Consumo consciente: quando ter menos é ter mais

bem-estar
20.08.2018, 06:30:00
Atualizado: 20.08.2018, 12:00:29
O local mais profundo dos oceanos foi, em 2018, atingido por uma sacola plástica pela primeira vez (Foto: Unsplhash)

Consumo consciente: quando ter menos é ter mais

Entenda o que é um estilo de vida minimalista e como aderi-lo para gastar menos e (se) ajudar mais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Fossa das Marianas, o local mais profundo dos oceanos, era um dos poucos lugares que, até então, estava intacto dos estragos causados pelo acúmulo de lixo humano. Agora, nem mesmo o "buraco negro" submerso, com 11 mil metros de profundidade, resistiu aos impactos da falta de cuidado com a natureza. A zona do Pacífico, pouco estudada, é casa de diversas vidas marinhas que se desenvolveram às altas pressões. E, em meio a tais seres vivos, lá estava ela: uma sacola plástica bailando no (m)ar. A informação foi compartilhada pela National Geographic Brasil em meados deste ano. Hoje, cada brasileiro, por exemplo, gera em média 1 kg de lixo por dia. 

Joana Kalid, criadora da marca soteropolitana Compostar, que converte o lixo orgânico em adubo, afirma que a causa do problema não é somente jogar o lixo nas ruas e praias, mas sim permitir que um acúmulo de detritos chegue até as próprias mãos. “A causa desses resíduos alcançando e destroçando todo o planeta, começa pela forma de consumo que a sociedade adere. Antes de pensar em ‘jogar lixo no lixo’, é possível sequer ter o lixo em mãos. Para isso, é necessário aderir ao consumo consciente”, afirma a empresária. O foco, no tema, é a prevenção do lixo e a reutilização.

Conheça, no final da matéria, canais de YouTube que podem inspirar e explicar mais sobre consumo consciente e minimalismo.

O QUE É O CONSUMO CONSCIENTE
O consumo consciente é aquele no qual o consumidor foca na sustentabilidade, ou seja, em gerar menos lixo, além de ter uma responsabilidade social. “Quem é adepto ao consumo consciente procura saber se uma marca faz testes em animais, mas também busca informações sobre possíveis trabalhos escravos por trás do processo de produção da marca. É sobre se importar com todas as etapas que fizeram aquele produto chegar ali e, após, com a sua parte, como consumidor, para que aquele produto e a sua forma de comprar, gere menos poluição”, conta Marina Deluca, radicada em Salvador e gerente do site Moda Limpa, que emite fornecedores e marcas de moda que são adentrados no consumo consciente.

Mas não é só isso. O termo também inclui a noção de uma dor menor no bolso. Zé Pimenta, um dos sócios da marca baiana e ecológica Euzaria, explica que os produtos sustentáveis, por vezes, são mais caros, mas quem os compra, em geral, tem menos despesas. “Quem usa produtos que são refis ou reutilizáveis, acaba não comprando várias coisas parecidas. A pessoa utiliza apenas aquela que, em geral, dura mais. É o caso, por exemplo, das roupas com ‘moldagem zero extra’. Trata-se de uma modelagem que gera o máximo da malha costurada em uma tiragem de roupas e, assim, além de um acabamento mais firme, os resíduos finais são menores”, explica.

“Se você compra uma roupa por R$ 19, o elo mais fraco foi prejudicado para aquilo ter aquele preço. Provavelmente a costureira ganhou muito menos e precisou usar um material que gerou mais resíduos”, reflete o empresário. “Consumo consciente é lembrar que fazemos parte de um todo; que afetar os animais, nos afeta; que afetar qualquer parte do meio ambiente, nos afeta. É entender que o consumo não é algo negativo, mas sim algo que pode ajudar, inclusive, em melhorias para os processos ambientais. Nele, gastamos menos porque nos tornamos mais seletivos”, conclui Pimenta.

O LIXO DO BRASIL
No início do verão passado, 1,2 mil toneladas de lixo foram retiradas das praias de Salvador apenas no primeiro mês. No início deste ano, 18 praias foram apontadas impróprias para o banho pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), por conta do acúmulo de lixo. O estudo apontou locais de Periperi a Piatã – passando por Ondina, Rio Vermelho, Pituba, Patamares e Boca do Rio –.

No Brasil, a quantidade de lixo acumulado supera os 770 gramas que vão diariamente para as lixeiras de cada japonês. A produção de lixo por habitante é semelhante à de países desenvolvidos, mas o modo de descarte ainda é pouco sustentável.



NA MODA
A indústria do petróleo não deixou de ser a principal vilã da poluição. Mas o segundo lugar nesse ranking pertence à indústria da moda. Ainda neste ano, o Global Fashion Agenda apresentou, em parceria com o Boston Consulting Group, o Relatório da Indústria da Moda. De acordo com o relatório, a moda é responsável pelo descarte de 92 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano.

O dado representa 4% dos 2,12 bilhões de toneladas de resíduos que são descartados anualmente no mundo. Ou seja, os gastos alcançam um desperdício duas vezes maior que o de alimentos nos supermercados. 

“Um dos piores fatos de tudo isso é lembrar que, no mínimo, 30% do armário de cada pessoa é ocioso. As pessoas nem lembram o que tem ali. Aí não usam, não cuidam, a roupa envelhece, é jogada fora...”, alerta Flávia Brito, uma das donas da marca Outside, que serve como um guarda-roupa compartilhado em Salvador. “As pessoas chegam e alugam a roupa por uma semana. Gastam menos do que comprando e acumulam menos coisa em casa, além de ajudarem em uma maneira de circulação que dá suporte para menos resíduos”, detalha.

“As pessoas esquecem também que colares, brincos e outros objetos que parecem mais delicados, são poluentes. É importante lembrar que esquecer um anel na praia, por exemplo, pode fazer com que ele pare na respiração de algum animal marinho”, alerta.
  
ARMÁRIO-CÁPSULA
Além da solução apresentada por Flávia, outras formas de aproveitar melhor o guarda-roupa sem acúmulos passaram a ganhar a web nos últimos anos. A blogueira Gabriela Barbosa, 27, aderiu ao chamado de armário-cápsula para melhorar o aproveitamento dos seus looks e para comprar menos. “O armário-cápsula funciona com um limite de peças por um tempo determinado no seu guarda-roupa. De modo geral, as pessoas separam esse tempo em estações do ano: armário de primavera, verão, outono e inverno, deixando as peças mais versáteis e básicas e só alterando a quantidade de casacos, vestidinhos e outros itens que têm mais a ver com o clima”, conta a mineira.

O Armário Cápsula é um projeto que começou com a blogueira estadunidense Caroline Rector, do blog Unfancy
(Foto: Divulgação)

Gabriela explica que o segredo é saber criar novas combinações. “Essas poucas peças vão sendo combinadas entre si, gerando novos looks. Se você tem cinco peças para a estação inteira, vai usar uma blusa com uma calça em um dia e, no outro, a mesma blusa com um short e o mesmo sapato, por exemplo”, diz, antes de deixar mais algumas dicas. “É importante ir refazendo os seus passos no cotidiano para montar um armário coeso com a sua vida - não adianta criar para uma vida que você não leva. Não adianta encher de saltos altos se você pega ônibus/metrô todos os dias. E a última dica é determinar uma paleta de cores específica, com até uns 4/5 tons diferentes, mas que conversem entre si”, conclui a influencer, que considera o armário-capsula uma etapa para entrar no estilo de vida minimalista.

“Os minimalistas são, automaticamente, consumidores conscientes. Há muito preconceito ligado a esse modo de vida. As pessoas imaginam que é preciso ser peluda e descabelada, mas não tem nada a ver. Diminuindo a quantidade do que tem, você conhece mais as opções e aproveita melhor. Ter menos, nesses casos, é ter mais”, pondera Gabriela Barbosa.
(Foto: Reprodução/Blog)

10 ATITUDES PARA COMEÇAR UMA VIDA DE CONSUMO CONSCIENTE

1. COMPRE A GRANEL E/OU REFIL
Produtos a granel são suprimentos armazenados ou transportados em grandes contêineres, sem embalagens fracionárias. Leve seus compartimentos próprios e coloque os produtos, sem utilizar sacos plásticos. Prefira também os produtos com embalagens em refil. Na hora das compras de alimentos, como verduras, outra dica é comprar em varejões e feiras: assim, terá uma quantidade maior do produto e menos nociva em embalagens. Tenha sempre sacos de pano para as compras secas (cereais, grãos, castanhas, macarrão, entre outros), potes para os úmidos ou em pó (conservas, farinhas, café) e garrafas para líquidos (azeites, sucos, molhos). 

2. FAÇA UMA LIMPA + ALUGUE OU PEÇA EMPRESTADO
Não fique acumulando bens materiais que você não utiliza mais. Eles podem servir para outras pessoas. Faça uma limpa mensal nos seus produtos. Além disso, quando estiver precisando comprar algo, pense se não tem como pegar emprestado ou ir em uma loja como as de guarda- roupas compartilhados, que disponibilizam peças para serem alugadas. Aproveite e confira, abaixo, uma dica de lugar em Salvador que contém um armário-compartilhado (para aluguel de roupas).

3. LEVE SUA EMBALAGEM 
Ande sempre com suas próprias ‘embalagens’, como a sua ecobag. Ela é uma sacola retornável confeccionada para substituir o uso de sacolas plásticas em feiras e supermercados. Além da sua ecobag, leve a sua garrafinha própria e se o local oferecer líquidos em copos ou embalagens plásticas, prefira solicitar que produzam colocando diretamente na sua própria squeeze. Ande também com talheres e outros itens que possa reutilizar no dia a dia.

4.TROQUE O QUE É DESCARTÁVEL
Além de levar objetos reutilizáveis para as ruas, aproveite também as escolhas para o que ficará dentro de casa. Prefira uma escova de dente de bambu ao invés de uma de plástico, por exemplo (elas podem ser encontradas em farmácias diversas). Atualmente existem, ainda, absorventes e fraudas em tecido. Eles acabam, inclusive, sendo menos infecciosos, por não conterem plásticos.

5. ECONOMIZE NOS PRODUTOS DE LIMPEZA
No supermercado é possível encontrar uma variedade enorme de produtos de limpeza, para diferentes finalidades. Mas a verdade é que você pode usar um único limpador para todos os fins. Pode, inclusive, prepará-lo em casa, com o vinagre, por exemplo. Dessa forma, além de economizar com a compra do mês, você evita acumulos de embalagens.

6. DIY’S
Do It Yourself (Faça Você Mesmo, em tradução livre), é um dos termos que mais tem ganhado espaço pela web. Isso porque é uma forma de aprender a reciclar de maneira criativa, gerando novos produtos para si mesmo. Existem diversos tutoriais de DIY pelo YouTube ou em blogs. Procure por eles e reutilize coisas quebradas ou produtos finalizados para gerar novos. Aposte também em receitas culinárias que reduzem ingredientes.

7. COLETAS
Se o seu prédio não tem coleta seletiva, não adianta apenas separar os resíduos em sacos diferentes e colocar em um carro de lixo comum. Para solucionar o caso, é possível ir em locais onde acontecem entregas voluntárias para reciclagens. No site da prefeitura é possível encontrar o que está mais perto de você: http://coletaseletiva.salvador.ba.gov.br/

8. É REALMENTE RECICLÁVEL?
 Assim como é importante lembrar que lixo orgânico não é lixo (pode virar adubo), também é fundamental lembrar que nem todo plástico é reciclável. Antes de simplesmente colocar um tipo de embalagem na reciclagem, pesquise para ter certeza. Saiba melhor sobre os tipos não recicláveis e sobre como destiná-los acessando o site do Bee Green.

9. PROCURE MARCAS
Uma das dicas mais importantes para aderir ao consumo consciente é pesquisar marcas que exibam seus processos de produção e sejam sustentáveis. Para criar sua marca, o site Moda Limpa ajuda você a encontrar fornecedores.

10. PESSOAS QUE INSPIRAM
Para começar ou continuar, busque por blogs, canais de YouTube e outros meios que possam apresentar pessoas que estão na mesma caminhada. Além disso, busque por cursos ajudem a mudar o estilo de vida na rotina. A blogueira paulista do Blog da Lira, por exemplo, contou para o CORREIO que fazer yoga foi o que a ajudou a limpar o armário e iniciar o consumo consciente.

LEIA TAMBÉM: Marca de cosméticos inova em tecnologias e consciência sustentável

CONHEÇA ALGUMAS MARCAS SOTEROPOLITANAS QUE PODEM AJUDAR:

EUZARIA (www.euzaria.com.br)
Marca sustentável de roupas, calçados e quadros. Livre de testes em animais e com produtos que reaproveitam reciclagens, a marca ainda contém projetos sociais. A cada venda, um jovem de Simões Filho ganha um dia de aula especial.

OUTSIDE (facebook.com/sououtside)
Marca de guarda-roupa compartilhado, que disponibiliza peças para serem alugadas. 

SOUL DILA (www.souldila.com.br)
Marca sustentável de moda feminina e masculina. 

AVATIM (www.avatim.com.br)
Marca com projetos para ajudar a natureza (sem testes em animais): de produtos para o corpo e perfumaria para ambientes.

COMPOSTAR (https://www.instagram.com/compostar/)
Marca de compostagem e produtos reutilizáveis.

CONHEÇA CANAIS DE YOUTUBE, SITES E APLICATIVOS PARA ACOMPANHAR:

MARIELI MALLMANN

Canal de YouTube sobre consumo consciente e minimalismo.

MENOS 1 LIXO

Canal de Youtube que compartilha práticas diárias e reflexões.

HOJE VOU ASSIM OFF
Blog sobre moda acessível e consumo consciente.

ESTILO COM PROPÓSITO

Canal de YouTube sobre autoconhecimento e minimalismo.

UM ANO SEM LIXO
Blog de relatos e dicas de quem vive basicamente sem lixo.

DIY COM VIVI

Canal de YouTube que compartilha DIY’s de reciclagens.

APP: LOC
Saiba mais aqui.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas