Por onde anda? Jogadores ex-Bahia foram parar em times difíceis de imaginar

e.c. bahia
24.05.2020, 05:36:00
Atualizado: 25.05.2020, 11:48:45

Por onde anda? Jogadores ex-Bahia foram parar em times difíceis de imaginar

Saiba o time atual também de Ávine, Marcone, Feijão, Rafael Donato e outros ex-tricolores

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Cinco anos após deixar o Bahia, por onde anda Ávine? E o volante Marcone, que junto com o lateral esquerdo atravessou uma das fases mais difíceis da história do Bahia? A dupla joga atualmente em times distintos da região Centro-Oeste do Brasil, assim como o volante Feijão, xodó da torcida, e o zagueiro Rafael Donato, autor de um gol marcante em 2012.

Outros que vestiram a camisa do Esquadrão recentemente deixaram o Brasil, casos dos atacantes Adriano ‘Michael Jackson’ e Zé Roberto, do lateral direito Bebeto e do volante Bruno Paulista, que chegou a ser a maior venda da história do Bahia e está em um clube desconhecido do interior de Portugal. A seguir, veja o clube atual de todos eles:


Foto: Divulgação

Ávine

Lateral esquerdo que marcou época no Bahia, onde atuou profissionalmente de 2005 a 2015 (com rápida passagem pelo Santo André em 2009), Ávine agora está com 32 anos e joga no Operário-MS como meia. Ele estreou com gol na vitória por 4x1 sobre o Pontaporanense, na largada do time no Campeonato Sul-Mato-Grossense, que foi paralisado em março, após as dez rodadas da primeira fase. Quando voltar, o estadual irá para as quartas de final, e o time de Ávine fará o clássico contra o Comercial. Outro ex-tricolor no Operário-MS é o atacante Rychely, que jogou no Bahia em 2009.


Foto: Divulgação

Marcone

Revelação do Bahia na mesma geração de Ávine e que defendeu o Esquadrão até 2011, o volante Marcone está no Ceilândia-DF. O clube ficou em 10º lugar entre 12 clubes no Campeonato Brasiliense, que foi paralisado, em função da pandemia, faltando apenas uma partida (Gama x Real Brasília) para o término da primeira fase, com os oito classificados já definidos. O time de Marcone, portanto, não avançou. O volante, que chegou a disputar o Mundial sub-20 com a seleção brasileira em 2007, está com 32 anos.
 

Foto: Divulgação/Rafael Donato é o penúltimo em pé, com faixa de capitão, ao lado de Neto Baiano

Rafael Donato

Outro ex-tricolor atuando no Distrito Federal. O zagueiro Rafael Donato, cuja passagem no Bahia ficou marcada pelo gol salvador que marcou nos minutos finais contra o Vitória da Conquista, na semifinal do Baiano de 2012, está no Brasiliense. O time, que também tem o lateral direito Railan, ex-Bahia, e os centroavantes Neto Baiano e Zé Love, ambos ex-Vitória, já se garantiu nas quartas de final do estadual. Após sair do Esquadrão, em 2013, Rafael Donato defendeu Criciúma, Joinville e União da Madeira (Portugal). Tem 31 anos.
 

Foto: Divulgação

Feijão

Após passagem rápida em 2019 pelo Kazma, do Kuwait, o volante revelado no Bahia em 2013 acertou com a Anapolina nesta temporada. O time de Feijão está mal: lanterna do Campeonato Goiano, que foi paralisado a duas rodadas do final da fase classificatória, a Anapolina está quatro pontos atrás do Goiânia, primeiro time fora da zona de rebaixamento do estadual, e ainda tem o Iporá entre ambos. Esta é a segunda passagem do jogador por Goiás, já que antes defendeu o Atlético Goianiense, em 2015. Também passou por Flamengo, na época emprestado pelo Bahia, e CRB e São Bento, após deixar o tricolor. Está com 26 anos.
 

Foto: Alef Jordan/Capixaba EC

Paulo Roberto

O “Menino da Ribeira” está à espera de propostas, pois ainda não acertou com nenhum clube neste ano. O último time do atacante foi o Tupy-ES, em 2019, pelo qual disputou o Campeonato Capixaba. Revelado pelo Bahia em 2009, Paulo Roberto está com 31 anos. Após deixar o Esquadrão, passou também por Fortaleza, Uberlândia-MG, Joinville, Feirense, Bragantino, Shanghai Shenxin (China), Botafogo-SP, Guarany de Sobral-CE, Paraná, Guarani, Galícia, Gama, Nacional-AM e Comercial-MS.
 

Foto: Divulgação

Bruno Paulista

Maior venda* do Bahia na época de sua transferência para o Sporting, em 2015, por 3,5 milhões de euros (R$ 13 milhões na ocasião), o meio-campista ainda não conseguiu emplacar no clube português, com o qual tem contrato até 2021, e tem sido emprestado seguidamente. Após passagens por Vasco e Londrina, Bruno Paulista foi cedido em fevereiro ao Fátima, que disputa o Campeonato de Portugal, equivalente à terceira divisão nacional. Tem 24 anos.

*Considerando o valor nominal em reais, cujo câmbio tornou o valor maior do que os 4 milhões de euros (R$ 12 milhões) da venda de Anderson Talisca em 2014. O recorde atual cabe a Zé Rafael, negociado ao Palmeiras em dezembro de 2018 por R$ 14,5 milhões. 


Foto: Divulgação

Bebeto

O caso do lateral direito Bebeto é o oposto: revelado pelo Bahia em 2009, teve poucas chances também no ano seguinte e não se firmou no tricolor, de onde saiu para o Bahia de Feira. Após rodar por clubes de pouca expressão no Brasil, como Rio Verde-GO, Caxias-RS, São Bento e Moto Club, ele rumou para Portugal em 2017 e desde então é titular do Marítimo. O time é o 15º colocado da primeira divisão portuguesa, que parou após a 24ª de 34 rodadas e tem retorno agendado para o dia 4 de junho. Bebeto está com 30 anos e tem como parceiro de equipe o zagueiro Renê Santos, que jogou no Vitória em 2017.
 

Foto: Divulgação

Adriano 'Michael Jackson'

Destaque na campanha do acesso à Série A em 2010, o atacante Adriano Michael Jackson aproveitou o sucesso que fez naquela temporada para abrir portas na Ásia já em 2011, quando trocou o Palmeiras pelo Dalian Shide, da China. Voltou ao Brasil em 2013 para jogar no Bahia e depois no Atlético Goianiense e em 2014 partiu para a Coreia  do Sul, onde já vestiu as camisas do Daejeon Citizen, Seoul, Jeonbuk Motors e novamente Seoul, seu clube atual. Em 2017, passou pelo Shijiazhuang Ever Bright, da China. É tricampeão sul-coreano (2016 pelo Seoul, 2018 e 2019 pelo Jeonbuk) e no momento está em atividade, pois a liga local iniciou neste mês.
 


Foto: Divulgação

Rafael Gladiador

O centroavante que estreou como profissional no Bahia aos 18 anos, após ter se destacado na campanha do vice-campeonato da Copa São Paulo de Futebol Júnior, está atualmente no Patrocinense-MG. O time é o sexto colocado do Campeonato Mineiro, que foi paralisado a duas rodadas do fim da primeira fase. Rafael, que chegou a representar o Brasil no Pan-Americano de 2011, tem 27 anos e estava na Cabofriense-RJ em 2019. Antes, passou por DC United (Estados Unidos), Atlético Goianiense, Zacatepec (México), Xinjiang Tianshan Leopard (China) e Tupi-MG.
 

Foto: Divulgação

Helton Luiz

Promessa contratada pelo Bahia em 2009, o meia Helton Luiz passou por Náutico, América Mineiro e Icasa nos dois anos seguintes e, desde 2012 até hoje, segue a carreira no interior de São Paulo. O clube atual é o São Bernardo, líder da Série A2 do Campeonato Paulista. O currículo é extenso: Atlético Sorocaba, São Bento, Oeste, São Caetano, Santo André, Botafogo-SP, Bragantino, Comercial e Inter de Limeira. Está com 33 anos.
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Zé Roberto

O atacante Zé Roberto, que estreou no Bahia em 2014 e ficou até 2016, começou a atual temporada no Atlético Goianiense e fez um gol na estreia no Campeonato Goiano, contra o Grêmio Anápolis. Mas foi só. Depois dessa partida, ele deixou o clube e seguiu para o Baniyas, dos Emirados Árabes Unidos, emprestado até junho. Por lá, disputou seis jogos antes da paralisação por causa da pandemia do novo coronavírus e marcou um gol. É a segunda experiência no exterior de Zé Roberto, que em 2018 vestiu a camisa do Daegu, da Coreia do Sul. No ano passado ele jogou a Série B pelo São Bento. Aos 26 anos, o atacante reencontrou no Oriente Médio o volante Luiz Antônio, com quem jogou no Bahia em 2016.
 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas