Com seis indicações ao Oscar, Jojo Rabbit faz retrato satírico do nazismo

entretenimento
06.02.2020, 13:00:00
(Divulgação)

Com seis indicações ao Oscar, Jojo Rabbit faz retrato satírico do nazismo

Filme estreia nesta quinta-feira (6) nos cinemas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando o ator e diretor neozelandês Taika Waititi encarou a realização de Jojo Rabbit, ele sabia do risco que estava correndo, afinal ia dar um tom cômico ao Holocausto, assunto que se tornou uma das maiores tragédias da humanidade.  “Sinto muito” é a resposta do cineasta a quem critica o uso do humor para falar de assunto tão trágico. “Não é meu estilo. Nunca vou fazer um drama puro”, disse Waititi em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em Londres. 

Polêmicas à parte, o longa obteve seis indicações ao Oscar, incluindo a categoria mais disputada, a de melhor filme. Scarlett Johansson é candidata a melhor atriz e o roteiro adaptado de Waititi também é um dos indicados. Jojo Rabbit é inspirado no livro de Christine Leunens, O Céu Que nos Oprime, que chega agora ao Brasil, sobre um menino alemão, Johannes (interpretado no filme por Roman Griffin Davis), o Jojo, que integra a Juventude Hitlerista como se fosse um clube de escoteiros. Um dia, ele descobre que uma menina judia, Elsa (Thomasin McKenzie), está escondida em sua casa. 

Sua mãe, Rosie (Scarlett Johansson, que concorre ao Oscar de atriz coadjuvante), integra a resistência aos nazistas e cuida de Jojo sozinha, além de proteger Elsa. “Ela teme por sua vida, pela vida de seu filho, nada faz sentido. Perdeu muitos amigos, não sabe qual vai ser seu futuro e o do menino”, disse Johansson.

Taika Waititi descobriu o livro O Céu que Nos Oprime cerca de oito anos atrás, por meio de sua mãe, que, como Rosie, criou o filho sozinha. “Ela fez muitos sacrifícios, mas também era meio palhaça e tentava tornar meu mundo mais leve, meio na linha do Roberto Benigni”, disse, referindo-se ao cineasta italiano, que dirigiu A Vida é Bela (1997). 

No filme, Benigni interpretava um homem que transformava o campo de concentração numa experiência lúdica para o filho, na tentativa de protegê-lo.

Conifra o trailer do filme: 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas