Jovem é picado por sua naja de estimação e acaba em coma com braço necrosado

brasil
09.07.2020, 13:23:00
Atualizado: 09.07.2020, 13:23:31
(Foto: Reprodução)

Jovem é picado por sua naja de estimação e acaba em coma com braço necrosado

Suspeita é que cobra tenha sido vítima de tráfico de animais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um estudante de veterinária de 22 anos está em coma induzido após ser picado por uma cobra naja. Segundo o portal Metrópoles, no primeiro momento Pedro Lehmkul apresentou palidez, tontura e dormência nos membros inferiores e insuficiência respiratória. Mais recentemente o caso dele evoluiu e o jovem apresentou necrose nos braços e lesões no coração.

Por ser um animal considerado raro no Brasil, o soro antiofídico precisou ser importado dos Estados Unidos. O ataque ocorreu na última terça-feira (7) e o remédio só chega nesta quinta (9).

O animal, que integra a lista das serpentes mais venenosas do mundo, era o bichinho de estimação de Pedro. Nos últimos 10 anos não há o registro da entrada de uma naja legamente no Distrito Federal, fazendo as autoridades crerem que a cobra foi vítima de tráfico ilegal.

A naja foi encontrada nesta quarta-feira (8) dentro de uma caixa de plástico nas redondezas de um shopping de Brasília. Como Pedro não tem autorização para criar o animal, ele pode ser multado em até R$ 5 mil.

Atualmente a cobra está sob os cuidados do zoológico de Brasília.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas