5 dicas de iluminação para deixar a casa aconchegante no inverno

Veja como alguns tipos de luzes podem oferecer a sensação de conforto e calor durante o frio

  • Foto do(a) author(a) Portal Edicase
  • Portal Edicase

Publicado em 14 de junho de 2024 às 17:31

Imagem Edicase Brasil
Com a chegada do inverno, os dias ficam mais frios e curtos, exigindo ambientes mais acolhedores (Imagem: New Africa | Shutterstock) Crédito:

À medida que nos aproximamos do início do inverno, sentimos os dias mais frios e a necessidade de criar ambientes mais acolhedores para enfrentar temperaturas mais baixas. Afinal de contas, nesta estação, há menor incidência de luz solar, os dias são mais curtos e as noites mais longas.

A escassez de luz natural durante os meses de inverno pode afetar o humor e o bem-estar. Não à toa, existe o transtorno afetivo sazonal, uma depressão que acontece geralmente no inverno, quando há menos luz solar. Todavia, é possível compensar a falta de luz natural com uma iluminação cuidadosamente planejada.

Iluminação quente

O lightning designer Waldir Jr. explica que a iluminação quente remete à sensação de acolhimento e conforto, principalmente quando usada de forma indireta, sem incidir diretamente nos olhos. “Usamos esse tipo de iluminação, geralmente, no quarto ou em salas de estar, pois cria uma atmosfera mais intimista. Outra opção é usar luminárias de ajuste de intensidade, que permitem criar diferentes ambientes de acordo com a ocasião. Uma luz mais brilhante e vibrante pode ser ideal para momentos de socialização ou atividades familiares”, pontua.

Waldir Jr. também afirma que o uso de velas pode adicionar um toque de romance e intimidade ao ambiente, enquanto proporciona uma luz suave e reconfortante. “Escolha velas perfumadas com aromas que evocam a sensação de aconchego”, complementa.

Luzes difusas

Segundo o especialista em iluminação da Cristalux Fabiano Moreira, diretor de marketing do grupo, optar por fontes de luzes difusas ajuda a criar uma atmosfera aconchegante e relaxante. “Luminárias de chão com abajures de tecido, por exemplo, são excelentes para espalhar uma luz suave, criando um ambiente convidativo e acolhedor. Durante as noites frias de inverno, uma luz mais quente pode ser mais convidativa”, diz.

Imagem Edicase Brasil
A luz com temperatura quente promove mais aconchego (Imagem: Pixel-Shot | Shutterstock) Crédito:

Luzes para o inverno

Fabiano Moreira afirma que, no inverno, quando se trata de tornar sua casa mais acolhedora, a iluminação desempenha um papel crucial. Com a menor incidência de luz solar e os dias mais curtos, é importante planejar uma iluminação que compense a falta de luz natural e crie um ambiente convidativo e confortável.

Por isso, aqui estão algumas dicas para aquecer e iluminar sua casa durante a estação mais fria do ano!

1. Luzes quentes

Luzes com temperatura de cor entre 2700K e 3000K são ideais para criar uma sensação de calor e conforto. Use lâmpadas de filamento ou LED com tonalidades quentes em luminárias de chão, abajures e luzes de teto.

2. Iluminação indireta

Iluminação indireta, que não incide diretamente nos olhos, promove uma atmosfera relaxante e acolhedora. Instale fitas de LED sob móveis, prateleiras e atrás de cabeceiras de cama para um brilho suave e difuso.

3. Luminárias de ajuste de intensidade

Luminárias que permitem o ajuste de intensidade da luz são versáteis e podem criar diferentes ambientes conforme a ocasião. Use dimmers em salas de estar e quartos para ajustar a intensidade da luz de acordo com a atividade, seja para leitura, relaxamento ou socialização.

4. Luminárias de chão com abajures de tecido

Estas espalham uma luz suave e difusa, ideal para criar um ambiente relaxante. Posicione essas luminárias ao lado de sofás , poltronas e camas para proporcionar uma iluminação suave e acolhedora.

5. Produtos de alta qualidade

LEDs são altamente eficientes e consomem menos energia se comparados às lâmpadas incandescentes e fluorescentes . Use LEDs em todas as luminárias da casa para economizar energia e reduzir custos de eletricidade.

Por Consuelo Magalhães