RELATO

'Doei óvulos 10 vezes e isso não me conecta às crianças geradas'

Baiana decidiu doar óvulos para ajudar outras mulheres e pela possibilidade de exames gratuitos; saiba como funciona

  • Foto do(a) author(a) Fernanda Santana
  • Fernanda Santana

Publicado em 11 de maio de 2024 às 05:00

Aline Caires, baiana, antes de última doação de óvulos
Aline Caires, baiana, antes de última doação de óvulos Crédito: Acervo pessoal

Aos 24 anos, Aline Caires tomou uma decisão. Queria doar os próprios óvulos para ajudar outras mulheres com problemas de fertilidade. "O fato delas terem esse sonho, porém não ovulam e eu ovulo até demais e não partilho do mesmo sonho, me fez querer ajudar", conta a criadora de conteúdo baiana, que já doou seus gametas reprodutivos dez vezes.

A compra e venda de células reprodutivas é proibida no país. A doação pode ser apenas espontânea, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). E o anonimato deve ser preservado, exceto em caso de familiares diretos — até o quarto grau. 

Mulheres com dificuldade para engravidar, e que não podem pagar pela importação de gametas estrangeiros, dependem de doadoras de óvulos para isso. Já aquelas que querem ser mães independentes e casais de lésbicas demandam doadores de sêmen. Os óvulos, no entanto, são mais raros, já que o corpo feminino começa a limitar a produção deles a partir dos 35 anos.

Para Aline, há outro atrativo em doar: a possibilidade de passar por exames gratuitos. O CFM permite isso, e as doadoras precisam passar por baterias de exames para ser consideradas aptas. 

"Nunca me senti conectada a essa doação, não tenho afeto algum por qualquer criança que já tenha sido gerada dos meus óvulos. Tenho consciência de que elas não são nada minhas".

Leia abaixo o relato da criadora de conteúdo e saiba como se tornar um doador — de óvulo e sêmen.

Decidi começar a doar óvulos por incentivo da minha irmã, aos 24 anos, quando já morava em São Paulo. Super abracei a causa e quis também. Ela começou a doar, por conta de uma amiga dela japonesa que era doadora e contou mais para ela, que se interessou. Já doei óvulos 10 vezes. Esse é o máximo permitido no lugar onde doo, então será minha última vez [a quantidade de vezes que uma mulher pode doar óvulos não é regulamentada por lei no Brasil]. 

Para mim, o fato de ajudar mulheres que sonham em ser mães (sendo que não é um sonho meu), é muito gratificante. O fato delas terem esse sonho, porém não ovulam e eu ovulo até demais e não partilho do mesmo sonho, me fez querer ajudar.

Além disso, faço todos os exames, desde o ginecológico, até os exames de sangue, todos grátis, o que também é um incentivo. Sendo que os mesmos exames, se eu fosse pagar por eles ou pelo SUS, ia esperar durante meses. Com a doação, tive o privilégio de estar com minha saúde íntima em dia.

Nunca me senti conectada a essa doação, não tenho afeto algum por qualquer criança que já tenha sido gerada dos meus óvulos. Tenho consciência de que elas não são nada minhas.

Desde a primeira vez que doei óvulos até a última vez, o que eu senti fisicamente foi um certo incômodo abdominal e inchaço por conta dos hormônios aplicados. Mentalmente, fiquei muito sensível de todas as vezes. Chorona, estressada, é uma sensação de tensão pré-menstrual umas cinco vezes pior, acho que pela quantidade de hormônio feminino ingerido.

Mas todas as doações que fiz foram muito tranquilas. Eles dão todo o suporte, desde a pré doação, quanto a pós. Do medicamento caso a mulher venha sentir desconforto abdominal. Doar é super tranquilo. Inclusive, incentivei minha namorada a doar e como ela é bem mais nova que eu, ela vai doar esse mês também pela primeira vez. Já incentivei outras pessoas a fazerem a mesma coisa.

Como me tornar doadora de óvulos?

Mulheres interessadas em se tornarem doadoras voluntárias de óvulos devem buscar clínicas especializadas em reprodução assistida ou centros médicos que ofereçam programas de doação de óvulos. Antes de passarem pelo procedimento, as doadoras são submetidas a uma bateria de exames médicos rigorosos, visando descartar qualquer possibilidade de infecções, problemas ginecológicos ou genéticos que possam afetar a saúde dos futuros bebês. Depois, é iniciado o tratamento hormonal e, por fim, a extração artificial dos óvulos. 

Como me tornar doador de sêmen?

Homens interessados em se tornarem doadores voluntários de sêmen também devem buscar clínicas especializadas em reprodução assistida ou centros médicos que ofereçam programas de doação de óvulos. Eles também passam por exames rigorosos, mas o processo de extração é mais simples, feito por meio de masturbação.