Entidades condenam fala de Rui Costa sobre 'fungada no cangote' e cobram retratação

Ministro declarou, nesta semana, que o funcionalismo público tende a ter "inércia grande" e precisa ser mais eficiente

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 14 de março de 2024 às 16:27

Ministro da Casa Civil, Rui Costa
Ministro da Casa Civil, Rui Costa Crédito: Henrique Raynal | CC

Por meio de uma nota de repúdio, as entidades filiadas ao Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado) condenaram, nesta quinta-feira (14), as declarações do ministro da Casa Civil e ex-governador da Bahia, Rui Costa (PT), contra o funcionalismo público.

Em entrevista à rádio Metrópole na última segunda-feira (11), Rui Costa declarou que o funcionalismo público tende a ter "inércia grande" e precisa ser mais eficiente. Ele ainda afirmou que é preciso dar uma "fungada no cangote" dos servidores para ter mais agilidade.

"Há uma tendência à inércia grande, em geral, no serviço público. Tem uma velha frase: 'não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje'. Então, às vezes, se você deixar solto, o pessoal 'deixe para semana que vem, não tem necessidade de fazer agora, ou deixe para amanhã'. Na verdade, é preciso fazer hoje e não amanhã, porque o povo precisa é hoje", declarou o petista baiano.

Na nota, a Fonacate afirmou que as declarações de Rui Costa são exemplos típicos de “assédio institucional”. A entidade disse ainda lamentar a atitude do ministro que, segundo a Fonacate, "deveria, antes, zelar pela valorização daqueles que constroem com esforço e dedicação, o presente e o futuro da nação". "Portanto, o serviço público brasileiro exige respeito e imediata retração do ministro da Casa Civil", acrescentou. 

A Fonacate representa mais de 200 mil servidores públicos no País.