Atriz Klara Castanho revela que engravidou após estupro e deu bebê para adoção

em alta
25.06.2022, 20:32:48
(Reprodução)

Atriz Klara Castanho revela que engravidou após estupro e deu bebê para adoção

"Este é o relato mais difícil da minha vida", escreveu a jovem

A atriz Klara Castanho se pronunciou neste sábado (25) confirmando que engravidou após um estupro e que a criança foi entregue para adoção. A artista publicou um texto nas redes sociais depois que seu nome foi parar nos assuntos mais comentados em meio a boatos.

No relato, Klara diz ainda que sofreu com descaso da equipe médica e das enfermeiras que ajudaram no parto.

A apresentadora Antonia Fontenelle foi quem começou a revelar a história, ao usar as redes sociais para afirmar que uma ex-atriz mirim da Globo havia tido um filho e entregado para adoção. Ela criticou a jovem, afirmando que ela "não quis olhar para o rosto da criança". Fontenelle disse ainda que a atriz, que ela não divulgou o nome, chegou a implorar para o colunista Leo Dias, do Metrópoles, não publicar a informação. Há cerca de uma semana, em entrevista a Danilo Gentili, Leo Dias parece fazer alusão ao caso, sem dar detalhes, nem citar nomes. "O karma vai ser pesado", disse ele. "Envolve vidas".

A carta aberta de Klara começa dizendo que esse é o relato mais difícil que ela já fez na vida. "Pensei que levaria essa dor e esse peso somente comigo. Sempre mantive a minha vida afetiva privada, assim, expô-la dessa maneira é algo que me apavora e remexe dores profundas e recentes. No entanto, não posso silenciar ao ver pessoas conspirando e criando versões sobre uma violência repulsiva e de um trauma que sofri. Fui estuprada".

A atriz afirmou que o estupro aconteceu quando estava longe da família, amigos e da sua cidade. "Não, eu não fiz boletim de ocorrência. Tive muita vergonha, me senti culpada. Tive a ilusão de que se eu fingisse que isso não aconteceu, talvez eu esquecesse, superasse", continuou.

Ela contou que tomou pílula do dia seguinte e fez alguns exames, mas continuou no seu cotidiano se sentindo "despedaçada". Meses depois, ela começou a passar mal e descobriu que estava grávida, quase no término da gestação. "Foi um choque. Meu mundo caiu. Meu ciclo menstrual estava normal, meu corpo também. Não tinha ganhado peso e nem barriga", descreveu. Ela conta que ao fazer o exame se sentiu "novamente violada, novamente culpada".

Klara diz que revelou ao médico o que tinha acontecido e ele não teve "nenhuma empatia por mim". O profissional fez um discurso dizendo que ela seria obrigada a amar a criança. 

Ela diz que o atendimento do médico foi a primeira de uma série de violências que sofreu a partir da descoberta. "Eu ainda estava tentando juntar os cacos quando tive que lidar com a informação de ter um bebê. Um bebê fruto de uma violência que me destruiu como mulher. Eu não tinha (e não tenho) condições emocionais de dar para essa criança o amor, o cuidado e tudo o que ela merece ter", escreveu.

Sabendo que faltava pouco para o parto, Klara conta que tomou a decisão de entregar a criança para adoção. Ela seguiu uma série de etapas obrigatórias, em processo que é sigiloso pela lei. 

No dia do parto, ela diz que uma enfermeira a abordou dizendo "Imagina se tal colunista descobre essa história". Ao chegar no quarto, ela já havia recebido mensagens do colunistas, diz, sem citar nomes. "Eu conversei com ele, expliquei tudo o que tinha me acontecido. Ele prometeu não publicar", diz. Dias depois, outro colunista a procurou para saber se ela estava grávida, conta. "Apenas o fato de eles saberem, mostra que os profissionais que deveriam ter me protegido em um momento de extrema dor e vulnerabilidade, que têm a obrigação legal de respeitar o sigilo da entrega, não foram éticos, nem tiveram respeito por mim e nem pela criança".

A atriz afirmou que a notícia foi divulgada com informações erradas e "ilações mentirosas e cruéis". "Vocês não têm noção da dor que eu sinto. Tudo o que fiz foi pensando em resguardar a vida e o futuro da criança. Cada passo está documentado e de acordo com a lei", escreveu.

A atriz finaliza dizendo que está recebendo apoio da família e que vai tentar se reconstruir da violência que sofreu. Ela ressalta que "entregar uma criança em adoção não é um crime" e pede privacidade.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas