Marina Ruy Barbosa e Giovana Cordeiro interpretam irmãs em Fuzuê

Autor Gustavo Reiz, que foi autor do SBT e Record, estreia na Globo em produção que promete leveza e suspense

  • Foto do(a) author(a) Roberto Midlej
  • Roberto Midlej

Publicado em 14 de agosto de 2023 às 06:00

Preciosa (Marina Ruy Barbosa) e Luna (Giovana Cordeiro).
Preciosa (Marina Ruy Barbosa) e Luna (Giovana Cordeiro). Crédito: Fabio Rocha/TVGlobo

O autor Gustavo Reiz, de 42 anos, vive a partir desta segunda-feira um momento especial em sua vida: vai ao ar o primeiro capítulo de Fuzuê, novela das sete que marca a estreia dele na Rede Globo. Depois de escrever novelas como Os Ricos Também Choram (2006), no SBT, e Dona Xepa (2013), na Record, Gustavo se prepara para ver uma obra sua transmitida na emissora que o formou como espectador de novelas. "Sou um novelista-noveleiro", brinca.

Não é à toa que Fuzuê fará diversas referências a novelas antigas e também a autores que inspiraram o novo autor da Globo. E essa inspiração aparece até na hora de batizar os personagens, como é o caso de uma família chamada Braga e Silva. "Sim, é uma singela homenagem a Gilberto Braga e Aguinaldo Silva, dois grandes autores pelos quais tenho muita admiração", diz Gustavo, referindo-se aos criadores de novelas clássicas como Vale Tudo (1988) e Tieta (1989), respectivamente.

Silvio de Abreu, que escreveu mais dez novelas para a Globo, também será lembrado, até com falas que remetem a novelas do veterano. Também bordões de antigos folhetins serão resgatados por um dos personagens, Caíto (Clayton Nascimento), que interpreta as "drag sisters" Ruth e Raquel.

A protagonista

A novela conta a história de Luna (Giovana Cordeiro), uma mulher simples, carismática, moradora do Bairro de Fátima, no centro da cidade do Rio de Janeiro, que produz e vende joias feitas com materiais recicláveis e busca por pistas que desvendem o paradeiro de sua mãe, Maria Navalha (Olivia Araújo), ex-cantora da Lapa, que desapareceu misteriosamente há um ano.

Enquanto busca pela mãe, Luna acaba se envolvendo em uma caça a um antigo tesouro. Mas a heroína da história não está interessada na fortuna. “Para Luna, o tesouro dela é a mãe, a família, os valores que ela cultiva, como a lealdade e a amizade. E a Luna não acredita que as coisas na vida venham de uma forma fácil. Então, trabalha muito para conquistar o que deseja”, brinca Giovana sobre a história da personagem, a primeira protagonista da sua carreira.

Perto de Luna, mas numa realidade muito diferente, vive Preciosa (Marina Ruy Barbosa), uma conhecida e poderosa empresária, dona de uma joalheria, que recebe como herança do pai, Cesar Montebello (Leopoldo Pacheco), documentos que indicam a localização daquele mesmo tesouro cuja procura também envolve Luna. Uma surpresa: nem Luna nem Preciosa imaginam que são irmãs uma da outra. Claro que, a partir daí, elas vão se chocar.

As duas vivem realidades muito diferentes e, segundo o autor, a relação entre elas é o principal condutor da trama. Enquanto Luna mora num bairro popular e tem muitos amigos, Preciosa foi criada em berço de ouro, mas é muito solitária e gananciosa.

O autor Gustavo Reiz
O autor Gustavo Reiz Crédito: João Miguel Júnior/Globo

E enquanto a personagem de Giovana é muito transparente com todos, a de Marina Ruy Barbosa vive em um mundo falso: em um programa de TV, ela encarna uma espécie de coach da riqueza, estimulando as mulheres a seguirem seu exemplo, o que está longe de corresponder à sua personalidade real. "O contraste entre esses dois universos, chocando o que é genuíno e o que é fake ou frágil, está presente o tempo todo na novela", diz o autor.

Fórmula clássica

Pelo que diz Gustavo, o espectador pode esperar uma trama com a fórmula clássica das novelas das sete: "Fuzuê é uma novela leve, divertida, com boas doses de mistério e muito romance. É uma comédia para toda família, que convida o público a entrar nessa caça ao tesouro, ao mesmo tempo em que o faz pensar sobre o que seria verdadeiramente algo valioso a buscar".

A busca pelo tesouro envolve ainda outra pessoa: Nero de Braga e Silva (Edson Celulari), dono de uma loja de departamentos popular, a Fuzuê, que dá nome à novela. É embaixo do terreno da loja que se encontra o cobiçado tesouro e vai ter gente interessada em acabar com a construção para encontrar a raridade. Nero, que tem orgulho de sua história, vai lutar muito contra os vilões para impedir que destruam a Fuzuê.

"Cada personagem tem sua busca, sua missão. É uma novela, acima de tudo, sobre a busca de objetivos pessoais, pelas verdades e realizações de personagens muito variados", diz Gustavo Reiz. E, se você quer entrar mais cedo no clima de Fuzuê, vá nesta segunda-feira (14) à Estação Nova Lapa: das 11h às 13h30, haverá uma batalha de megafone para descobrir quem vende melhor, além de estouro de balões para concorrer a brindes e painel instagramável para fotos.

Cyria Coentro
Cyria Coentro Crédito: João Miguel Júnior/Globo

Tem baiana na telinha

A atriz baiana Cyria Coentro vive Emília Pereira, mãe de Vitor (Danilo Maia). Mulher trabalhadora, empreendedora, honesta e que não desiste de seus objetivos. Começa a trama como massagista no condomínio de Bebel (Lilia Cabral), de quem é grande amiga. Tem uma relação próxima com o filho e se preocupa com o envolvimento dele com Francisco (Michel Joelsas).