Especialistas dão 5 dicas para desenvolver criatividade na carreira

empregos
07.09.2020, 06:00:00
A criatividade se transformou em alternativa para as empresas e pessoas encontrarem novas formas de ser e existir (Shutterstock/reprodução)

Especialistas dão 5 dicas para desenvolver criatividade na carreira

Novos olhares para buscar outras saídas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O advento da pandemia criou uma ruptura nas formas de trabalhar, criar, vender, atuar profissionalmente e pessoalmente. Talvez por isso mesmo, a possibilidade de responder com inventividade às mais variadas questões e demandas esteja chamando tanto a atenção do mundo laborativo e tornando a criatividade uma das habilidades mais buscadas nesse momento de tantas incertezas.

De acordo com a administradora e diretora da Véli RH, Margot Azevedo, a criatividade passou a ser mais valorizada à medida em que as empresas e pessoas estão buscando novas formas de ser e existir. “Porque tudo que nos trouxe até aqui: nossas competências, aprendizados, experiências, não são as mesmas que nos levarão daqui para frente. É preciso exercitar um novo olhar sobre tudo, inclusive e principalmente, sobre as relações humanas e a diversidade”, diz.

Margot Azevedo salienta a importância de lançar novos olhares sobre a diversidade e o mundo do trabalho que mudou muito desde o início do ano (Foto: Arquivo pessoal)

O psicólogo e diretor técnico da clínica Holiste Psiquiatria Ueliton Pereira lembra que os profissionais criativos conseguem se destacar justamente por conseguirem alcançar resultados por caminhos nunca tentados. “Eles conseguem solucionar problemas sem repetir o mesmo padrão de resposta.

Conseguem se adaptar mais facilmente em cenários não tão propícios como o atual”, completa. 
É através da criatividade que as organizações conseguem o elemento fundamental para se diferenciar no mercado: a inovação. “A inovação deixou de ser algo supérfluo ou acessório para se tornar fator preponderante na sua própria existência. Sem criatividade e inovação as empresas ficam deixam de criar valor e consequentemente morrem”, diz o coordenador do curso de Administração da Unijorge, Constantino Oliveira.

Desenvolvendo a criatividade

Se a criatividade é um valor no mundo do trabalho, os especialistas reforçam que essa habilidade pode e deve ser desenvolvida, especialmente se o ambiente de trabalho for favorável para a criação de possibilidades de colaboração entre áreas distintas, diálogo, se houver valorização da diversidade e posturas mais tolerantes ao erro. 

Ueliton Pereira ressalta que a falta de diálogo e de posturas colaborativas impedem que os funcionários possam trazer ideias inovadores, se apegando somente a paradigmas ultrapassados. “O medo, a insegurança de quem está liderando equipe, pra mim, é o principal fator ceifador da criatividade no ambiente de trabalho”, defende.

Ueliton Pereira salienta a importância do ambiente corporativo no estímulo à criatividade e a importância de um diálogo aberto entre os gestores e liderados (foto: Divulgação)

O psicólogo salienta que as empresas podem ajudar muito no processo de desenvolver a criatividade, alinhando o prazer à produtividade. “A criatividade ajuda a encontrar processos e resultados inovadores que ajudam a alcançar o resultado pretendido. O ambiente é um fator fundamental para incentivar a criatividade”, reforça, pontuando que a cultura da empresa é fundamental para incentivar o processo criativo. 

Para Margot Azevedo, o caminho para alcançar e estimular a criatividade é a desconstrução, a humildade e a colaboração. A especialista em RH lembra que o ser humano é incrível e tem em si todas as ferramentas para pensar, projetar e criar alternativas, novos caminhos. “Uma dica é começar de forma bem simples, se impondo pequenas mudanças, novas formas de fazer algo que você já domina: mude a rota que vc percorre sempre ao sair de casa, tente escovar os dentes com a mão oposta à que usa sempre, procure colaborar e interagir com alguém que você não tem hábito, se “alimente com arte”, de todos os tipos: música, cinema, literatura, diversifique o seu repertório intelectual”, sugere.

Turbinando a carreira

Margot Azevedo defende que além dos ambientes corporativos, a criatividade pode e deve ser usada em prol de todas as carreiras, para tanto, o profissional precisa estar pronto para criar alternativas, especialmente em fases mais desafiadoras, fazendo entregas surpreendentes, rompendo com velhos paradigmas e renovando seu olhar e atitudes sempre. “É preciso que ele observe e compreenda como pode permanecer necessário”, diz. 

Margot acredita que é preciso se aventurar em novas experiências, rompendo a acomodação da rotina. “Minha dica é estabelecer, na semana, um ou dois momentos que vão te encher de alegria e te fazer bem, pequenos mimos para você mesmo. Tenha isso como meta!”, defende, lembrando que essa tarefa não vai requerer investimento financeiro, mas boa vontade.

Constantino Oliveira salienta que o ser humano é motivado por desafio e que programas de estímulos e gratificações são muito bem-vindos quando o assunto é trazer inovações. “Entender os problemas do outro, criando empatia para poder sugerir soluções é fundamental. Modelos como o Design Thinking, Mapeamento de Jornada do Cliente, Modelagem de Processos, e Brainstorms de Ideias são importantes para criação de programas e ferramentas no qual o funcionário possa criar novas soluções”, defende.

Para ser criativo

1.    O desenvolvimento da criatividade exige dos indivíduos a reflexão sobre a sua realidade e o exercício da inventividade;

2.    Busque a manutenção da mente aberta e valorização das suas ideias, estimule o pensamento crítico e diferente do que é padronizado;

3.    Nas organizações, estimular um ambiente de acolhimento das ideias (intranet e caixa de sugestões); criação de comitê ou grupos de inovação voltados para a avaliação das novas ideias; não tenha medo de errar e apoiar a implementação de novas práticas; crie espaços físicos e virtuais com foco em um ambiente de trabalho positivo e espaços mais lúdicos de convivência;

4.    No âmbito pessoal, busque atividades externas e diferentes da atividade laborais, que estimulem um “olhar” mais aberto e subjetivo, tais como: pintura; dança; meditação, hobbies, práticas esportivas e outros;

5.    A criatividade propicia perceber os acontecimentos da vida de forma diferente, busque soluções para seus problemas, no universo profissional e pessoal.


(Fonte: Ricardo Garcia, coordenador do curso Superior de Tecnologia em Gestão de RH, Unijorge)
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas