Criminosos mudam estratégia para abastecer os usuários de crack

brasil
26.05.2017, 07:12:00

Criminosos mudam estratégia para abastecer os usuários de crack

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) já identificou 22 pontos de concentração de usuários de drogas egressos da cracolândia

A estratégia do crime organizado para abastecer os usuários de crack na região central de São Paulo mudou. Se antes havia uma “feira livre” na cracolândia – com barracas equipadas até com máquinas de cartão de crédito –, os traficantes agora usam motocicletas para fazer entrega de entorpecentes. É o que afirmou nesta quinta-feira (26) o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves.

Até a ação policial de domingo, o comércio de crack na região, um reduto da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), movimentava cerca de R$ 500 mil por dia, ou R$ 180 milhões por ano, de acordo com o governo.  

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) já identificou 22 pontos de concentração de usuários de drogas egressos da cracolândia (Foto: Agência Brasil)

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) já identificou 22 pontos de concentração de usuários de drogas egressos da cracolândia.

O pedido de internação forçada de usuários de drogas feito à Justiça pela gestão João Doria usou como justificativa a opinião de três especialistas dada em duas reportagens, de 2011 e 2013. A ação cita três frases, identificando as reportagens das quais foram retiradas, como exemplos de gente favorável à internação compulsória.

Nenhum dos médicos citados no pedido foi consultado pela prefeitura para avaliar a aplicação da medida no caso de usuários da cracolândia. O pedido à Justiça foi feito na terça (23). A gestão Doria quer aval para internações à força desde que aprovado por equipe de médicos e psicólogos.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas