Anvisa convoca 11 governadores para discutir entraves na liberação da Sputnik V

brasil
05.04.2021, 22:13:47
Atualizado: 05.04.2021, 22:39:47
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Anvisa convoca 11 governadores para discutir entraves na liberação da Sputnik V

Governadores tentam acelerar aval para uso da vacina russa; Governador da Bahia, Rui Costa deve participar do encontro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) convocou governadores dos 11 estados interessados em importar a vacina russa Sputnik V para discutir as dificuldades que o órgão regulador está enfrentando para autorização para o uso emergencial do imunizante no Brasil.

Além da Bahia, que acertou a compra de 9,7 milhões de doses da vacina, governadores do Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Pernambuco, Pará, Sergipe e Rondônia foram convocados. 

O Consórcio do Nordeste tem liderado as negociações com o Fundo Soberano Russo para a aquisição do imunizante desde o ano passado, mas outros estados também têm usado o canal para negociar a compra de doses. 

A ideia inicial é que as vacinas sejam incorporadas ao Programa Nacional de Imunização (PNI) e distribuídas pelo Ministério da Saúde. De acordo com as negociações, o Brasil teria garantido ao menos 37 milhões de doses da Sputnik V, mas a vacina depende da autorização de uso emergencial. O pedido foi feito pelo laboratório União Química, que ficará a cargo da produção nacional do imunizante.

Apesar disso, as primeiras doses do imunizante russo serão importadas, e por isso os governadores protocolaram um pedido de importação junto à Anvisa na semana passada. A ideia da reunião é tentar acelerar a aprovação do uso emergencial. 

De acordo com dados atualizados pela Anvisa às 22h15 no painel que mostra a análise das vacinas contra a covid-19, a Sputnik V segue com 24,95% da sua documentação pendente de complementação. Outros 18,67% ainda não foram apresentados, e 55,83% estão em análise pela agência. 

Até agora, três vacinas já tiveram o aval para uso emergencial no Brasil, que prevê a aplicação em grupos prioritários. Além do imunizante da Janssen, aprovado na semana passada, a CoronaVac, do Instituto Butantan, e a vacina da AstraZeneca/Oxford tiveram o aval ainda em janeiro. O uso definitivo foi concedido apenas à vacina da Pfizer/BioNTech e à de Oxford, na sua versão produzida no Brasil pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas