Flamengo afunda Botafogo e dá resposta após queda na Libertadores

esportes
05.12.2020, 20:12:00
Atualizado: 05.12.2020, 21:35:02
Éverton Ribeiro, autor do gol do Flamengo no clássico contra o Botafogo (Alexandre Vidal / Flamengo)

Flamengo afunda Botafogo e dá resposta após queda na Libertadores

Éverton Ribeiro fez o gol da vitória

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Flamengo ganhou o clássico contra o Botafogo e amenizou o princípio de crise após a precoce eliminação na Copa Libertadores, no meio de semana. Éverton Ribeiro marcou e garantiu o triunfo por 1 a 0, no Engenhão, neste sábado. Resgatou as chances do título nacional e afundou o rival de vez na zona de rebaixamento.

Terceiro colocado, o Flamengo fica a dois pontos do líder São Paulo (44 a 42) e segue sonhando com o bicampeonato. O Botafogo chega aos 10 jogos sem vitórias e, com 20 pontos, vê a queda cada vez mais perto.

O duelo do Engenhão teve uma polêmica antes de a bola rolar. Entre as faixas espalhadas pelos torcedores, uma com possível provocação ao Flamengo, dizendo "Aqui prezamos pelas vidas", quase impede a realização do jogo. O visitante ameaçou ir à Justiça por possível alusão aos 10 jovens que morreram em incêndio no Ninho do Urubu, no ano passado. Os dirigentes botafoguenses justificaram que era uma referência à luta contra a covid-19. A faixa chegou a ser retirada das arquibancadas, mas voltou momentos antes de a bola rolar.

Polêmica à parte, os times pisaram no gramado do Engenhão sob pressão e necessitando da vitória a todo custo. Um para iniciar fuga da zona de rebaixamento e outro para apagar a má impressão das eliminações na Copa do Brasil e na Libertadores.

Com apenas 20 segundos, o goleiro Diego Alves já teve de trabalhar. Espalmou a bomba de Pedro Raul. O Botafogo chegou com perigo de cara, num ataque que seria raro na etapa. Depois do cartão de apresentação, o mandante apenas se defenderia na primeira etapa.

A resposta do Flamengo demorou 13 minutos, e veio com duas chances de Bruno Henrique. Primeiro bateu nas mãos de Diego Cavalieri. No minuto seguinte, Arrascaeta lançou do meio-campo, o atacante bateu e a bola raspou a trave. Benevenuto desviou.

Virou ataque contra defesa. Jogo em apenas um lado do campo, mas sem lances de perigo para Diego Cavalieri. O Botafogo ainda teve um contragolpe antes do apito final, sem sucesso.

Para quem está afundado entre os piores, a postura botafoguense foi preocupante para seus torcedores. Totalmente defensivo diante de um time com ataque forte. A estratégia adotada nos 45 primeiros minutos serviria para a soma de um ponto se não houvesse falha. E foi o que aconteceu no começo da fase final. Marcinho saiu jogando errado e a bola sobrou para Gerson, que serviu Éverton Ribeiro: 1 a 0 para quem mais buscava o gol.

Apenas depois de sair atrás do placar, o Botafogo resolveu jogar Pedro Raul, até então sozinho entre quatro marcadores, ganhou companhia de Matheus Babi e Kalou. E, no primeiro lance, quase Babi empata.

O Botafogo reforçou o ataque. Porém, quem mais criava era o Flamengo. A situação que estava difícil aos mandantes, tinha tudo para piorar com a expulsão de Victor Luís. Perdeu a bola e aplicou carrinho violento.

Mas uma escapada aos 43 resgatou as esperanças botafoguenses. Lucas Campos foi puxado por Gustavo Henrique. Falta quase na risca da área e expulsão do zagueiro. Kalou ajeitou com carinho. E bateu forte. Diego Alves salvou o Flamengo de levar o empate.

O Botafogo não aproveitou a chance preciosa, somou mais uma derrota, segue agonizando entre os piores e tem nada menos que o líder São Paulo pela frente em seu próximo compromisso, na quarta-feira. O desespero aumenta no penúltimo colocado.

Do outro lado, o Flamengo respira aliviado e mostra que está na briga pelo título. Com a segunda vitória sob o comando de Ceni no Brasileirão, sobe para os 42 minutos, dois a menos do que o líder.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas