Homem morre após sofrer acidente com jet ski em Barra do Jacuípe

bahia
26.12.2017, 12:39:00
Atualizado: 26.12.2017, 17:20:05

Homem morre após sofrer acidente com jet ski em Barra do Jacuípe

Família diz que vítima se preparava para estacionar equipamento quando foi surpreendido por lancha em alta velocidade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Era para ser uma confraternização em família, mas acabou sendo uma tarde trágica para a família de João Paulo Dores Lopes, 27 anos. Ele morreu após ser atingido por uma lancha no momento em que terminava o passeio em um jet ski, em Barra do Jacuípe, na cidade de Camaçari, Região Metropolitana de Salvador (RMS).

De acordo com familiares da vítima, João chegou à localidade pela manhã na companhia da mãe, da esposa e de alguns amigos. Eles pretendiam passar todo o dia no local. 

João foi passear com a família em Barra do Jacuípe; foto foi feita no local, antes do acidente
(Foto: Reprodução/Nilson Marinho)

Segundo familiares, por volta das 17h, João se preparava para estacionar o veículo aquático à beira mar, quando foi surpreendido por uma lancha em alta velocidade. A lancha atingiu a lateral do jet ski e, com o impacto, a vítima foi lançada a cerca de 5 metros. 

Ainda de acordo com familiares, a lancha estava em alta velocidade e o condutor não parou para prestar socorro. "Naquele momento, todo mundo ficou preocupado em prestar socorro a ele, ninguém foi atrás do condutor", conta Sueli Vieira, 34, cunhada de João.

A vítima chegou a ser socorrida pelos salva-vidas e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Arembepe, também em Camaçari. No caminho para a UPA, na companhia da esposa e ainda consciente, João se despediu dos familiares. "Ele chegou a se despedir dela, me arrepio só de falar", diz o amigo Márcio Roberto, 33. 

Márcio conta ainda que, dias antes do acidente, em um churrasco com amigos, João teria comentado sobre a morte. "Ele disse que se morresse não queria ver ninguém triste. Até parecia que estava se despedindo", relata. 

João teria ainda, segundo Márcio, feito as pazes com pessoas que ele cultivava inimizades. "Apertou a mão de todo mundo que não gostava dele", completa. A cunhada Sueli conta ainda que João preparou a ceia de Natal, a primeira em família. "Reuniu todo mundo, nunca havia feito uma ceia assim", conclui. 

João era dono de um lava jato em Itinga, Lauro de Freitas, e não tinha filhos. Ele possuía habilitação para pilotar o jet ski. O sepultamento está marcado para acontecer nesta terça-feira (26), às 16h, no Bosque da Paz.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas