Com refugiados, novela Órfãos da Terra traz romance proibido

entretenimento
31.03.2019, 14:26:00
Atualizado: 31.03.2019, 14:27:40
Jamil Zarif (Renato Goes) e Laila Faiek (Julia Dalavia): protagonistas da novela (Paulo Belote/TV Globo/Divulgação)

Com refugiados, novela Órfãos da Terra traz romance proibido

Nova trama das seis mostra contribuições de migrantes para a cultura brasileira

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A história de amor entre a síria Laila Faiek (Julia Dalavia) e o libanês Jamil Zarif (Renato Góes) terá um início conturbado em Órfãos da Terra, novela que substituirá Espelho da Vida, a partir de terça-feira, na Globo/TV Bahia. Além de mostrar os obstáculos que  vão separar os protagonistas, a trama das seis terá como cenário a Guerra da Síria, conflito que assola o país desde 2011, e contará a trajetória e desafios dos refugiados que vêm para o Brasil para recomeçar a vida.

Protagonistas: Julia e Renato repetem a parceria de Velho Chico
(Foto: Paulo Tauil/@paulo_tauil/ArtCult)

Mesmo com as adversidades, essas pessoas trazem um patrimônio cultural que enriquece e constitui a cultura brasileira, como ressaltam as autoras da novela. “É um folhetim clássico, que conta uma grande história de amor. Mas o nosso tema central é a questão do refugiado. Somos uma terra miscigenada. Muitas culturas formam o povo brasileiro. A intenção é valorizar  as nossas origens”, resume Thelma Guedes, autora da obra ao lado de Duca Rachid. “Mostramos que o planeta em que a gente vive é este, não temos outro. A gente tem que viver aqui e conviver com as diferenças. Não vamos perder a empatia, os valores humanos e empáticos, como a compaixão”, completa Duca.

Família Faiek perderá tudo após bombardeio na cidade síria Fardús
(Foto: Paulo Belote/TV Globo/Divulgação)

Mulher
Além de pautas sociais e humanitárias, a novela também trata de temas como empoderamento feminino e a força da mulher contemporânea, a começar pela protagonista Laila. Filha do engenheiro Elias Faiek (Marco Ricca) e da cozinheira Missade (Ana Cecília Costa), ela vai passar por muitas dificuldades junto com os pais e o irmão Khaléd (Rodrigo Vidal), de 5 anos.

“Laila é uma mulher forte. Ela toma iniciativa, as atitudes e as rédeas de tudo. Me inspirei em uma menina supermoderna, que fez Gastronomia. Ela deu essa qualidade, mostrou que existem mulheres feministas e fortes como a Laila”, conta Julia, que repete a elogiada parceria com Renato Góes, seu par em Velho Chico (2016).

Julia Dalavia é a protagonista de Órfãos da Terra
(Foto: Selmy Yassuda/TV Globo/Divulgação)

Mas algumas ruínas vão surgir antes de Jamil e Laila se conhecerem na trama. Tudo  começa em Fardus - cidade fictícia da Síria onde a família Faiek mora. Uma celebração  na casa deles se transforma em um pesadelo quando rebeldes destroem tudo e o pequeno Khaléd fica gravemente ferido.

Elementos das culturas orientais estarão em destaque na trama
(Foto: Paulo Belote/TV Globo/Divulgação)

Depois de perderem tudo, eles conseguem abrigo no Líbano e é lá que Jamil e Laila irão se apaixonar à primeira vista. Só que, para além do fato dele ser muçulmano e a família de Laila cristã, o libanês é o homem de confiança do vilão da novela, o poderoso sheik Aziz Abdallah (Herson Capri), que promete salvar o irmão de Laila em troca de sua mão como esposa.

“Jamil tem uma enorme gratidão pelo patrão, mas fecha os olhos para as coisas cruéis que o vilão Aziz faz. Ele não tem noção da crueldade. Mas o amor que ele tem pela Laila fará com que ele perceba tudo que se omitiu e o desperta para essas coisas. O romance é um ponto de virada na vida dele”, revela Renato.

Por conta da paixão por Laila, o protagonista vai querer um novo caminho para sua vida. “Ele vai passar por cima de tudo em prol dessa família e desse futuro que ele enxerga para ele e pra família da Laila”, completa o ator.

Brasil
Ao descobrir que seu irmão Khaléd não sobreviveu a um procedimento de emergência, a síria foge de Aziz, se junta aos  pais, e a família segue para a Grécia, de onde embarca, num navio turístico, rumo ao Brasil.

Com a fuga de Laila na noite de núpcias, Aziz não vai dar o braço a torcer para que a jovem volte a viver com ele, suas três mulheres e filhas. Jamil receberá do patrão a missão de buscá-la, sem imaginar que ela é a mulher por quem se apaixonou. 

O multimilionário Aziz não aceita ser contrariado e voltará toda sua ira para Laila e, mais à frente, para Jamil, por não perdoar a traição do mais leal de seus homens. “Fiz sete vilões, mais ou menos, e esse é o pior de todos. Pior no sentido de maldade, mas é dos melhores como confecção”, analisa Capri.

(Foto: Paulo Tauil/@paulo_tauil/ArtCult)

Soraia (Letícia Sabatella) é a sua primeira esposa e mãe de Dalila (Alice Wegmann). As outras duas, Fairouz (Yasmin Garcez) e Áida (Darília Oliveira), têm ainda menos importância dentro do harém de Aziz.

Quem também vai mover muros e montanhas para ter o que quer é Dalila, filha de Aziz. Jamil foi prometido pelo sheik para ela. “É uma vilã intensa. É mau-caráter, determinada, autoritária, fria e calculista, como o pai. Mas também tem um lado humano”, pontua Alice.

Alice Wegmann interpreta a vilã Dalila
(Foto: Paulo Tauil/@paulo_tauil/ArtCult)

Outro destaque do núcleo Abdallah é o personagem do ex-participante do reality show Big Brother Brasil (BBB) Kaysar Dadour, que interpreta Fauze, um dos capangas de Aziz. Ele virá ao Brasil para tentar sequestrar Laila e Jamil.

“Fauze só enxerga a verdade no sheik. Então, tudo o que Aziz fala, ele faz”, afirma Kaysar, que é refugiado sírio e faz sua estreia como ator nessa novela. “A palavra chave da história é empatia. É uma história real, que nós, refugiados, passamos”, diz.

O capanga Fauze (Kaysar Dadour) é leal ao patrão Aziz Abdallah (Herson Capri)
(Foto: Paulo Belote/TV Globo/Divulgação)

Humor da Bahia
Mas nem só de assuntos sérios viverá a obra. A atriz baiana Emanuelle Araújo, 42 anos, por exemplo, faz parte do núcleo da ouriçada família Nasser e interpreta Zuleika. Filha da síria Rania (Eliane Giardini) - prima de Missade (mãe de Laila) e de Miguel Nasser (Paulo Betti) - ela é o braço direito do pai nos negócios da família. Juntos, eles tocam a Importadora Nasser. A casa de artigos de decoração, que vende peças importadas do Oriente Médio e do Extremo Oriente, fora construída por seu bisavô, e permanece na família até hoje.

Emanuelle Araújo interpreta Zuleika
(Foto: Paulo Tauil/@paulo_tauil/ArtCult)

Durona e despachada, a personagem de Emanuelle é  atrapalhada no campo afetivo e conta com o auxílio de sua filha Cibele (Guilhermina Libanio) nos assuntos do coração. A jovem ativista e feminista dá apoio à mãe para sair de casa ao descobrir que ela está sendo traída pelo marido, o pai de Cibele.

Baiana de Amargosa, a atriz Cristiane Amorim também está no núcleo de humor. Ela interpreta Santinha, a arrumadeira da casa de Rania, que acredita estar fazendo tudo certo, mas sempre acaba metendo os pés pelas mãos e leva bronca. No fim, a patroa releva, já que Santinha tem um grande coração. 

Cristiane Amorim é a Santinha
(Foto: Paulo Tauil/@paulo_tauil/ArtCult)

Mesmo tendo núcleos específicos para isso, o humor está presente na novela como um todo, como afirma o diretor Gustavo Fernández. “A relação entre as famílias vai ser apresentada com um misto de animosidade e leveza. Mas, em algum momento, eles se aproximam para dar essa ideia de fraternidade e transmitir uma das mensagens centrais da obra: a de que todos somos filhos da terra e temos uma só ancestralidade. As histórias acontecem muito rápido, com ganchos e viradas o tempo todo. As tramas parecem que se resolvem, mas tomam outro caminho”, garante.

Órfãos da Terra também é escrita com Dora Castellar, Aimar Labaki e Carolina Ziskind e com a colaboração de Cristina Biscaia. Tem ainda direção geral de André Câmara e direção de Pedro Peregrino, Alexandre Macedo e Lúcio Tavares.

 *A jornalista viajou a convite da Globo 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas