Vai comprar um carro? Confira 10 dicas para fazer o melhor negócio

só se vê no correio
27.11.2021, 07:00:00
Antes de fechar a compra, siga alguns passos para fechar negócio com um veículo que seja realmente adequado às suas necessidades (Foto: Senivpetro/ Freepik.com)

Vai comprar um carro? Confira 10 dicas para fazer o melhor negócio

Seguindo esse passo a passo você compra o seu automóvel novo sem se arrepender depois

Apesar de envolver sonhos e desejos, a compra de um carro deve ser o mais racional possível para evitar prejuízos. Por isso, antes de fechar negócio, entenda suas necessidades e veja se os veículos que estão na sua mira vão oferecer itens que serão realmente úteis.

A seguir, listei alguns pontos que você deve observar antes de definir qual automóvel terá na garagem. Lembre-se, ele será seu companheiro por alguns anos, então uma compra por impulso pode gerar um grande arrependimento.

1. Consumo


Em tempos de combustíveis caros, com gasolina a R$ 7, a eficiência energética é fundamental. Consulte a etiqueta do Inmetro que é fixada no carro ou clique aqui para ver qual o consumo dos modelos que você busca. 

Mesmo se você for um privilegiado, que não vê o preço dos combustíveis como um problema, é preciso ponderar outras coisas. Primeiro, a autonomia do tanque será menor e você terá que parar mais em uma viagem mais longa. O outro ponto é a sustentabilidade, quanto maior o consumo, maior será a emissão de poluentes.

2. Geração

Os veículos mudam periodicamente. Na maioria das vezes, um fica em linha por sete ou oito anos e um utilitário, como uma picape, nove ou dez anos - é a chamada geração. No meio ciclo existem duas ou três atualizações de estilo, os chamados facelifts. Mas podem haver também mudanças na mecânica, como ajustes ou substituições de motor.

Observe esses intervalos pois eles podem definir o valor de uma futura revenda, além disso, o modelo atualizado terá mais inovações. Sabendo disso, você pode até comprar um carro sabendo que ele vai mudar, desde que consiga um bom preço.

3. Rede de concessionárias

Observe se o veículo que você está comprando tem uma boa rede de concessionárias na sua região. Entenda se para onde você viaja há assistência para um eventual serviço rápido. Em uma metrópole como Salvador, atravessar a cidade para fazer revisões pode não ser interessante.

A cobertura da garantia é para o território nacional, mas muitas vezes é melhor evitar uma disputa jurídica. 

4. Valor do seguro

Alguns carros são mais visados do que outros e isso implica diretamente na sua segurança, pois estará mais susceptível a um assalto e, consequentemente, o preço do seguro será mais alto.

Versões esportivas também costumam ter o custo da cobertura maior, pois alguns proprietários abusam mais da velocidade e o índice de acidentes é maior. Dessa forma, entenda se uma configuração desse tipo é mesmo necessária.

5. Equipamentos

Itens como rodas mais largas e pneus de perfil mais baixo deixam a estética dos automóveis mais apurada e podem ajudar na estabilidade. Não há dúvidas. Mas e na vida real? Resista aos opcionais ou versões que ofereçam equipamentos que não serão práticos na sua vida.

O mesmo vale para versões aventureiras com excesso de adesivos na carroceria. A tendência é que em menos de três anos eles estejam desbotados.

6. Experiência

Depois de levantar quais são as opções que você tem, vá a uma concessionária fazer um test drive. Faça uma experimentação cuidadosa. Normalmente, as revendas oferecem um trajeto pré-definido, mas se restam dúvidas, explique que precisa rodar mais. Até uma eventual ida a sua garagem é algo que pode definir a compra. Não adianta o carro ser bonito, mas complicado de estacionar na sua vaga.

Essa dica vale também para as chamadas "pré-vendas". Um carro é algo muito valioso para ser adquirido por uma foto ou vídeo. Entenda como ele ficará posicionado no mercado, experimente e só depois compre.

7. Vai trocar?

Se você vai usar o seu carro usado como forma de pagamento faça uma pesquisa prévia para ter noção do valor de mercado e assim não perder tempo. 

Geralmente, as concessionárias vão pagar um pouco menos pelo seu veículo, óbvio. Eles vão ter que revisar, dar garantia e esperar pela venda dele. Tudo isso envolve custos.

O que você precisa avaliar é essa diferença justifica o tempo e o risco que terá vendendo de forma particular. E ainda haverá necessidade de ajustar a documentação, entre outros trâmites. 

Se conseguir uma boa negociação com a loja, combine para entregar o usado quando receber o novo e não fique a pé.

8. Modalidade de compra

Se você tem empresa, até mesmo uma MEI, é produtor rural ou se enquadra em alguma situação PcD (Pessoa com Deficiência), procure o departamento de vendas diretas das revendedoras.

Os descontos são relevantes, mas é preciso entender os prazos para recebimento e também qual o tempo obrigatório que terá que ficar com o veículo.

9. Comprar ou assinar?

É importante avaliar bem as formas de compra, como financiamento ou utilizar uma carta contemplada de consórcio, por exemplo. No caso do financiamento você poderá ver as taxas oferecidas pelos bancos que possuem acordo com o revendedor e com o banco da montadora. Mas ligue também para o gerente do seu banco e veja qual condição ele consegue. 

Outra opção é entender se a assinatura se encaixa no seu estilo de vida. Nela, você escolhe um carro zero-quilômetro e só irá pagar uma única mensalidade, que inclui seguro, emplacamento e revisões.

10. Entrega técnica

Carro não é tudo igual. Se você fez sua escolha e comprou, parabéns. No grande dia de recebê-lo, vá com tempo. As lojas possuem profissionais treinados para explicar todas as funções do veículo. 

É importante saber como acessar o kit de socorro para trocar um pneu, onde fixar o macaco, por exemplo. Ou até onde destravar o capô ou parear corretamente o smartphone com a central multimídia.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas