ENCHENTES NO SUL

Bebê que desapareceu após cair de barco durante resgate é encontrada sem vida no RS

Irmã gêmea de Agnes também estava na embarcação e foi resgatada

  • Foto do(a) author(a) Rede Nordeste, O Povo
  • Rede Nordeste, O Povo

Publicado em 13 de maio de 2024 às 16:08

Agnes, de sete meses, estava desaparecida desde o dia 4 de maio, quando caiu de um barco durante resgate na cidade de Canoas
Agnes, de sete meses, estava desaparecida desde o dia 4 de maio, quando caiu de um barco durante resgate na cidade de Canoas Crédito: Reprodução/Instagram

A família da bebê Agnes da Silva Vicente, de sete meses, confirmou nesse domingo, 12, que a criança foi encontrada sem vida. Agnes estava desaparecida desde o dia 4 de maio, quando caiu de um barco durante resgate no Rio Grande do Sul.

Agnes e familiares, incluindo a irmã gêmea Ágata, estavam em uma embarcação após resgate no município de Canoas, uma das regiões mais afetadas pelas fortes chuvas que atingem o estado gaúcho.

Em certo ponto, a embarcação que levava 14 pessoas virou. As duas bebês foram retiradas da água, porém Agnes não foi mais vista pelos parentes. A irmã gêmea chegou a ser internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após ter sido resgatada.

Nesse domingo, 12, a mãe das crianças, Gabrielli Vicente, informou sobre a morte de Agnes pelas redes sociais.

“Infelizmente, a história não acabou como queria. Agora, este vazio da foto vai ser eterno. Agora, a saudade e a lembrança vão fazer morada”, escreveu em uma publicação.

Gabrielli também afirmou que não há culpados pela morte da filha e agradeceu as pessoas que auxiliaram no resgate da família.

“Sei que ninguém teve culpa! Ninguém! Muito menos as pessoas que se disponibilizaram em nos salvar. A todos que estavam dando a vida para nos salvar, toda a minha gratidão. Vocês são meus heróis”, continuou.

De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil do Rio Grande do Sul, na manhã desta segunda-feira, 13, o número de mortos subiu para 147, além de 806 feridos e 127 desaparecidos. Mais de dois milhões de pessoas foram afetadas pela tragédia, com 538.241 desalojados e 80.826 pessoas em abrigos.