Antônio Meira Jr: 'Dirigir não é prazer. É responsabilidade'

só se vê no correio
29.05.2021, 06:00:00
Dirigir não é um ato simples, exige responsabilidade e atenção com todos. Qualquer erro ao volante pode ser fatal (Imagem: Macrovector/ Freepik)

Antônio Meira Jr: 'Dirigir não é prazer. É responsabilidade'

Trânsito brasileiro produz uma morte a cada 17 minutos, entre acidentes e imprudência, e condutor precisa ter consciência de que guiar requer cuidado

Desta vez, este espaço será utilizado não só para informar e dar dicas, mas também como um desabafo de quem é espectador de atitudes inconsequentes e egoístas no trânsito. Entendo que dirigir vai além de uma necessidade ou prazer. É uma responsabilidade. Mas tenho notado, quando as chamadas das reportagens vão para as Redes Sociais, que muitos baianos não pensam dessa forma, principalmente quando cometem infrações.
 
A ideia desses conteúdos especiais para você, assinante do CORREIO, é ter uma relação mais próxima. Por isso, para explicar o recorrente comentário “nos Estados Unidos é mais barato”, fiz uma reportagem sobre o cenário atual. Na última semana, mostrei como funciona a capacidade de carga dos veículos. E que uma das consequências é a multa. Nos comentários, a discussão ficou em torno da infração, deixando em segundo plano a segurança.
 
A verdade é que, uma eventual punição, quando o motorista ultrapassa o que é permitido, deve ficar em segundo plano. A segurança das pessoas deve ser priorizada, sempre. Gente, chega de jeitinho. Este mês marca o Movimento Maio Amarelo, que busca conscientizar as pessoas e reduzir as vítimas do trânsito, que são dezenas de milhares por ano.
 
Então, voltando ao que apontei no início, guiar um carro é um compromisso com a sociedade. O ato de dar partida no motor e sair de modo automático deve ser repensado. Vidas estão envolvidas, incluindo a sua, da sua família e amigos.
 
Vítimas
Em 2019, de acordo com o Ministério da Saúde, tivemos 31.945 vítimas fatais em acidentes de trânsito, o menor número desde 2002. Ainda assim, representa uma morte a cada 17 minutos. Os dados do ano passado ainda não foram consolidados.

Entre 2011 e 2019 as mortes no trânsito caíram, mas ainda assim acontece uma a cada 17 minutos

É por isso que colocar o cinto de segurança deve ser um ato responsável, com a consciência de que isso pode salvar sua vida. Não como uma forma de evitar uma multa caso uma câmera ou agente te flagre. Esse mesmo ponto deve ser levado em consideração com passageiros do banco traseiro. Não saia com o veículo até que todos estejam devidamente afivelados. 

Alguém no banco de trás sem cinto pode esmagar quem está no assento dianteiro. Quando em velocidade, o peso é multiplicado várias vezes. “Ah, mas é só na cidade”, dirão alguns. Pior ainda, o trânsito urbano envolve mais pessoas.
 
Outro fator que deve ser levado em conta é a manutenção. Um pneu, por exemplo, com calibragem incorreta pode deixar um carro complicado de manobrar em algumas situações e o tempo de frenagem pode ser alterado. Alguns centímetros a mais numa parada podem ser fatais. 

O mesmo vale na hora da escolha de um pneu para reposição. Se você só consegue ser convencido pelo bolso, pneus com calibragem incorreta aumentam o consumo e, se estiverem sem condições de uso, podem gerar uma multa.
  
Maio Amarelo
Apesar dos esforços em reduzir o número de vítimas fatais no trânsito na última década, como a adoção de tecnologias obrigatórias de segurança veicular, o maior rigor da lei com a adoção de iniciativas como a Lei Seca e o aumento da conscientização dos motoristas como o Movimento Maio Amarelo, criado em 2014, não foram atingidas as metas propostas pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, entre os anos de 2014 e 2020.
 
“Toda morte no trânsito é inaceitável. Esse conceito de implantar a cultura da segurança viária na sociedade é aplicado em todos os países que, hoje, são exemplos em segurança no trânsito. Por isso que precisamos unir a iniciativa privada, a sociedade civil organizada e, também, o poder público para que, juntos, possamos trazer segurança para quem precisa sair de casa todos os dias”, afirma Daniela Gurgel, gestora de comunicação do Observatório Nacional de Segurança Viária.

Os motociclistas são os que mais morrem no trânsito brasileiro

 A Renault é uma das empresas que possuem iniciativas para fomentar a educação trânsito. De acordo com Caique Ferreira,  vice-presidente do Instituto Renault, “um dos eixos de atuação do Instituto Renault é educação para segurança no trânsito. Por isso, ao longo dos dez anos do Instituto Renault temos realizado diversas ações visando sensibilizar os diversos atores da sociedade brasileira, visando um trânsito com mais respeito e responsabilidade”.
 
Cerca de 200 mil crianças de 4 mil escolas pelo Brasil já foram impactadas pela iniciativa e mais de 5 mil professores passaram pela formação por meio do programa “O Trânsito e Eu”.

Tenha consciência
Não deixe seu veículo, seja ele uma moto ou carro, se tornar uma arma. Tenha consciência do que está fazendo antes de culpar o poder público por aplicar uma multa.

Todo adulto habilitado deve entender que a lei brasileira não tolera o álcool ao volante. Você pode não aceitar, pode contextualizar que em tal país é aceito algum percentual. Mas aqui não. Então, não insista para depois culpar o guarda.
 
O mesmo vale para outras situações. Tenha entendimento do código de trânsito para depois não sair bufando por aí: “indústria da multa”, ao cometer erros primários como estacionar sobre uma faixa de pedestres. É preciso ter vergonha ao cometer atos como esse.  Já presenciei em Salvador uma situação em que o motorista destravou a Central Multimídia para assistir séries!
 
Mantenha seu automóvel e sua motocicleta com a documentação atualizada, com a manutenção em dia e não seja o responsável por uma morte.
 
Se você tem uma empresa ou trabalha em uma que tenha motoristas envolvidos, sugira uma conscientização. A pressa não pode ser o foco. Se tem contato com motoboys ou trabalha em cima de uma moto, aprenda a respeitar o trânsito. Esqueça a buzina, conduza com dignidade. Não é só você que trabalha e que não pode se atrasar. Seu compromisso não é mais importante do que uma vida.
 
DICAS PARA UM TRÂNSITO SEGURO
  
1) Todos devem conhecer as normas. Afinal, o trânsito não envolve só veículos e motoristas. O pedestre educado é fundamental.
 
2) Para estar ao volante é preciso ter tranquilidade e evitar o estresse é muito importante. 
 
3)  Ache uma boa posição de guiar. Se só você utiliza o veículo fica mais fácil. Caso contrário, insira na sua rotina um tempinho para ajustar o volante - por isso é importante analisar na hora da compra se o carro tem regulagens para altura e profundidade. Para obter o melhor resultado em manobras, na hora de ajustar, coloque os punhos sobre o volante para medir a distância.
 
4)  O cinto de segurança também deve estar confortável no pescoço, ajuste o equipamento e/ou o banco. Os retrovisores também devem estar bem posicionados. 
 
5) Não dirija se você estiver muito cansado. Mesmo em trânsito urbano, pare em um local seguro. Beba uma água, um café, se alongue. A falta de atenção pode ser fatal.
 
6) Alguns veículos já possuem muitos auxílios à condução que podem ser interessantes caso seu orçamento permita. Desde o Polo, por exemplo, a Volkswagen oferece um sensor de fadiga. Esse sistema irá alertar o motorista se ele estiver cansado, sugerindo uma pausa. 

O Chevrolet Onix pode contar com alerta de ponto cego, nesse caso, uma luz irá acender nas extremidades dos retrovisores externos se houver algo circulando em um ponto onde o condutor não consiga visualizar.

O Hyundai HB20 pode ser equipado com um alerta de frenagem autônoma, que pode até parar o carro caso seja detectada alguma situação de risco de impacto.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas