Irã defende cessar-fogo e julgamento de Israel por crimes de guerra

Presidente iraniano enviou carta ao presidente Lula nesta sexta (9)

Publicado em 9 de janeiro de 2009 às 23:14

- Atualizado há 9 meses

Um cessar-fogo imediato, recuo do governo de Israel e reabertura de todos os acessos para ajuda humanitária na Faixa de Gaza. Essas são as principais reivindicações apresentadas hoje (9) pelo enviado especial do presidente do Irã ao Brasil, o ministro dos Assuntos Cooperativos, Mohammad Abbasi, em uma carta entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Além disso, o governo iraniano também defende que o Estado de Israel seja levado a julgamento pelas cortes internacionais por crimes de guerra e violação dos direitos humanos do povo palestino.Na mensagem enviada a diversos chefes de Estado, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, afirma que “o holocausto real acontece hoje, em Gaza e na Palestina”.Durante coletiva na tarde de hoje (9), na embaixada do Irã, o ministro Mohammad Abbasi ressaltou que a ação de Israel na Palestina é uma violação dos palestinos, representados pelo movimento Hamas. Questionado se o governo iraniano apóia o grupo islâmico da palestina, Abbasi respondeu que não há como o Irã ou grupos como o Hezbollah, do Líbano, terem posição diferente.“Será que nós podíamos dizer que nós apoiamos violações? Então desse ponto de vista quer dizer que nós apoiamos o Hamas, ou qualquer outro povo que passe por violação [de direitos humanos e/ou soberania]”, disse o ministro iraniano.Abbasi afirmou, ainda, que o Irã não espera soluções dos líderes dos Estados Unidos para o conflito. Isso porque, de acordo com ele, até hoje o governo norte-americano sempre agiu da mesma forma, apoiando Israel.Do Brasil, Mohammad Abbasi segue para o Equador e, em seguida, para a Bolívia, levando a mensagem do presidente do Irã, Ahmadinejad. O governo iraniano também mandou enviados especiais para outros países, como a Venezuela e Cuba.(Com informações da Agência Brasil)