Estudante é morta com tiro na cabeça, e namorado diz que foi roleta-russa

brasil
15.01.2020, 13:56:58
Atualizado: 15.01.2020, 13:57:52
(Reprodução)

Estudante é morta com tiro na cabeça, e namorado diz que foi roleta-russa

Crime foi no DF; mãe da vítima diz que ele era ciumento e possessivo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma estudante de 18 anos morreu baleada na cabeça na madrugada da terça-feira (14) em Samambaia, no Distrito Federal. O namorado de Gabrielly Miranda afirmou que eles estavam brincando de roleta-russa e ele acabou disparado na cabeça dela. Gabrielly morreu na hora. A informação é do Uol.

Leonardo Pereira, 31 anos, chamou a Polícia Militar depois de atirar na namorada. Ele foi preso. A morte foi registrada na 26ª Delegacia. 

A roleta-russa é uma ação em que a pessoa coloca apenas uma bala no tambor do revólver e faz disparos contra alguém, sem saber a posição do projétil - ou seja, a pessoa pode ser baleada ou não.

Leonardo disse em depoimento que ele e a namorada passaram a noite bebendo. Já quando o dia se aproximava do amanhecer, resolveram usar um revólver calibre 38 para "brincar" de roleta-russa.

Primeiro, Gabrielly mirou a perna e atirou. A arma não disparou. Ela então entregou o revólver para Leonardo. 

"Aqui na delegacia, o Leonardo contou que apontou a arma para a cabeça da companheira e apertou o gatilho, porém acreditava que a arma não iria disparar", explica o delegado José Eduardo.

Ao Uol, o delegado afirmou que não acredita nesta versão e que o caso é investigado como feminiício. O suspeito deve ainda responder por porte ilegal de arma de fogo. 

Leonardo  já tem passagem na polícia por violência doméstica, porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas.

Ciúmes
A mãe de Gabrielly, Wildiane Silva, contou que ela mesma namorou com Leonardo, antes do relacionamento dele com a vítima. "Dois anos depois que terminamos, eles começaram a namorar. Ela queria terminar o namoro, voltar para a igreja. Ele era muito ciumento com ela", diz. "O que queremos é justiça".

Amigos de Gabrielly lamentaram a morte. "Quem conhece sabe. Ele fez isso porque quis. Sempre a ameaçou, a família e amigos também. A família dele sempre soube de tudo e nunca fizeram nada. Não teve nada de roleta russa, ela tinha medo dele porque nunca aceitava o fim", escreveu uma amiga em rede social. 

Ela diz que o suspeito obrigou a vítima a cortar contato com amigas. "Ela estava bem e feliz, não sei porque voltou para ele. Esse homem sempre a perseguia até que chegou nesse ponto".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas