Hospital Espanhol terá visitas virtuais para amenizar solidão de pacientes com covid-19

coronavírus
08.05.2020, 05:30:00
Hospital Espanhol começa a fazer videochamadas entre pacientes e familiares (Tiago Caldas/ CORREIO)

Hospital Espanhol terá visitas virtuais para amenizar solidão de pacientes com covid-19

A medida começa a funcionar a partir das 17h desta sexta-feira

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando o rosto de Ana apareceu na tela do tablet, Maria ficou espantada, afinal, desde a segunda-feira (4) ela está confinada em um dos quartos do Hospital Espanhol, destinado ao tratamento de pacientes infectados pela covid-19. 

Mas logo o semblante mudou e os olhos arregalados passaram a brilhar de tão marejados. “Ao me ver, ela ficou bastante emocionada”, declarou Ana, companheira de Maria, após participar da primeira visita virtual no hospital a pacientes internados com coronavírus no estado, na quinta-feira (7). Os nomes usados são fictícios a pedido da entrevistada. 

Ana e Maria foram o piloto de um projeto que começa a funcionar a partir desta sexta-feira (8) para todos dos pacientes lúcidos que fazem tratamento da doença no Espanhol. A ação visa diminuir o sofrimento causado pelo isolamento dos pacientes na unidade. 

As visitas virtuais serão implantas três dias após o agricultor André Saturnino de Souza, 55, ter tido um surto psicótico, ateado fogo no quarto e pulado do 4º andar. Desde o da 28 de abril, já foram dois surtos de pacientes e, para evitar outras situações semelhantes, grades serão colocadas nas janelas das enfermarias. 

Apesar de estar internado em uma unidade exclusiva para pacientes com covid-19, Saturnino não está com a doença. O resultado do exame do agricultor foi divulgado pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen), quinta, confirmando que ele não está infectado. O paciente era tratado como suspeito desde que deu entrada no Hospital Nossa Senhora da Natividade de Santo Amaro com sintomas similares ao da covid-19, sendo, em seguida, transferido para o Espanhol. 

Mesmo estando em quarentena por conta da esposa, Ana não tem apresentado os sintomas da doença. “A gente estava se falando só por WhatsApp, mas eram mensagens rápidas, permitidas pela equipe médica, mas sem vídeos e foto. Nos textos, ela dizia que estava se sentindo muito solitária. Apesar de não ser recomendada a visitação, ela sentia a minha falta e da mãe dela”, contou ela, por telefone, ao CORREIO.

A conversa entre o casal durou pouco mais do que cinco minutos. “Minha companheira estava com dificuldades para falar, cansando. Então, para o bem dela, achei melhor não estender muito a conversa para ela não fazer muito esforço.  Mas deu pra vê-la bem. Ela não vai se sentir mais tão sozinha”, declarou Ana. 

O momento foi de igual comoção para as poucas pessoas que acompanharam o encontro virtual do casal. “Foi emocionante. Para nós, que trabalhamos com o atendimento humanizado, é algo que nos orgulha, poder possibilitar esse tipo de comunicação que diminui a sensação de solidão de quem está lutando no leito de hospital”, disse Jânio Ribeiro, coordenador de tecnologia e informação do Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde, organização social responsável pelo gerenciamento do Hospital Espanhol. 

Chamadas
As visitas virtuais acontecerão com a permissão prévia do paciente, a fim de saber se ele tem condições e se demonstra desejo de manter contato com a família.  As chamadas vão acontecer sempre com um técnico de enfermagem treinado para estabelecer a comunicação visual, entre 17h e 20h. “A gente definiu esse horário por que não tem muitas intervenções médicas. É o momento quando paciente tem mais vulnerabilidade emocional, por causa do cair da noite, quando a pessoa precisa mais conversar com alguém”, explicou Jânio. 

Serão disponibilizados 80 tablets. O técnico de enfermagem que chegará no quarto, fará a ligação e enviará uma mensagem de texto com o link de uma plataforma criada para atendimento exclusivo aos familiares dos pacientes. O paciente terá direito a uma conexão por dia e poderá escolher até três números para as ligações. “Vai ser um tablet para um quarto. Se tiver dois leitos, o uso do tablet será divido para os dois pacientes. Mas a maioria dos quartos conta com uma pessoa”, detalhou. 

Através da plataforma, os familiares terão outras informações. “O parente terá acesso ao boletim médico diário. Vai ser enviado para o familiar com um código do paciente”, pontuou Jânio. 

Outros hospitais
O Hospital Espanhol é a quarta unidade médica a adotar as visitas virtuais. Psicólogas do Hospital Manoel Victorino (HMV), no bairro de Nazaré, em Salvador, têm diminuído o sofrimento causado pelo isolamento entre pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva, (UTI) e familiares.A equipe, diante do cenário atual de pandemia do coronavírus, onde há a proibição de acesso à UTI decidiu inovar através de vídeos e registros fotográficos teve início em 17 de março.

A segunda unidade de saúde foi o Hospital Alayde Costa (HAC), no Subúrbio Ferroviário de Salvador, também para amenizar a solidão dos pacientes internados nos leitos de UTI, já que as visitas estão suspensas por conta da pandemia. 

A iniciativa partiu dos próprios profissionais de saúde da unidade, que fazem vídeochamadas com as famílias de todos os pacientes da UTI que estejam lúcidos. A chamada acontece por meio de telefones celulares no horário que era destinado às visitas presenciais, às 11h. Um assistente social ou psicólogo liga para o familiar e é iniciado o processo de vídeochamada. 

Logo após, foi a vez do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), no Cabula, na capital baiana, que adotou também a medida devido à suspensão de visitas nas UTIs por causa da covid-19.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas