Banda do Ilê Aiyê denuncia racismo em restaurante de Salvador

Segundo Vovô do Ilê, uma mulher teria insistido para que uma funcionária do estabelecimento vigiasse o grupo

Publicado em 30 de novembro de 2023 às 19:14

A Band’Aiyê denunciou que sofreu um caso de racismo no restaurante Espaço Bistrô Trapiche Adega
A Band’Aiyê denunciou que sofreu racismo no restaurante Espaço Bistrô Trapiche Adega Crédito: Reprodução/ Redes Sociais

A banda do Ilê Aiyê, a Band’Aiyê, denunciou que sofreu um caso de racismo no restaurante Espaço Bistrô Trapiche Adega, no bairro do Comércio, em Salvador, onde tinha apresentação marcada na última quinta-feira (23).

Em entrevista ao Correio, Antônio Carlos Vovô disse que não estava no local, mas contou o que aconteceu. Segundo o presidente do Ilê Aiyê, a banda recebeu a indicação da produção local de uma sala no restaurante para que pudessem colocar os figurinos. Ele disse que uma mulher pediu que a banda se retirasse da sala, já que era um local com “coisas de valor”.

A banda do Ilê Aiyê, a Band’Aiyê
A banda do Ilê Aiyê, a Band’Aiyê Crédito: Reprodução/ Redes Sociais

Ainda segundo Vovô, mesmo com a explicação, a mulher teria insistido para que uma funcionária do estabelecimento ficasse vigiando o grupo na entrada da sala e para que a porta permanecesse aberta.

Em comunicado nas redes sociais, o Ilê lamentou a forma como a Band’Aiyê foi tratada no restaurante. “É inadmissível que esse tipo de coisa continue acontecendo na nossa cidade. Alguns brancos e brancas dessa cidade precisam entender que ser negro ou negra não é sinônimo de ser ladrão ou ladra. Fomos feridos na alma e esperamos que atos como esse deixem de acontecer em nosso país”.

A reportagem procurou a assessoria de comunicação do Ilê Aiyê que informou que não foi registrado o boletim de ocorrência, mas a advogada do restaurante já entrou em contato com o advogado do Ilê para tratar do assunto. O presidente do Ilê ainda não foi comunicado sobre o conteúdo da conversa entre os representantes.

O jornal entrou em contato com o restaurante e foi pedido que a ligação fosse feita novamente às 18h, quando o gerente responsável estaria no local para responder. O jornal retornou a ligação no horário, porém o gerente ainda não estava disponível. O espaço segue aberto.