Associação pede que caminhoneiros retirem veículos das rodovias

brasil
25.05.2018, 19:25:22
Atualizado: 25.05.2018, 19:43:50
(Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Associação pede que caminhoneiros retirem veículos das rodovias

Abcam está preocupada com a segurança dos caminhoneiros, já que o presidente informou que faria uso de forças federais para desobstruir as vias

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) solicitou nesta sexta-feira (25) que todos os caminhoneiros que permanecem na rodovias bloqueando acessos e impedindo passagem de outros caminhões encerrem o protesto.

O pedido foi feito após o pronunciamento do presidente da República, Michel Temer, no início da tarde, no qual informou que faria uso de forças federais para desobstruir as vias interditadas pelo protesto.

Segundo a Abcam, os associados estão preocupados com a segurança dos caminhoneiros envolvidos e, por isso, solicitou o fim das interdições nas rodovias. No entanto, pediu para manter as manifestações de forma pacífica, sem obstrução das vias.

“É lamentável saber que mesmo após tanto atraso, o presidente da República preferiu ameaçar os caminhoneiros por meio do uso das forças de segurança ao invés de atender às necessidades da categoria. Sendo assim, nos resta pedir a todos os companheiros que desobstruam as rodovias e respeitem o decreto presidencial”, disse a nota da entidade.


No texto, a associação afirmou que os caminhoneiros já mostraram sua força e defendeu que a categoria siga mobilizada em defesa da retirada do PIS/Cofins sobre o óleo diesel. A entidade também destaca que não fechou acordo com o governo e critica o governo por ter demorado a dar uma resposta às demandas apresentadas.

“A culpa do caos que o país se encontra hoje é reflexo de uma manifestação tardia do presidente Michel Temer, que esperou cinco dias de paralisações intensas da categoria. Estamos desde outubro do ano passado na expectativa de sermos ouvidos pelo governo. Emitimos novo alerta no dia 14 de maio, uma semana antes de iniciarmos os protestos”, informou o comunicado.

Falta de acordo
A Abcam não aceitou o acordo fechado ontem entre o governo federal e algumas entidades de representação de caminhoneiros. A associação reiterou que só aceitaria o fim das paralisações caso houvesse publicação pelo Diário Oficial da sanção presidencial de uma lei garantindo a retirada da incidência de PIS/Cofins sobre o diesel.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas