Emicida lança clipe de Eminência Parda, primeiro single do novo álbum; veja

entretenimento
09.05.2019, 16:37:00
Atualizado: 09.05.2019, 16:57:55

Emicida lança clipe de Eminência Parda, primeiro single do novo álbum; veja

Vídeo teve final modificado após morte de músico e catador com 80 tiros no Rio de Janeiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O rapper Emicida lançou nesta quinta-feira (9) o clipe de Eminência Parda, primeiro single do seu terceiro álbum de estúdio -  a música chegou hoje também às plataformas de streaming.  Filmado sob direção de Leandro HBL, que assina o roteiro do vídeo com Emicida, o clipe está entre os 20 mais vistos no YouTube Brasil.

A música conta com participações de três convidados: a paraense Dona Onete, o paulista Jé Santiago e o português Papillon. A participação de Dona Onete na música revive versos do segundo canto do álbum O Canto dos Escravos. A referência ao álbum já havia sido adiantada por Emicida, mas até então não havia ficado claro como seria feita. As muitas colaborações somente nesse primeiro single sugerem que essa será a tônica do novo disco do rapper, sucessor de Sobre crianças, quadris, pesadelos e lições de casa (2015). 

No clipe, uma família negra sai para comemorar a conquista acadêmica de sua filha em um restaurante “rico” da região. A presença deles no local casa incômodo nos demais clientes. Todos brancos, eles olham com desconfiança, espanto, inconformidade e até mesmo nojo para a família. O vídeo mostra cenas reais – a família comendo em meio a outras pessoas –  misturadas ao que se passa pelo olhar dos outros clientes. Eles enxergam a família como mendigos, assaltantes, funcionários de limpeza e escravos. Vitória, a jovem que está comemorando sua titulação acadêmica, é associada à figura de uma garota de programa por homens branco. "Não tem dor que perdurará/ Nem o teu ódio perturbará/ A missão é recuperar/ Cooperar e empoderar/ Já foram muito anos na retranca/ Mas preto não chora, mano levanta", diz alguns dos versos.

De acordo com Emicida, o final do clipe seria outro, mas acabou sendo modificado após o tiroteio por parte de militares que matou um músico e um catador de lixo no Rio de Janeiro.Confira:

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas