Alunos denunciam golpe do falso motorista e assaltos dentro de faculdade em Salvador

salvador
31.03.2022, 14:17:00
(Reprodução)

Alunos denunciam golpe do falso motorista e assaltos dentro de faculdade em Salvador

Eles usam disfarce de motoristas de aplicativo que fazem fila no estacionamento 

Após uma estudante de Medicina ter sido seguida e sequestrada assim que deixou a UniFTC, no bairro de Pituaçu, o medo ainda paira do campus. Os relatos de insegurança dentro e no entorno da instituição dão a dimensão  da gravidade da situação. Segundo relatos de alunos, bandidos vêm usando um Onix prata para assaltar no estacionamento do centro universitário. 

Os relatos foram compartilhados há menos de uma semana  num grupo de aplicativo de alunos do curso de Medicina. Os criminosos vêm se passando por motorista de aplicativo que costumam fazer fila no estacionamento da UniFTC. "Todo mundo entra aqui sem ser abordado. Quando dá umas 19h, fica uma fila de carros de aplicativo no estacionamento esperando os alunos. Então, os bandidos já perceberam a fragilidade da segurança e se misturam com os motoristas de aplicativo para agir. Algumas colegas já tiveram celulares e dinheiro levados", relatou um dos alunos de Medicina, que pediu anonimato.

Alunos dizem que bandidos usam carro prata para cometer assaltos no estacionamento (Foto: Divulgação) 

O curso de Medicina na UniFTC é um dos mais caros de Salvador. 'É um absurdo. Nossos pais pagam uma fortuna mensalmente pelo curso e não temos segurança. A mensalidade, que era R$ 11 mil, hoje é R$ 13 mil, para a gente andar aqui apavorado, sabendo que a qualquer instante podemos ser surpreendidos. Meus pais estão muito preocupados com tudo isso porque pagam muito caro para segurança zero", declarou um dos estudantes. 

Os alunos disseram que na noite de quarta (30) houve um roubo dentro de uma das salas de aula, que um homem entrou e abordou alguns estudantes. Embora a Polícia Civil tenha informado que, em depoimento, o supervisor tenha negado o ocorrido, estudantes garantem que o crime ocorreu. "Claro que sim. Houve uma correria e depois teve a Polícia Militar dentro da universidade. É óbvio que vão dizer que não", declarou uma estudante. 

Há poucos dias, uma estudante de Nutrição foi assaltada quando também deixou a UniFTC. Ela descia a pé a ladeira após o estacionamento quando foi abordada à noite por homem armado. "O ladrão agiu mesmo com a presença da ronda da instituição. Ela teve o celular roubado", contou um outro estudante. 

Os alunos relataram ainda que não há controle de acesso às dependências do centro universitário. "Aqui entra gato e cachorro e ninguém faz nada. As catracas de acesso estão todas quebradas. Aqui tem alunos que  são policiais e entram armados. Numa instituição que cobra uma fortuna de mensalidade, deveria se envergonhar e zelar pelos alunos e também pela integridade física de suas funcionários. Se fosse uma instituição séria, haveria um controle de pessoas e detectores de metais, afinal, tem uma agência bancária no campus", declarou um dos alunos.

Em nota, a UniFTC informou que "são inverídicas as notícias que estão sendo divulgadas nas redes sociais e em grupo de mensagens instantâneas sobre a ocorrência de assalto dento das salas de aula  e estacionamento do Cetro Universitário UniFTC Salvador ".

Sem dormir
A estudante de Medina sequestrada contou à reportagem que ainda está abalada.  "Toda hora que eu lembro, choro bastante. Hoje fui na psiquiatra e ela me passou medicação para pós-trauma. Eu não quero sair de casa",  disse ela.  O seu futuro na faculdade ainda é incerto. "Eu ainda não sei (se vai voltar a estudar lá). Eu não parei pra pensar nisso ainda. Não sei dizer ainda a respeito disso", declarou. 

Na tarde desta quarta-feira (31) , a Polícia Civil divulgou que identificou "um possível suspeito" de ter cometido o crime. No entanto, não divulgou detalhes. A polícia informou ainda que imagens do circuito de câmeras estão sendo analisadas.

Alunos protestam 
Em solidariedade ao ocorrido com a estudante instantes depois de deixar a UniFTC, estudantes de Medicina protestaram contra a insegurança na instituição nesta quarta. Colegas do terceiro semestre resolveram não ir à instituição. São cerca de 180 alunos que não compareceram às  aulas das 7h30 até 11h e das 15h às 17h.

 "A direção disse as aulas teriam de qualquer forma. Então, nos mobilizamos. Todo mundo ficou em casa. Alguns professores foram solidários à causa e não vieram. Outros optaram pela aula remota", disse um dos alunos que encabeça o movimento. 

Além de pedir uma apuração rigorosa da instituição em relação ao caso da aluna sequestrada, e do medo que se espalhou no campus, os estudantes pediram ainda à UniFTC um controle das pessoas que têm acesso à instituição. "Mas a direção disse que não poderia impedir a entrada de outras pessoas porque alugou uma parte do estacionamento para uma igreja e uma escola, e também tem funcionando um salão de beleza dentro do centro universitário", declarou uma aluna. 

 

 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas