindo de uma vez. O excesso de oferta de eventos prejudica as vendas de uma forma geral, já que são muitas opções e as pessoas precisam escolher”. 

Pelo menos 56 mil pessoas devem deixar Salvador no feriado  

Se nos últimos dois anos a Semana Santa foi marcada pelo lockdown e a rodoviária de Salvador esteve fechada, neste ano a expectativa é de que mais de 56 mil pessoas deixem a capital através do terminal entre a quarta-feira (13) e a segunda-feira (18). Os dados são da Agência Estadual de Regulação de Serviços de Transporte (Agerba). 

Apesar do incremento em comparação aos últimos anos em que os ônibus não rodaram, o número é 30% menor do que o registrado em 2019, quando 80 mil passageiros embarcaram. A Agerba volta a realizar operação especial de transporte na Rodoviária de Salvador durante esta semana, mas os horários extras serão ofertados mediante demanda 

O maior dia de movimento será a quinta-feira (14), quando mais de 15 mil pessoas devem passar pela rodoviária, segundo dados da Agerba . O presidente da Associação Brasileira de Viagens (Abav), seção Bahia, Jean Paul Alfred, explica que o turismo regional feito através das estradas baianas teve um incremento neste ano.  

“O turismo rodoviário está crescendo. As pessoas tem vindo muito de ônibus para Salvador, especialmente com excursões, e vem do Brasil todo, mas principalmente das regiões do Nordeste e do Sul. Salvador é um dos destinos mais desejados no imaginário dos turistas”, diz.   

Durante o feriado, técnicos e especialistas em regulação da Agência vão realizar fiscalizações em combate ao transporte irregular de passageiros nas principais rodovias baianas. Nas operações, as equipes contam com o apoio do Batalhão de Polícia Rodoviária e da Polícia Rodoviária Federal.

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lôbo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas