LEIA O RELATO

'Minhas filhas ficaram apavoradas', conta idosa que decidiu se mudar para um abrigo

Mesmo com condições físicas, mentais e financeiras, Inês quis fugir da solidão, mas manter sua individualidade

  • Foto do(a) author(a) Carolina Cerqueira
  • Carolina Cerqueira

Publicado em 20 de abril de 2024 às 05:00

Inês vendeu quase tudo o que tinha no apartamento e levou somente o que cabia no seu novo pequeno quarto
Inês vendeu quase tudo o que tinha no apartamento e levou somente o que cabia no seu novo pequeno quarto Crédito: Marina Silva/CORREIO

“Eu reuni as minhas três filhas e contei a minha decisão. Elas ficaram apavoradas, acharam um absurdo e não queriam deixar. Eu tive que bater o martelo e ser firme”, conta Inês Marques de Britto, de 85 anos.

Ela morava sozinha em um apartamento após ficar viúva e se mudou para o Lar Franciscano Santa Isabel, que fica no bairro da Saúde, em Salvador, há dois anos.

Inês tem condições físicas, mentais e financeiras de morar só, mas apenas não estava feliz com a vida que levava.

“As minhas filhas me chamaram para morar com elas, mas eu não quis e não quero. Elas têm os maridos e os filhos, e eu queria ter a minha vida e a minha independência, ao mesmo tempo que não queria viver a solidão do meu apartamento”, explica.

Com o tempo, as filhas de Inês aceitaram a decisão. “Elas vieram conhecer e gostaram, me ajudaram a escolher o quarto e a planejar como eu iria arrumá-lo”, diz Inês.

Inês teve que convencer as filhas de que a mudança seria positiva
Inês teve que convencer as filhas de que a mudança seria positiva Crédito: Marina Silva/CORREIO

Aos finais de semana, ela costuma sair com as filhas, assim como receber visitas, mas é preciso marcar horário.

“Durante as tardes, eu frequento a Faculdade da Maturidade, onde tenho aulas de dança de salão, zumba, cidadania, etc. E aqui no Lar também acontecem diversas atividades; toda hora tem um aniversário, festival de tortas, desfile. Sempre que uma das minhas filhas quer vir me visitar, eu tenho que consultar a minha agenda”, conta, aos risos.

Como num ritual de passagem para uma outra fase, Inês vendeu o apartamento, doou os móveis que não caberiam no seu quarto no Lar e também queimou as lembranças que guardava do ex-marido já falecido.

Levou consigo o que achou que faria sentido na nova vida, incluindo sua coleção de cerca de 300 xícaras, a qual expõe em seu quarto com carinho e cuidado.

Na suíte de Inês, há armário, cama, poltrona, geladeira, microondas e televisão
Na suíte de Inês, há armário, cama, poltrona, geladeira, microondas e televisão Crédito: Marina Silva/CORREIO

“Aqui eu sou feliz, no antigo apartamento eu não era. Eu tenho certeza de que tomei a decisão certa”, diz.

Sua certeza se dá apesar de opiniões alheias. Além de precisar convencer as filhas a aceitarem sua decisão no início, também tem que lidar até hoje com o julgamento de terceiros.

“Quando eu contei para uma amiga minha, por telefone, eu estava toda empolgada e ela achou um absurdo, disse que eu estava louca. Eu fingi que não me importei e, quando terminou a ligação, chorei muito”, finaliza Inês, pesarosa.

Confira abaixo as histórias de outros três idosos que escolheram a mesma trajetória que Inês: