Lisboa básica: o essencial da capital portuguesa

bazar
12.03.2015, 07:22:00

Lisboa básica: o essencial da capital portuguesa

Lisboa lembra Salvador, cheia de ladeiras, casas antigas e com o mar por perto. Para além da facilidade com o idioma, é a capital europeia mais perto do Brasil: fica a apenas oito horas de avião da Bahia. Logo, não é de se espantar que seja porta de entrada para turistas daqui no velho continente. Confira uma rota por alguns dos pontos mais famosos da cidade, que já foi parte do império romano e até de califado árabe.

Centro

Arco da Rua Augusta, no centro de Lisboa: casarões antigos e ruazinhas cheias de boas surpresas (Foto: Visit Lisboa/Divulgação)

É cheio de história e seu principal monumento fica no topo da colina de São Jorge. Lá estão as ruínas do Castelo de São Jorge, que teve boa parte da estrutura destruída pelo terremoto de 1755. Construído no século 11, ele ainda preserva 11 torres. O pôr do sol é lindo. A estação de metrô mais próxima é a Baixo Chiado, o ingresso custa € 8,50 e até outubro rola visitação de 9h às 21h.


A Fundação José Saramago conta vida e obra do escritor, que já venceu o Prêmio Nobel de Literatura (Foto: Victor Villarpando)

De lá, dá para ir andando até a Fundação José Saramago. Vida e obra do mais famoso escritor português ficam na Casa dos Bicos, cuja fachada é inspirada no Palácio dos Diamantes de Ferrara, na Itália. Ou  subir para o Bairro Alto, pelo Elevador de Santa Justa, que foi concebido por um discípulo do autor da Torre Eiffel. No mais, a dica é se perder pelas ruelas do caminho.

Parque das Nações

O Oceanário de Lisboa é um dos mais bem avaliados da Europa (Foto: Victor Villarpando)

Parte mais moderna da capital de Portugal, o bairro fica na área onde se realizou a Exposição Mundial de 1998 (aquela que roda a Europa e já deu a Torre Eiffel a Paris e o Atomium a Bruxelas). É lá que fica a ponte mais extensa do mundo, a Vasco da Gama (17,3 km), que cruza o Rio Tejo. E também o Oceanário (ingresso a € 14) e a Torre Vasco da Gama (140 metros de altura).


Pavilhão de Portugal na Exposição Mundial de 1998: projeto do arquiteto português Álvaro Siza Vieira (Foto: Visit Lisboa/Divulgação)

Outro ponto legal é o Pavilhão de Portugal (edifício do arquiteto português Álvaro Siza Vieira cuja cobertura da praça lembra uma folha de papel pousada em dois tijolos) e a Estação do Oriente. Projetada pelo espanhol Santiago Calatrava, ela é como um ímã de olhares. Para ver tudo do alto e de perto, um rolé no Telecabine (teleférico) custa € 5,90 (ida e volta).

Belém 

A Torre de Belém foi construída no século 16 para proteger a cidade de Lisboa (Foto: Divulgação)

Foi da praia de Belém que saíram as naus de Vasco da Gama para descobrir a rota marítma para as Índias. No local está a Torre de Belém, construída em 1520 para proteger Lisboa dos navios invasores. O monumento está na lista de patrimônio da humanidade da Unesco (ONU) e a arquitetura tem influência islâmica. O ingresso custa € 6. O combo com o Mosteiro dos Jerônimos, que está perto, sai por € 12.


Interior do Mosteiro dos Jerônimos: edifício histórico em Belém (Foto: Victor Villarpando)

A igrejona data de 1601 e fica na frente da Praça do Império. Também Patrimônio da Humanidade, ela mistura elementos do gótico tardio e do renascimento. O edifício abriga os túmulos de Vasco da Gama e do poeta Luís de Camões. Do lado fica a loja Pastéis de Belém, que vende os mais famosos pastéis de nata de Portugal. A estação de metrô mais próxima é a Belém.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas