Havan garante ser 'serviço essencial' e passa a vender arroz e feijão

brasil
20.05.2020, 09:10:00
Atualizado: 20.05.2020, 09:42:41

Havan garante ser 'serviço essencial' e passa a vender arroz e feijão

Loja geralmente comercializa produtos de utilidade pro lar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A rede de lojas Havan, que vende produtos de utilidade para o lar, passou a incluir em suas prateleiras alimentos como arroz, feijão, macarrão e óleo em meio a uma briga na Justiça para tentar ser considerada atividade essencial e ter todas as filiais funcionando durante a pandemia do novo coronavírus.

O dono das lojas, o empresário Luciano Hang, é apoiador ferrenho de Jair Bolsonaro. A nova linha de produtos é adotada no momento em que o presidente conclamou empresários a “jogar pesado” contra as medidas de restrição decretadas por prefeitos e governadores. 

Segundo a Folha, além da inclusão de alimentos da cesta básica em seu portfólio, a estratégia da empresa para se manter operando, enquanto estados e municípios decretam distanciamento, inclui ações judiciais e protestos de funcionários nas portas de prefeituras. 

Em conversa com a reportagem, funcionarios revelaram que alimentos como arroz e feijão passaram a figurar nas prateleiras da loja há cerca de duas semanas, já em meio à pandemia e à determinação do fechamento de serviços não essenciais.

O estoque disponível nas lojas, contudo, é sempre baixo. Na unidade de Ribeirão Preto, ao lado do setor de produtos de acampamento, havia nas prateleiras, nesta segunda-feira (18), 20 pacotes de feijão, 18 de arroz, 12 garrafas de óleo, 21 de milho verde, 17 de ervilha, 12 de molho de tomate e cinco de salsicha.

A venda de alimentos da cesta básica reforça um argumento que a Havan tem levado a diversos tribunais pelo país: de que é um hipermercado e não uma loja de departamentos. E, por isso, deve ser considerado serviço essencial. 

Ao todo, das 143 lojas da rede, apenas 16 estão fechadas. A maioria das lojas abertas está em Santa Catarina e Paraná, estados que flexibilizaram a abertura de determinados setores do comércio, mas com horário reduzido. As lojas fechadas estão em São Paulo, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Pará e Acre.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas