Cia Baiana de Patifaria busca alternativas para continuar viva, mas vai deixar Casarão 15

sua diversão
02.12.2021, 06:00:00
Lelo posa para foto após Casarão 15 ser invadido por bandidos (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Cia Baiana de Patifaria busca alternativas para continuar viva, mas vai deixar Casarão 15

Gestor da Companhia, o ator e diretor Lelo Filho alega dificuldades financeiras e de captação

O projeto de transformar o Casarão 15 enquanto em espaço cultural aberto ao público não durou muito e vai fechar as portas. Mais do que isso, sua proprietária, a Cia Baiana de Patifaria, também está ameaçada de encerrar atividades. O anúncio foi feito ontem pelo ator e diretor Lelo Filho, que gere a companhia de 35 anos de história e um dos símbolos do teatro na Bahia.

O grupo é responsável por espetáculos históricos como A Bofetada, Noviças Rebeldes e Siricotico. Na postagem que publicou em sua conta do Instagram, Lelo Filho fala do encerramento de atividades da Cia, alegando falta de incentivos e diz não ter conseguido aprovação em nenhum edital recente da Lei Aldir Blanc. Ao CORREIO, o diretor disse que o futuro da Companhia é uma incógnita, mas a  saída do Casarão 15, no entanto, é uma realidade.

Em julho deste ano, a sede da Cia Baiana de Patifaria foi transformada em um teatro virtual. A ideia era que artistas, ou qualquer profissional de outro segmento, pudessem realizar seus projetos e transmiti-los via internet para todo o mundo. O espaço também se tornou uma espécie de museu artístico com todo acervo da história da Companhia.

“Eu me coloco numa situação muito delicada, a responsabilidade do gestor é muito grande. Com equipe, atores. O futuro da Cia Baiana de Patifaria é uma grande incógnita. Vamos fechar a sede porque temos uma dívida gigante, não temos condição de arcar. Tudo isso aconteceu dentro de uma pandemia em que precisamos atender a protocolos de saúde e reduzir o contato com a plateia. Nosso espetáculo depende do contato, da presença, tem interação do início ao fim”, disse Lelo Filho. 

A conversão do Casarão 15 em espaço cultural aconteceu após a Cia Baiana de Patifaria ser contemplada no Mapa Cultural em 2020, via Lei Aldir Blanc, com um financiamento de aproximadamente R$ 30 mil. Para manter as atividades da casa e da companhia sem muitos problemas, Lelo estima que seriam necessários R$ 10 mil por mês. Além dos salários de 9 funcionários fixos, também há os custos com eventuais produções e com a manutenção do Casarão.


“A adaptação para enfrentarmos os tempos difíceis durante a pandemia e a necessidade de isolamento contou com uma verba do Mapa Cultural à qual outras sedes e espaços culturais também tiveram direito. De lá apresentamos, virtualmente, Fora da Ordem, e fizemos transmissões gravadas de outras 6 montagens da Cia Baiana de Patifaria. Algumas lives foram realizadas, mas nosso Casarão infelizmente terá que fechar as portas”, lamentou Lelo.

Risco

Segundo Lelo, o futuro da Companhia está em risco. Ele afirmou que tentará produzir uma temporada de Verão do espetáculo A Bofetada, maior sucesso da companhia, mas acredita que seja inviável porque os custos dificilmente serão cobertos com os teatros funcionando com público reduzido e com a necessidade de cumprir todos os protocolos sanitários contra o coronavírus.

“Sempre tentamos ser independentes dos editais, em todos esses anos fomos por essa linha e é uma história que tenho muito orgulho de ajudar a trilhar. Conto nos dedos quantas vezes tivemos a palavra patrocínio no vocabulário. No entanto, antes a gente conseguia trabalhar até 5 dias por semana e aí gerava caixa para essa independência. Hoje, foi descendo para 2 dias, às vezes um dia, e com essa questão da pandemia ficaria ainda mais difícil de equacionar”, contou.

Os figurinos e todo o acervo que estava no Casarão 15 será alocado no espaço Boca de Cena e em espaços vinculados a parceiros da companhia,   até que a gestão encontre um outro local para guardar todo o material.

“A Cia foi independente de verba pública e privada durante longos anos, mas a pandemia nos apresentou uma realidade difícil de enfrentar. A nossa invisibilidade diante quem poderia fazer a diferença é distópica. Fica aqui o nosso desejo para que os gestores de cultura e as comissões formadas por ‘integrantes da sociedade civil’, não deixem que mais nenhum grupo encerre suas atividades. Que mais nenhum teatro feche. Pois é isso que os que agora nos desgovernam mais desejam”, disse Lelo na publicação que veiculou.
 

a bofetada

Última montagem de A Bofetada, em janeiro de 2020: 29 anos de sucesso nos palcos (Foto: Diney Araújo/divulgação)

História

A trajetória do grupo começou em 1987, graças aos atores Moacir Moreno e Lelo Filho. A primeira peça de teatro feita pela trupe foi Abafabanca, que estreou naquele mesmo ano e ficou 10 meses em cartaz. De lá pra cá, são oito peças no repertório: além de Abafabanca e A Bofetada, Noviças Rebeldes, 3 em 1, A Vaca Lelé, Capitães da Areia, Siricotico e Fora da Ordem - com diferentes formações de elenco.

A Bofetada é o grande sucesso e está nos palcos há 29 anos, viajou a 54 cidades brasileiras, conta com personagens emblemáticas como Fanta Maria, interpretada pelo próprio Lelo, e que ficou famosa no dia a dia da cidade com seus bordões tipo “É a minha cara!”, “Momento lindo, maravilhoso!”, “Adoro, adoro!” e “Evite contrariar o ser humano”. A direção original é de Fernando Guerreiro, atual presidente da Fundação Gregório de Matos.

Pesquisador do teatro baiano, o jornalista Marcos Uzel acompanhou toda a trajetória da Cia Baiana de Patifaria enquanto trabalhava como articulista e crítico teatral. Ele se disse surpreso com a notícia, que classificou como “terrível e absurdo que aconteça”, por conta da importância e longevidade da Cia no teatro baiano.

“A Bofetada, que é a peça mais popular da história do teatro baiano, era uma parabólica do cotidiano da cidade. O público adorava brincar com as personagens. Não existe, na história do teatro baiano, uma personagem tão popular quanto Fanta Maria. Essa aproximação do público, as plateias sempre lotadas. A Cia sempre tentou se reinventar. É importante que as secretarias de cultura e o próprio setor privado se movimentem para garantir a existência dessa instituição tão necessária”, disse.

Segundo Uzel, que é doutor e mestre em Cultura e Sociedade pela Ufba, os trabalhos da Companhia Baiana de Patifaria ajudaram a popularizar o teatro e mudaram de uma vez por todas a relação entre público e artistas.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas