Austrália proíbe atletas de visitar favelas no Rio de Janeiro

Prefeito Eduardo Paes chamou situação de "ignorância"

Publicado em 25 de fevereiro de 2016 às 04:29

- Atualizado há 10 meses

O Comitê Olímpico da Austrália (AOC), na sigla em inglês vai oferecer aos seus atletas uma cartilha na qual veta a ida deles a favelas durante a presença da delegação no Rio para os Jogos Olímpicos. A decisão, revelada no último domingo pelo jornal australiano Herald Sun, gerou críticas do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB).

“Existe muita ignorância sobre o Rio e o Brasil, além de um certo de drama de como as coisas são. Cá entre nós, o comitê australiano tem sido fonte de agressões contra o Brasil. E a gente ama Sydney”, comentou o prefeito. Paes se referia ao fato de John Coates, presidente do AOC e membro da comissão do Comitê Olímpico Internacional (COI) que cuida dos Jogos do Rio, ter tido em abril de 2014 que a preparação da Cidade Maravilhosa era a pior que ele tinha visto. Bastante criticado, ele logo voltou atrás e disse que confiava que o trabalho seria bem feito.

Agora, entretanto, a Austrália demonstra preocupação com a segurança da cidade. “Nossos atletas certamente vão interagir com os cariocas e vão aproveitar a praia de Copacabana. Mas as favelas são áreas que não podemos controlar e a segurança pessoal de nossos atletas vem antes”, explicou à agência de notícias The Associated Press o porta-voz do AOC, Mike Tancred.

De acordo com ele, a Austrália não pode permitir que os atletas subam as favelas porque o comitê não consegue controlar um grande número de atletas indo a lugares diferentes ao mesmo tempo. Tancred, porém, não deixou de tentar demonstrar simpatia com o País. “Nós amamos o Brasil e estamos ansiosos para compartilhar a emoção. O Rio teve um tremendo progresso na preparação para os Jogos e não temos dúvidas de que o Rio vai entregar (o esperado)”.