TENTATIVA DE GOLPE

OAB nega ter sido procurada por Bolsonaro para tentar sustentar golpe

A ideia de Bolsonaro era contar com ajuda da OAB para fazer coro contra a urna eletrônica

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 9 de fevereiro de 2024 às 23:22

Reunião ministerial de Bolsonaro antes das eleições de 2022  Crédito: Reprodução

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Beto Simonetti, afirmou por meio de nota não ter sido procurado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para participar de uma tentativa de golpe no País em 2022. O ex-chefe do Poder Executivo federal sugeriu em reunião com ministros que seus aliados buscassem o apoio da OAB para um documento que alegaria ser impossível atestar a "lisura das eleições"

A ideia de Bolsonaro era contar com ajuda da OAB para fazer coro contra a urna eletrônica. "O ex-presidente Jair Bolsonaro e seus interlocutores nunca procuraram a OAB para pedir apoio a críticas infundadas contra o sistema eleitoral. Caso alguém pedisse apoio da OAB para essa pauta, receberia um não como resposta", garantiu Simonetti.

O comunicado foi feito no mesmo dia em que a OAB protocolou um requerimento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a comunicação entre advogados na Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na quinta-feira, 8. No despacho que autorizou os mandados de busca e apreensão, o ministro do STF Alexandre de Moraes determinou aos alvos do inquérito a proibição "de manter contato com os demais investigados, inclusive através de advogados".

"Na mesma petição, reiteramos a confiança da OAB no sistema eleitoral e nas urnas eletrônicas. Relembramos ainda todas as ações concretas tomadas pela Ordem para rechaçar as acusações infundadas feitas contra o sistema eleitoral e para defender a Justiça Eleitoral", diz outro trecho da nota de Simonetti.

O presidente da entidade máxima dos advogados ainda disse que a Ordem mantém posição "técnico-jurídica" e não "político-partidária". "A OAB não toma lado nas disputas político-partidárias e mantém posição técnico-jurídica. A atual gestão da Ordem tem como prioridade atuar em temas do dia a dia da advocacia, como as prerrogativas da profissão. Por não assumir lado na disputa ideológica e partidária, a OAB recebe críticas de setores das diversas linhas ideológicas que tentam obter apoio da entidade para seus diferentes pleitos", concluiu.