E agora? 37 mil pessoas ficarão com 2ª dose da Coronavac atrasada em Salvador 

salvador
14.05.2021, 05:15:00
Atualizado: 14.05.2021, 12:13:22
(Arquivo CORREIO)

E agora? 37 mil pessoas ficarão com 2ª dose da Coronavac atrasada em Salvador 

Número se refere a quem tem de fechar esquema vacinal até domingo (16) e considera novo lote que chega nesta sexta (14)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Salvador amanheceu nesta quinta-feira (13) com apenas três mil doses de CoronaVac, fabricada pela Sinovac/Instituto Butantan, em estoque. Um novo lote com 128 mil doses da vacina chega nesta sexta-feira (14) à Bahia. O problema é que, até domingo (16), 63 mil pessoas na capital precisam tomar a segunda injeção desse imunizante, segundo levantamento da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Para dar conta das pessoas que precisam da segunda dose, quase 50% das ampolas que chegarão à Bahia teriam de ficar em Salvador. Porém, de acordo com a proporção e estimativa populacional da cidade, que é de 20% em relação ao total de habitantes da Bahia, a previsão é que cerca de 25 mil doses fiquem na capital, quantidade insuficiente para atender todo mundo que precisa fechar o esquema vacinal. Mesmo com o novo lote, pelo menos 37 mil pessoas ficariam com a vacinação atrasada. Ao todo, até o final de maio, 66.950 pessoas estão na fila para tomar a segunda dose da CoronaVac.  

Além disso, para piorar o cenário, o Instituto Butantan, em São Paulo, informou, na manhã desta quinta-feira (13), que suspenderá a produção de  CoronaVac a partir desta sexta (14) por falta de ingredientes. O centro de pesquisa aguarda o recebimento de 10 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) enviados pela China para retomar a produção.  

Em nota, o Butantan informou ao CORREIO que “aguarda autorização do governo chinês para a liberação de mais matéria-prima necessária para a produção da vacina”, mas que “não há qualquer entrave relativo à disponibilização de IFA ao Butantan por parte da biofarmacêutica Sinovac”. O último IFA recebido da China chegou ao Brasil em 19 de abril e já foi todo processado. 

O instituto disse ainda que “questões diplomáticas” entre o Brasil e o país asiático podem ser a causa da interferência no cronograma de liberação de novos lotes de insumos. Assim que o IFA chegar, a produção será retomada, diz o Butantan. A última entrega que a entidade fará ao Programa Nacional de Imunização (PNI) será a desta sexta-feira, 15, com 1,1 milhão de doses – 800 mil a menos do que o previsto. Ao todo, o Butantan entregou mais de 46 milhões de ampolas do Ministério da Saúde.   

Leia mais: falta de Coronavac altera data de segunda dose de 65 mil pessoas em Salvador

O titular da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Fábio Vilas-Boas, demonstra preocupação com a paralisação da produção de CoronaVac. "É muito preocupante o anúncio de mais um atraso na remessa das vacinas do Butantan. Teremos que adotar um plano de contingência emergencial para garantir as segundas-doses de quem fez uso da CoronaVac", afirmou Vilas-Boas pelo Twitter.

Uma das medidas anunciadas pelo secretário é a de voltar a reter 50% do lote que vem do Ministério da Saúde, para não correr o risco de atrasar a vacinação dos baianos. A Sesab fazia isso até o governo federal orientar que todas as doses deveriam ser aplicadas como primeira dose, sem reservar metade. Em março, a pasta mudou de entendimento a fim de acelerar a imunização. Contudo, o Instituto Butantan não conseguiu cumprir com o calendário previsto.    

Baianos com doses atrasadas 

Uma das pessoas que está com a segunda dose atrasada é a aposentada Djanira Barreto, 61. Ela tomou a primeira no dia 11 de abril, no 5º Centro de Saúde Clementino Fraga, e deveria ter tomado a segunda no último domingo (09), quando não houve vacinação por conta do Dia das Mães. Além de idosa, é hipertensa, portanto, pertence ao grupo de risco.  

“Estou aqui injuriada porque o processo não está completo. Não adianta tomar a primeira dose sem tomar a segunda, você não fica protegido. Queria tomar logo para me livrar disso”, critica Djanira, moradora da Federação.  

Djanira está com cinco dias atrasados em relação à segunda dose da Coronavac

(Foto: Acervo Pessoal)

 “Tentei o cadastro desde o início, quando disseram que ia poder agendar. Depois falaram que só podia quando chegasse a semana da data. Venho tentando desde então, só que começou a dizer que o agendamento está suspenso”, acrescenta a aposentada.  

A SMS informou que abriu três mil vagas na quarta-feira (12), mas que foram preenchidas em poucos minutos. Enquanto isso, Djanira acessa o sistema diariamente, em horários diferentes, para ver se consegue marcar sua ida ao posto de saúde.

“Não estou saindo para lugar nenhum, só dentro de casa. A vida está parada porque não posso tomar a segunda dose, porque eles erraram no planejamento. Começaram a vacinar todo mundo com a primeira dose e esqueceram da população que precisava da segunda”, afirma.  

O empresário Jorge Fortuna, 61, também com o esquema vacinal em atraso, tomou a primeira dose no dia 6 de abril e a segunda deveria ser no último sábado (08). “Fiquei alegre esperando minha hora chegar, e, quando chega a hora, não tem mais vacina. Estou aqui apreensivo, como que não fica? Minha esposa fica o tempo todo tentando marcar o horário, mas até agora nada”, conta 

Ele já perdeu dois familiares para a covid-19, o irmão e o tio, e tem medo de se contaminar. “Estou dois anos preso dentro de casa, dois entes queridos já foram embora, minha irmã está com covid-19, com sintomas leves, e estou preocupado. Não estou pegando nem elevador, estou subindo e descendo escada, evitando o máximo de contato”, relata Fortuna.  

Jorge está com seis dias da CoronaVac em atraso e com receio de pegar covid-19

Foto: Acervo Pessoal 

Se atraso passar de 30 dias, deve-se repetir 1ª dose 

O médico infectologista e coordenador da área de controle de infecção hospitalar do Hospital Aeroporto, Antônio Bandeira, explica que o ideal é que não haja atrasos na vacinação.

“Quando a vacina é estudada, ela é programada para ver a resposta imunológica. O que se viu na CoronaVac é que uma dose não dá imunidade robusta, então precisa de uma segunda dose, visando um intervalo de duas a quatro semanas. Com quatro semanas é o momento ideal para se tomar a dose de reforço, para o organismo deter os antígenos e desenvolver uma resposta imune mais forte e garantir a eficácia da vacina”, esclarece. 

Porém, até 14 dias depois, os efeitos não alterariam tanto a eficácia da vacina. Já após um mês de atraso, ou seja, com um intervalo de 60 dias entre a primeira e segunda doses, o recomendado é repetir o esquema vacinal, diz o médico. 

“Quando você estende muito esse tempo, teoricamente, até um mês após o prazo que deveria ter dado a segunda dose, você tem uma possibilidade de funcionamento da segunda dose ainda ser eficaz. O ideal é em até 14 dias após o prazo, ou seja, em até 45 e 60 dias da primeira dose”, avalia. Ele reforça que tudo isso é possibilidade, baseado em outras vacinas, como a da gripe, e que não existem estudos concretos que a eficácia da CoronoVac seja mantida.  

Após 30 dias de atraso, Bandeira diz que a imunidade da pessoa vacinada não sentiria muito o efeito. “O que pode acontecer é que a dose de reforço da primeira dose atue não como um reforço, mas como uma nova primeira dose. Por isso que sugiro e vejo como fundamental que se se atingir 30 dias de atraso, as pessoas repitam todo o esquema vacinal”, orienta.  

O que dizem os órgãos federais 

Sobre as questões diplomáticas que teriam provocado atraso na chegada da CoronaVac, o Ministério das Relações Exteriores alega que “Brasil e China dialogam e trabalham constantemente no enfrentamento da crise sanitária” e que o ministério “acompanha permanentemente o processo de autorização de exportação de IFAs”.  

O Itamaraty pontua que “em diversas ocasiões”, as autoridades chinesas “comprometeram-se a fazer todo o possível para cooperar com o Brasil no combate à pandemia da covid-19" e “que eventuais atrasos não são intencionais, dado que a China está exportando IFAs para diversos países, o que gera expressiva demanda e sobrecarga tanto na fabricação de vacinas e ingredientes quanto nos trâmites burocráticos”, esclarece o ministério, por meio de nota. 

Já o Ministério da Saúde disse que avalia o andamento da campanha da vacinação contra covid-19 no país junto com o apoio do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), 

A pasta ainda informou que, semanalmente, define recomendações, divulgadas nos informes técnicos, para orientar aos estados e municípios sobre o público-alvo em que as vacinas devem ser administradas, assim como os intervalos da primeira e segunda dose. 

O MS comunicou também que foram distribuídas 82 milhões de doses e 48 milhões foram aplicadas em todo o Brasil. O órgão, contudo, não respondeu aos questionamentos do CORREIO. Segunda a área técnica, o prazo para demanda de informações é de 48h.  

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) não respondeu ao CORREIO até o fechamento do texto. 

Entregas de vacina do Butantan para o MS: 
17/1 - 6 milhões 
22/1 - 900 mil 
29/1 - 1,8 milhão 
5/2 - 1,1 milhão 
23/2 - 1,2 milhão 
24/2 - 900 mil 
25/2 - 453 mil 
26/2 - 600 mil 
28/2 - 600 mil 
3/3 - 900 mil 
8/3 - 1,7 milhão 
10/3 - 1,2 milhão 
15/3 - 3,3 milhões 
17/3 - 2 milhões 
19/3 - 2 milhões 
22/3 - 1 milhão 
24/3 - 2,2 milhões 
29/3 - 5 milhões 
31/3 - 3,4 milhões 
05/4 - 1 milhão 
07/4 - 1 milhão 
12/4 - 1,5 milhão 
14/4 - 1 milhão 
19/4 - 700 mil 
22/4 - 180 mil 
30/4 - 420 mil 
06/5 – 1 milhão 
10/5 - 2 milhões 
12/5 – 1 milhão 
14/5 - 1,1 milhão 

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas