10 anos após assassinato, goleiro Bruno diz que Bola não matou Eliza Samúdio

brasil
02.03.2020, 16:34:52
Atualizado: 02.03.2020, 16:38:50
(Foto: Marcelo Albert/TJ-MG)

10 anos após assassinato, goleiro Bruno diz que Bola não matou Eliza Samúdio

Defesa do ex-policial deseja reabrir processo que o condenou a 22 anos de prisão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O goleiro Bruno, 35, afirmou pela primeira vez que o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado por ter sido o autor do assassinato e da ocultação do corpo de Eliza Samudio, não foi o responsável pelo crime. A revelação acontece quase 10 anos após o assassinato.

A declaração foi dada em entrevista concedida por Bruno ao jornal “O Tempo”, de Minas Gerais. 

O ex-goleiro do Flamengo foi condenado em 2013 a 22 anos de prisão (depois reduzidos para 20 anos e nove meses) pelo homicídio da então ex-namorada Eliza. Ele progrediu no ano passado para o regime semiaberto e vive desde então em Varginha (MG).

Para o goleiro, é Luiz Henrique Romão, conhecido como “Macarrão”, a peça fundamental para desvendar o crime.

Bruno também disse que não conhecia Bola, e que o ex-policial teve seu nome ligado ao caso por causa de uma suposta rixa que tinha com Edson Moreira, o delegado responsável pelas investigações do crime.

“Até que me provem o contrário, para mim, o Bola é inocente. Nesse caso, ele é. Quero avaliar a prova que liga o Bola a esse assunto. Não tem. Foi muito mais naquela época lá, que tinha que condenar, quando o Macarrão falou no júri que o ‘Bruno agora é o mandante, agora fecha. O Bola é o executor’. Tá, ele é o executor, prova isso. Prova também que eu sou o mandante”, afirmou.

O ex-policial foi condenado a 22 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado (por asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver.

Após as declarações do goleiro, a defesa de Bola informou ao “O Tempo” que vai avaliar se há base legal para pedir a reabertura do processo.

Na entrevista, o goleiro também disse que torce para Macarrão “contar realmente a verdade”. “Acho que ele deve isso para a sociedade. Se ele foi a última pessoa a estar com a Eliza, por que ele não fala onde ela está então? Fala o que aconteceu realmente com ela. Não o que ele falou lá no júri, porque o júri é mentira”, ressaltou.

Bruno disse que Macarrão já lhe contou o que realmente aconteceu, mas que cabe ao seu ex-braço direito esclarecer o caso. Macarrão não quis se pronunciar sobre as acusações de Bruno. Já o delegado Edson Moreira negou ter qualquer problema de ordem pessoal com Bola. “Tenho raiva é do crime”, disse Moreira ao jornal “O Tempo”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas