Caminhoneiros fazem paralisação e queimam pneus em protesto por tabela do frete

brasil
04.09.2019, 20:16:52
Atualizado: 04.09.2019, 20:29:58

Caminhoneiros fazem paralisação e queimam pneus em protesto por tabela do frete

Manifestantes chegaram a ocupar acostamento de rodovia no interior do Rio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Faixa colocada por caminhoneiros em Ponta Grossa, no Paraná (Foto: Reprodução/TV Globo)

Dois grupos de caminhoneiros fizeram uma paralisação na manhã de quarta-feira (4) em cidades do Rio de Janeiro e do Paraná. Os profissionais autônomos pedem o cumprimento do tabelamento do frete, suspensa em julho pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, após pressão dos motoristas insatisfeitos com a nova tabela.

Por meio de nota, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou que tem acompanhado de perto as discussões sobre o tabelamento e que não iria se posicionar com relação ao protesto.

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), por sua vez, afirmou que "nenhuma entidade coligada manifestou a realização de assembleias deliberativas para votação sobre greve".

Uma das primeiras cidades a registrar protestos foi Barra Mansa, no sul do Rio. A manifestação começou por volta das 6h na Via Dutra. Os manifestantes atearam fogo em pneus e ocuparam o acostamento da rodovia. Embora não tenha ocorrido bloqueio de pistas, o movimento provocou congestionamento no início da manhã.

Em Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, caminhoneiros fizeram uma breve manifestação também pela manhã. Em Ponta Grossa, no noroeste do Paraná, motoristas de caminhão também fizeram uma carreata na terça-feira, pedindo o tabelamento.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas