Espetáculo mistura MPB, narrações e vídeos para contar história de Juscelino Kubitschek

entretenimento
28.09.2018, 09:00:00
Montagem conta com grande telão que traz imagens históricas de JK e do país (Foto: Helena Mello)

Espetáculo mistura MPB, narrações e vídeos para contar história de Juscelino Kubitschek

Montagem mergulha em todas as fases da vida do ex-presidente JK e discute o Brasil atual

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A história do ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira (1956 – 1961), mais conhecido como JK, vai ser cantada e narrada no espetáculo JK Um reencontro com o Brasil. A montagem, que une, ainda, artes visuais, chega nesta sexta-feira (28) em Salvador pelo preço de R$ 2, no Teatro Isba, na Ondina, para um único dia de apresentação.

A peça, que faz um passeio desde a infância de JK até o Brasil atual, traz um enorme telão ao fundo do palco, exibindo imagens diversas da vida do político e de fases do país.

“É como um cinema ao vivo. Não são apenas fotografias, são vídeos mesmo, e fortes. Cada imagem conversa com as letras das músicas e, assim, tudo se combina para formar a narrativa”, explica Glaucia Nasser, a cantora e atriz que comanda o espetáculo.

Repertório é recheado de músicas da MPB; na lista, nomes como Caetano, Calcanhoto e Milton
(Foto: Helena Mello/Divulgação)

Através de canções de compositores nacionais, o musical, que já esteve em cartaz em diversas cidades do Brasil, como Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo, com um público de mais de 15 mil espectadores. Agora, no Brasil, o repertório, que traz também algumas músicas autorais, prossegue o mesmo, mas a interatividade, de acordo com Nasser, é sempre singular. “São músicas para o público cantar junto enquanto descobre mais sobre a própria história”, pontua a atriz, que canta acompanhada de uma orquestra e cita Adriana Calcanhoto, Caetano Veloso e Milton Nascimento como alguns dos nomes que lideram a lista de canções.

A cantora, que chega a narrar momentos da vida de JK no palco, afirma que  trechos do livro O Silêncio Que Grita, de Jean Obry, inspiraram a construção da montagem.

“Vamos nos bastidores dessa vida rica que foi a de Kubitschek. É sobre política, mas também sobre enxergarmos melhor os humanos por trás dela, nos incluindo”, afirma Glaucia.

De acordo com a cantora e atriz Glaucia Nasser, a finalidade principal do espetáculo é discutir as esperanças possíveis para o país de hoje
(Foto: Divulgação)

ALÉM DE UM PERSONAGEM
Mas não é apenas na vida do político que o roteiro se baseia. As discussões vão para além e buscam debater a identidade nacional, a esperança e autoestima da população.

“É muito mais que um espetáculo. É uma aula de história e uma injeção de brasilidade num momento em que vivemos. Este é o momento para discutirmos a verdadeira história do Brasil, para que possamos construir um futuro decente e o musical nos faz refletir o quanto podemos realizar e mudar o nosso país todos os dias, como protagonistas da nossa própria história”, conta a equipe da Fundação Brasil meu Amor, que faz a direção geral da obra.

Com direção geral da FBMA, o espetáculo reúne talentos de peso, como o Diretor Artístico e Técnico Júlio Cesarini e do Maestro Paulinho Dáfilin, já conhecido do grande público pelos trabalhos com Maria Bethânia. Além de Gláucia Nasser, oito músicos de diversas regiões do Brasil formam a orquestra: Fernando Nunes (baixo), Pedro Cunha (teclados e acordeom), Chrys Galante e Leandrinho Vieira (percussão), Thiago Gomes (bateria), Guiza Ribeiro (guitarra e violões) e Jonas Moncaio (violoncelo).

Alguns afirmam que JK foi um populista, outros agradecem pelo legado, mas o fato é que a importância da figura é incontestável. “A escolha em retratar a vida de JK surgiu não só pela sua importância histórica – o presidente foi o responsável por um dos mandatos em que o Brasil mais se desenvolveu economicamente – mas também pela sua biografia. De origem humilde e sem preconceitos, JK chegou à presidência e seu mandato é lembrado como a construção de uma Era”, afirma a equipe.

“A ideia é navegar através desse personagem real para chegarmos até o Brasil de hoje. Precisamos discutir o caos no qual estamos agora e clamar pelo respeito. É disso que se trata, no fim das contas”, conclui a atriz anfitriã.

SERVIÇO:
Teatro ISBA (Av. Oceânica, 2717 – Ondina).
Apenas hoje, às 20h.
Ingresso: R$ 2.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas