Exposição com temática LGBT é vandalizada em Salvador: 'Só bala'

salvador
03.10.2018, 18:19:00
Atualizado: 03.10.2018, 20:02:46
(Foto: Divulgação)

Exposição com temática LGBT é vandalizada em Salvador: 'Só bala'

Peças no Centro Histórico foram danificadas menos de 24h após início da mostra

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Imagens de lambe-lambes que fazem parte da primeira parte da exposição urbana É SÓ AMOR foram vandalizadas menos de 24 horas após serem colocadas em exposição nas ruas do Centro Histórico de Salvador. Instaladas na madrugada dessa terça-feira (2), as diversas fotos que exibem afeto entre dois homens, pregadas na parede, foram danificadas antes do anoitecer. 

A única que se manteve inteira foi a imagem que mostra o rosto do idealizador do projeto, Luiz Antônio Sena Jr. “A pessoa quis destruir a mensagem e o afeto. A única imagem que ficou foi a imagem do meu rosto onde escreveram na testa ‘só bala’. É uma ação que grita que é homofobia”, observa ele. 

Sena Jr ainda pontua que não esperava essa reação em tão pouco tempo. “Nós imaginávamos que pela própria característica da linguagem dos lambes-lambes, o tempo iria dar conta deles. Mas nós não imaginávamos essa reação violenta em 24 horas”, declarou.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Em resposta aos ataques, a equipe do projeto tem colocado os lambes em locais estratégicos e, como dizem, ‘vendo o que acontece’. “Apesar do medo que estamos começando a sentir, o plano é manter o projeto. (...) Só precisarei repensar a performance, porque na segunda parte eu iria lançar alguns balões com tinta vermelha e convidar o público a fazer também para representar a violência diária que sofremos. Mas, desta vez, a violência se adiantou”, lamentou ele.   

Sobre a mostra
Pensada com base em um levantamento feito pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), em 2017, que informava que 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e até heterossexuais foram assassinatos ou cometeram suicídio por circunstâncias homofóbicas no Brasil. Na Bahia, foram 35 mortes.

Muitos desses assassinatos ocorreram em lugares públicos (57%), em momentos afetivos da vítima com parceiros e/ou com amigos.

Luiz Antônio Sena Jr pretendia levar para as ruas do Centro Histórico a exposição de fotos que trazem situações cotidianas de homoafetividade. 

“Essa exposição tem o intuito de convocar a reflexão a respeito da violência que as expressões homossexuais sofrem cotidianamente”, explica o artista.

A exposição integra o projeto homônimo É SÓ AMOR³, que 'fricciona' realidade e ficção e tem como base a arte documental. “Sou homossexual e vejo muitos dos meus pares sendo agredidos das diversas formas possíveis. A intenção dessa ação é discutir homofobia e a homoafetividade”, destaca o artista.

As fotos também serão colocadas na Rua Carlos Gomes, Rua Chile e, por fim, na Praça da Sé. A exposição não tem previsão de término, ficando sujeita a ações climáticas e sociais, segundo o artista.

A exposição trabalha com três linguagens diferentes representadas pelos artistas: Luiz Antônio Sena Jr (teatro), Tina Melo (artes visuais e performance) e Mayara Ferrão (audiovisual, fotografia e artes visuais). Estas duas assumiram o papel de provocadoras performativas no ensaio fotográfico. No decorrer do processo e na sessão de fotos, elas questionaram a Luiz Antônio quais signos afetivos e situações cotidianas podem ser suscitar crimes homofóbicos.

A intenção era que a obra fosse construída processualmente. A primeira fase seria a fixação das fotografias em lambes. No segundo momento, esses quadros sofreriam intervenções performáticas com balões de tinta vermelha lançados pelo artista e performer idealizador, que agora já avalia a possibilidade de mudar seus planos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas