Registro de casos de covid-19 em escolas de Salvador preocupa famílias

salvador
03.06.2022, 05:10:00
Escolas mantém protocolos sanitários como a oferta de displays de álcool em gel... (Paula Fróes/CORREIO)

Registro de casos de covid-19 em escolas de Salvador preocupa famílias

Instituições orientam alunos com sintomas a ficarem em casa

A estudante Maria Antônia**, 15 anos, teve covid em maio de 2021 e voltou a manifestar sintomas da doença nesta semana. Preocupada, a mãe da adolescente resolveu que ela devia se afastar da escola até melhorar. Segundo a jovem, outros colegas da mesma sala também estão com sintomas gripais. O crescimento no número de casos de covid-19 na Bahia tem deixado pais, estudantes e diretores preocupados. A prefeitura de Salvador acendeu o sinal amarelo e informou que monitora a situação.

Em uma semana, o estado registrou aumento de 86% nos casos ativos de covid-19. Na quinta-feira (02), a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) informou que 953 pessoas estão contaminadas. No dia 26 eram 512. A flexibilização da máscara e a diminuição do ritmo de vacinação são apontados como facilitadores desse crescimento, de acordo com especialistas.

Ainda segundo a Sesab, de 1,5 milhão de casos de covid-19 registrados na Bahia desde o início da pandemia, 7,7% foram na faixa etária de 10 a 19 anos. Em relação ao número de óbitos por complicações da infecção, 97 ocorreram nesse grupo, o que representa 0,3% do total de mortes por covid no estado: 29,9 mil.

“Eu comecei a ter os sintomas na terça-feira, a garganta irritada, mas nada demais. Na quarta, depois que voltei da escola, comecei a sentir também dor de cabeça e indisposição, então não voltei no dia seguinte. Vou fazer o teste amanhã [nesta sexta-feira, 03] para saber se é covid, mas já tomei todas as vacinas. Se for, os sintomas estão sendo leves”, contou Maria Antônia.

Mesmo com a flexibilização do uso de máscaras, a estudante contou que usava o equipamento na escola, incentivada pela direção da unidade. Nesta quinta-feira (2), estudantes do Colégio Cândido Portinari, no Costa Azul, fizeram testes depois que outros colegas manifestaram sintomas e foram confirmados com covid.

O colégio divulgou um comunicado aos pais afirmando que devido ao surgimento de casos confirmados de covid-19 entre estudantes do ensino médio, faria a testagem dos alunos, e pediu autorização. O Portinari também voltou a recomendar o uso de máscara nos ambientes da escola. O número de casos confirmados não foi divulgado. Em nota enviada à reportagem, a direção da escola contou que a ação foi preventiva.

“Fomos informados pelas famílias, essa semana, que alguns estudantes testaram positivo para covid-19. Mantendo os cuidados que o colégio vem tendo com relação às orientações e monitoramento, como medida preventiva, em contato com a Secretaria Municipal de Saúde, decidimos fazer a testagem dos estudantes do ensino médio, nesta quinta-feira”, diz a nota.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) disse, também em nota, que a testagem de estudantes no Colégio Portinari faz parte de uma ação de rotina. “Após a ocorrência de alguns casos suspeitos de covid-19 no local, o CIEVS solicitou a testagem para investigação dos casos. A iniciativa visa identificar os casos positivos do coronavírus para que os infectados sejam encaminhados para isolamento domiciliar, evitando assim a disseminação do vírus”.

...uso de garrafas e copos individuais nos bebedouros

(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Atenção redobrada
Os gestores das escolas temem os efeitos das doenças gripais típicas do outono-inverno e estão frisando a necessidade do uso de máscara. O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino da Bahia (Sinepe-BA), Jorge Tadeu Coelho, contou que a instituição fez uma reunião na segunda-feira (30) e discutiu a questão, mas não tem levantamento do número de alunos infectados.

“Estamos acompanhando a evolução dos casos de covid, mas o que tem nos preocupado mais são as doenças gripais típicas desse período. As escolas estão seguindo as recomendações dos órgãos de saúde, no momento o uso de máscara não é obrigatório, mas estamos sugerindo o uso da proteção. A maioria dos pais é consciente e tem seguido as orientações, e os protocolos elaborados nos dois anos de pandemia estão ajudando nesse sentido”, contou.

Em seu perfil no Instagram, o Sindicato dos Professores do Estado da Bahia (Sinpro/BA) também recomendou que os professores e a comunidade escolar retomem o uso do acessório.

Ações nas escolas
No Colégio Marista, em Patamares, estudantes com sintomas gripais devem aguardar em casa por 48 horas e retornar apenas com avaliação médica. A orientadora educacional do 1º e 2º anos do Ensino Fundamental, Mariana Magalhães, contou que essa decisão foi tomada pela direção há duas semanas.

“Continuamos com o protocolo biosanitário adotado durante a pandemia. Apesar das autoridades flexibilizarem as máscaras, aconselhamos a manutenção do uso principalmente para quem tem alergias ou outros sintomas gripais. Além do afastamento de 48 horas, é fundamental avaliação médica e o uso de máscara no retorno”, contou.

Os bebedouros ainda estão vedados para consumo direto, é preciso usar copos ou garrafas individuais, lanches não podem ser compartilhados e a higienização das mãos com álcool 70% faz parte da rotina. 

Os Colégios Bernoulli e Salesiano disseram que estão seguindo as instruções e decretos dos órgãos públicos e redobrando os cuidados. Em comunicado enviado aos pais, o Colégio Anglo-Brasileiro tornou o uso de máscaras obrigatório para estudantes de três séries. A medida foi preventiva, após a confirmação de casos.

A mãe de um aluno de 15 anos que estuda no colégio Oficina e que preferiu não se identificar, contou que tanto ela quanto o filho testaram positivo para a covid-19 nesta quinta-feira (2). “Ontem [quarta, 01], quando ele estava na escola, me mandou mensagem para voltar para casa porque estava com uma sensação de febre. Hoje de manhã eu também acordei febril e fomos fazer o teste”. 

... e lavagem das mãos com frequência

(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Com o resultado positivo, ela e o filho estão isolados do resto da família, em quartos separados dentro de casa. Ambos estão vacinados e apresentam sintomas leves. Segundo a mãe, o filho relatou que dois colegas, mas de uma turma diferente da dele, estão contaminados com a covid-19. 

No Oficina, o uso de máscaras não é obrigatório. “As máscaras foram liberadas, mas os meninos [dois filhos] continuaram usando. O colégio chegou a mandar um e-mail para os pais falando sobre a importância do uso de máscaras, mas não retomaram a obrigatoriedade”, acrescenta a mãe. 

O irmão do adolescente até então não apresentou sintomas, mas por recomendação do colégio, deve se manter afastado das aulas por enquanto.
Já o colégio Integral informou que o uso de máscaras é facultativo e que a obrigatoriedade só será restabelecida caso existam protocolos oficiais das autoridades. O colégio também negou que tenham sido identificados casos positivos de covid-19 entre os seus alunos.

Rede pública
A preocupação com o vírus não tem sido menor na rede pública. Pais, estudantes e professores relataram que temem que a situação saia de controle. A comerciante Jucélia Cerqueira, 40, tem dois filhos em idade escolar e tem alguns receios.

“Os mais velhos [adolescentes] conseguem entender a necessidade dessas medidas, mas não seguem. Não vejo ninguém usando máscara. Os mais novinhos tendem a querer se abraçar, e isso ainda é um risco. Deixo eles na escola com o coração na mão, mas não há muito o que se fazer. Temos que orientar”, disse.

Questionada se pretende exigir o uso da máscara entre os estudantes, a Secretaria Estadual da Educação (SEC) informou, em nota, que seguirá o que for recomendado pelas autoridades sanitárias. Procurada, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) disse que no momento, não há nenhuma diretriz do governo para a volta da exigência do uso desse acessório.

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) também se manifestou em nota: “Até o momento, não existe decreto que obrigue o retorno ao uso de máscaras. Por enquanto, a família decide se as crianças vão para a escola com a proteção”, afirmou.

*Colaborou Maysa Polcri, orientada pela subchefe de reportagem Monique Lôbo.

**Nome trocado para preservar a identidade da fonte.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas