Do terreiro para os palcos: romance conta a saga de astro pop baiano

entretenimento
01.07.2021, 18:00:00

Do terreiro para os palcos: romance conta a saga de astro pop baiano

História de artista do Engenho Velho de Brotas será lançada nesta sexta-feira (2)

Em seu primeiro romance, o escritor Nelson Maca leva para o universo da ficção a negritude, a educação e a música, elementos fundamentais em sua trajetória. Eles são a base do livro Ani: Todos os Felas do Mundo, que será apresentado com uma série de atividades virtuais no mês de julho, sendo a primeira nesta sexta-feira (2), às 20h, no YouTube da Blackitude.

O evento on-line reunirá, além do autor, o ilustrador Alexandre de Maio, projetado na cena do hip hop paulista. O livro custa R$ 40 (mais frete) e pode ser adquirido pelo Whatsapp (71) 99210-1487 e pelo Instagram @ani_romance.

A obra conta a história do astro pop Ani Brown, nascido e criado dentro de um terreiro de candomblé no Engenho Velho de Brotas, em Salvador, onde recebeu os fundamentos para sua vida e trajetória artística. Neto da famosa Ialorixá Mãe Francisca de Oxum, Ani é escolhido ainda criança, diretamente por Xangô, para ser o alabê da casa, ou seja, o sacerdote responsável para tocar os atabaques para os orixás nas cerimônias. E tem como mestre exigente e dedicado o percussionista e alabê Jorjão Bafafé.

Capa do romance Ani Todos os Felas do Mundo, do escritor Nelson Maca
Capa do romance Ani Todos os Felas do Mundo, do escritor Nelson Maca (Divulgação)
Nelson Maca lança seu primeiro romance
Nelson Maca lança seu primeiro romance (Foto: Antônio Terra)
O paulista Alexandre de Maio é quem assina as ilustrações do livro
O paulista Alexandre de Maio é quem assina as ilustrações do livro (Foto: Divulgação)

O romance acompanha a vida de Ani até o momento em que ele se torna um cantor reconhecido internacionalmente e realiza seu grande sonho de se apresentar no continente africano. No seu caminho, o garoto vai somando os ensinamentos recebidos no terreiro com os de outros mestres que cruzam sua trajetória, como o trompetista Saul Trumpet, o dançarino Negrizu, o poeta José Carlos Limeira, o pan-africanista cubano Carlos Moore e vários outros personagens – muitos inspirados em pessoas reais.

Ani é fã de Fela Kuti, Miles Davis, James Brown, Joãozinho da Gomeia, do Afoxé Badauê... Seu nome, Anikulapo Conceição, já diz muito sobre ele: é uma homenagem ao nigeriano Fela “Anikulapo” Kuti e ao maestro baiano Vivaldo Conceição, agradando aos desejos do pai, que era músico, e da mãe, dançarina e fã de Fela.

Lado B: muito além das violências
Autor dos livros Gramática da Ira (poesia/2015) e Relatos da Guerra Preta ou Bahia Baixa Estação (conto/2020), Nelson Maca afirma que queria mostrar um lado B de sua escrita já publicada: ou seja, uma leitura que tira do primeiro plano o racismo e as muitas violências sofridas pelo povo preto.

“Eu precisava escrever sobre um menino que fosse 10. Um erê de uma comunidade coesa de Salvador. Um jovem que conquistasse o mundo com sua arte. Que não abandonasse a ancestralidade”, resume Maca, 55 anos. Por isso, diz, o romance juvenil pode ser lido como um livro de formação. “Na verdade, é um livro sobre educação”, afirma.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

PROGRAMAÇÃO (YouTube/Blackitude)

Dia 2/7, às 20h, live de apresentação do livro
Com Nelson Maca e Alexandre de Maio

Dia 9/7, às 20h  live Cultura Negra no Engenho Velho de Brotas
Apresentação: Nelson Maca
Convidados: Chicco Assis, Jacira Sacramento, Jorjão Nafafé e Negrizu

Dia 16/7, às 20h live  Narrativas Negras na Educação da Juventude
Apresentação: Nelson Maca
Educadores convidadas: Ana Carla Portela (IFBA), Iraildes Nascimento (Escola Eugênia Anna dos Santos Anna/Ilê Axé Opô Afonjá), Maria das Graças Gonçalves (UFF), Marly Silveira (UnB/Ceert)

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas