Cunha prolonga votações e Conselho é obrigado a suspender sessão

Segundo o regimento interno, comissões não podem funcionar quando há a ordem do dia no plenário

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 17:46

- Atualizado há 10 meses

Votações no plenário da Câmara obrigaram o presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), a suspender a reunião desta quarta-feira (24) destinada a votar o parecer do deputado Marcos Rogério (PDT-RO) pela continuidade do processo de cassação do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Segundo o regimento interno, comissões não podem funcionar quando há a ordem do dia no plenário. Cunha marcou as votações para 9h nesta quarta-feira e a sessão se estendeu pela tarde. Geralmente, às quartas, as votações ocorrem no período da tarde.(Foto: Agência Brasil)Cunha, por sua vez, antecipou a sessão sob a alegação de que queria viabilizar a aprovação de propostas de emenda constitucional, o que impossibilitou o funcionamento do Conselho de Ética, que estava com reunião agendada para 14h30. O deputado Araújo, presidente do Conselho, tentará retomar a reunião do órgão após as votações.

Desde a abertura do processo que investiga Eduardo Cunha, já se passaram 50 dias úteis sem que o parecer preliminar tenha sido votado. Araújo atribui a demora nos procedimentos a manobras de Cunha e aliados, que já substituíram o relator inicial, deputado Fausto Pinato (PRB-SP), anularam a votação do parecer de Marcos Rogério, atual relator, fazendo com que o processo retornasse ao ponto inicial. Enquanto isso, Cunha alega ter direito a defesa.