A R$ 1, Neojiba leva 'estreantes' ao Teatro Castro Alves

Concerto é parte da programação do Domingo no TCA, que oferece preço popular

Publicado em 17 de setembro de 2017 às 15:35

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Jordan Dafné/CORREIO

Nem mesmo o tempo nublado da manhã deste domigo (17) foi capaz de impedir que gente de diferentes bairros da cidade e com diferentes gostos musicais fossem prestigiar mais um concerto da Orquestra Juvenil da Bahia (Neojiba) na Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA). 

O preço do ingresso, que custa R$ 1 (inteira) ou R$ 0,50 (meia), foi a principal motivação para que pessoas que nunca haviam ido ao teatro, pudessem prestigiar pela primeira vez um espetáculo, como é o caso da estudante de ensino médio Tatiana Freitas, 16 anos, que se impressionou com a estrutura do TCA e se mostrou empolgada para assistir ao concerto. "Eu nunca tinha vindo ao teatro porque, geralmente, as coisas são muito tarde e os ingressos super caros. Apesar de não curtir muito música clássica e preferir um rock,  minha mãe insistiu e resolvi arriscar. Estou empolgada. É uma experiência nova", contou ela.Douglas Gregório, 20, foi pela primeira vez assistir a um concerto clássico e convidou mais quatro amigos, todos moradores da Caixa D'Água. "Nunca tive muito interesse, mas está tão barato. Não custa nada vim aproveitar", afirmou.  Teve também quem ama música clássica e já é fã de carterinha do Neojiba. A professora de balé Pâmela Pereira, 27, saiu de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana, para conferir o concerto e já pretende voltar no próximo domingo. "Sou apaixonada pelo estilo clássico e, sempre que posso, estou prestigiando o encanto do Neojiba. É uma iniciativa incrível. Me sinto na obrigação de contribuir e incentivar um projeto desse nível", explicou. 

Danças e Rituais O concerto é parte da programação do Domingo no TCA, projeto que oferece preço baixo para que toda a população tenha acesso ao teatro. Regidos pelo maestro Guilherme Mannis, o Neojiba e o Coro Juvenil trouxe o tema "Danças e Rituais", interpretanto obras de compositores franceses, espanhóis, russos e alemães.

"São algumas das músicas populares do período romântico, algumas mais alegres, outras mais românticas, mas que conseguem tocar igualmente a alma de todos os presentes", explicou o maestro. 

O espetáculo começou relembrando as danças do compositor alemão Johannes Brahms, como a Dança Húngara, apresentada em Sol Menor. Em seguida, os instrumentistas introduziram a obra do espanhol Manuel de Falla, dentre elas A Dança do Ritual do Fogo, canção que faz parte do balé O Amor Encantador. De acordo com Mannis, no balé, uma jovem cigana e seu grande amor são atormentados por um fantasma e precisam realizar o ritual do fogo para afastar espíritos ruins. 

[[publicidade]] O repertório ainda contou com instrumentais de compositores russos, como a Dança Russa do Petrushka, de Igor Stravinsky, e as Danças Polovtsianas, de Aleksandr Borodin. 

Evangeline Souza, 27, levou o amigo da Bélgica, Peter Nijs, para assistir ao concerto e ressaltou a importância da cidade ter opções para quem curte estilos musicais que não são tão populares na região.

"Vivemos na terra do axé, né, então acaba sendo o estilo mais predominante. Ter essa opção, por esse preço, incentiva que a gente tenha novas experiências culturais, promove um intercâmbio cultural muito acessível", analisou a estudante de Enfermagem. 

Para todas as idades  O concerto foi também opção de muitas famílias para curtir o final de semana. Pessoas de todas as idades estiveram presentes acompanhadas de amigos e familiares. O professor Roberto Salmon foi com as duas filhas, de 7 e 10 anos, a esposa e uma sobrinha de 15. "Considero o incentivo cultural muito importante na formação das minhas filhas. Acho que o contato com a arte tem que começar desde cedo, para incentivar o olhar crítico e a criatividade", avaliou o professor.Já Maria Consuelo Rocha foi com a prima e uma amiga comemorar o aniversário de 91 anos no espetáculo. "Eu gosto de todos os estilos musicais. Ouço tudo e vim aproveitar", ressaltou. 

Intimidade  Além de reunir gente de todos os estilos e diferentes idades, a apresentação do Neojiba também atraiu outros compositores e profissionais de música da cidade. O compositor Orlando Rangel, que já escreveu para grandes nomes nacionais como Zeca Pagodinho, foi aproveitar o concerto e disse estar muito orgulhoso vendo jovens fazendo um trabalho profissional. 

O músico e ator Genilson dos Santos revelou que já tem uma certa intimidade com o Neojiba, pois tem muitos amigos que participam e já fez alguns projetos sociais envolvendo o projeto. 

"Estava indo para a casa de um amigo, mas quando passei na frente do TCA, não tive como não entrar. Conheço o Neojiba, já assisti muitas vezes e também fiz um projeto com eles, no qual fomos para algumas comunidades e tocamos músicas populares, com instrumentos clássicos. Foi íncrivel", relembrou.