Ídolo da F1, Ayrton Senna se torna Patrono do Esporte Brasileiro

Presidente em exercício, Geraldo Alckmin sancionou Lei 14.559, após aprovação no Senado

  • D
  • Da Redação

Publicado em 26 de abril de 2023 às 13:16

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Fórmula 1/Site oficial

Ídolo e referência do automobilismo brasileiro e mundial, Ayrton Senna foi elevado à condição de patrono do esporte brasileiro, sob a lei de nº 14.559, sancionada pelo vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) e publicada no Diário Oficial da União (DOU) em edição ordinária desta quarta-feira (26).

A lei já havia sido aprovada pelo Senado em março deste ano. Ela foi protocolada pelo deputado federal Filipe Barros (PL-PR), em 2019. A decisão passa a valer a partir da data de sua publicação pelo presidente em exercício, visto que o titular do cargo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), está em viagem oficial pela Europa.

Senna morreu no dia 1º de maio de 1994, após acidente durante o GP de San Marino da Fórmula 1, e fez história pelo esporte brasileiro em sua passagem pelas pistas. Nascido em São Paulo, em 1960, o piloto começou sua carreira no kart com 13 anos. Na F-1, ingressou pela Toleman, extinta equipe da categoria em 1984, mas fez história pela Lotus e McLaren.

Em 162 GPs disputados, conquistou 80 pódios e 41 vitórias, além de três títulos, em 1988, 1990 e 1991, todos pela McLaren.

Seu velório, em 1994, reuniu mais de 200 mil pessoas na cidade de São Paulo. Após sua morte, Viviane Senna, sua irmã, fundou o Instituto Ayrton Senna, organização não governamental que oferece oportunidades de desenvolvimento humano a crianças e jovens de baixa renda. A instituição segue em atividade até os dias de hoje e mantém diversas ações no esporte e sociais.