Hoje, centenário de Clarice Lispector, escritora ganhará novo site bilíngue

sua diversão
10.12.2020, 05:00:00
(Acervo Clarice Lispector/ Divulgação)

Hoje, centenário de Clarice Lispector, escritora ganhará novo site bilíngue

Lançamento faz parte da Hora de Clarice, evento anual realizado pelo Instituto Moreira Sales (IMS), responsável pelo acervo desde 2004

Considerada um dos maiores nomes da literatura brasileira, Clarice Lispector é autora de uma vasta obra, que inclui romances, contos, crônicas e textos infantojuvenis. Nesta quinta-feira (10), data do seu centenário, o Instituto Moreira Salles (IMS) inaugura um novo site dedicado à escritora: www.claricelispector.ims.com.br.

O lançamento faz parte da iniciativa Hora de Clarice, que foi idealizada pelo próprio IMS em 2011, para celebrar o aniversário da escritora.

Amplamente traduzida e divulgada, a obra de Clarice é cada vez mais lida pelo grande público e comentada pela crítica internacional, colocada ao lado de autores como Virginia Woolf, Franz Kafka e Katherine Mansfield. Diante da repercussão da obra de Clarice no exterior, o IMS lança o site em versão bilíngue: português e inglês.

O portal reúne fotos, manuscritos, áudios, vídeos, cartas, aulas e textos críticos, em grande parte proveniente do acervo de Clarice, sob a guarda do IMS desde 2004. Entre os destaques, está, por exemplo, uma aula em vídeo de Yudith Rosenbaum, professora da FFLCH-USP, na qual ela analisa em detalhes o conto “Felicidade clandestina”, publicado pela escritora no volume homônimo de 1971.

O consultor de literatura do IMS, Eucanaã Ferraz, comenta a concepção do projeto: “O site é dividido em dois grandes modos de navegação: um ambiente de livre fruição, que apresenta a vida e obra de Clarice em forma narrativa, e outro voltado para estudo e pesquisa”. 

No primeiro ambiente, destaca-se o belo e arrojado design gráfico e a navegação atraente. O público mergulha na obra e na vida de Clarice a partir de um percurso poético e afetivo. Fotos, frases, cartões-postais, manuscritos e entrevistas, entre outros materiais, surgem de diferentes modos na tela, numa experiência rica, cheia de surpresas. Textos e imagens são relacionados livremente, de forma a explorar memórias, reflexões, espantos e perplexidades da autora. 

Como num fluxo narrativo contínuo, surgem, por exemplo, um vídeo do filho da escritora, Paulo Gurgel Valente, comentando a relação com a mãe; o áudio de uma entrevista que a autora concedeu ao Museu da Imagem e do Som, em 1976, na qual ela comenta sua formação como advogada; um vídeo de Maria Bethânia interpretando um fragmento do livro Água viva; páginas da revista Senhor; a crítica feita por Antonio Candido para Perto do coração selvagem, primeiro livro de Clarice; o retrato da autora realizado pelo célebre pintor Giorgio de Chirico, em 1945; tudo repetido numa espécie de loop. 

Já o campo de estudo do site é voltado tanto para alunos escolares quanto para pesquisadores acadêmicos. Disponibilizam-se aqui: uma cronologia ilustrada da autora; a seção Livro a Livro, que traz todos os livros de Clarice, acompanhados de textos que apresentam as obras, escritos por especialistas para o site.

Há ainda aulas em vídeo, ministradas por estudiosos como Evando Nascimento, Nádia Battella Gotlib e José Miguel Wisnik, além de uma ampla bibliografia sobre a obra de Clarice, que o visitante pode acessar por meio de filtros, procurando os temas e as abordagens que mais o interessem.

Entre os itens de acervo, digitalizados e transcritos, estão cadernos da escritora, pouco conhecidos ou inéditos, que acabam de chegar à coleção do IMS, e dezenas de cartas enviadas por Clarice ao longo de sua vida para suas irmãs ou para personalidades como os escritores Erico Verissimo e Mário de Andrade e o ex-presidente Getúlio Vargas. Estão disponíveis também uma série de manuscritos, de obras como A hora da estrela e Um sopro de vida.

A seção Postagens é atualizada permanentemente, oferecendo textos breves sobre aspectos da obra clariceana, mas também registrando o que se passa no mundo editorial, artístico e acadêmico em torno da escritora.

Segundo Eucanaã Ferraz, trata-se de um site "ambicioso, à altura de Clarice Lispector, que alia perfeitamente a beleza sensível e a tecnologia, a navegação lúdica e o banco de dados mais robusto, portanto, reúne num só lugar a responsabilidade da pesquisa e o prazer descompromissado". 

Exposição em 2021
Em julho de 2021, o IMS Paulista abrirá uma exposição em homenagem a Clarice Lispector. A mostra estava prevista para este ano, mas, devido à pandemia, foi postergada. Intitulada Constelação Clarice, não será estritamente biográfica. Os curadores − Eucanaã Ferraz e Veronica Stigger − conceberam a mostra como uma grande teia de artes visuais em torno de temas da obra da autora. Será composta por pinturas, esculturas, desenhos e vídeos de artistas mulheres que produziram contemporaneamente a Clarice. Além disso, haverá um núcleo com documentos, livros, fotografias e outros documentos.

Acervo sobre Clarice no IMS
O acervo de Clarice Lispector está sob a guarda do IMS desde 2004, sendo formado por uma biblioteca de cerca de 800 livros e um arquivo com documentos, entre os quais manuscritos dos romances A hora da estrela e Um sopro de vida, correspondências, um caderno de notas, entre outros itens.

Além de promover a Hora de Clarice, o IMS já homenageou a escritora com o volume duplo (17-18) dos Cadernos de Literatura Brasileira. Também lançou o livro Clarice Lispector – Figuras de escrita, de Carlos Mendes de Sousa, e organizou a mostra Clarice, pintora, exibida em 2009 no IMS Rio. Em 2012, lançou um site dedicado a ela e os e-books Na cavidade do rochedo: a pós-filosofia de Clarice Lispector e Clarice, ela, de Roberto Corrêa dos Santos.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas