Mais de 4 milhões de baianos estão com nome sujo; veja principais vilões

bahia
25.03.2022, 05:15:00
(Foto: EBC)

Mais de 4 milhões de baianos estão com nome sujo; veja principais vilões

Feirão Limpa Nome vai até o dia 31 de março; saiba como quitar as dívidas

A inflação alcança números altíssimos, as taxas de juros também. O que fica lá embaixo é o saldo bancário, gerando um mar de dívidas. Na Bahia, 4.138.037 pessoas estão com o nome sujo, o que representa 37% da população. São mais de 12 milhões de pendências que somam cerca de R$ 12 bilhões. Apesar disso, estado ocupa apenas o 22º lugar no ranking dos mais endividados do país (Confira o ranking no final da reportagem). 

Os dados são de janeiro deste ano e foram fornecidos pelo Serasa. De acordo com o órgão, os principais causadores das dívidas baianas são bancos e cartões, com 28%, utilidades (contas básicas, como luz, água e gás), com 25%, e varejo (19%). Através do Feirão Limpa Nome, que acontece até o dia 31 de março, é possível quitar as dívidas com descontos de até 99%. Confira no final da reportagem como sair da inadimplência. 

A especialista do Serasa, Patrícia Camillo, explica porque os bancos e cartões são os campeões do ranking. “O cartão de crédito é um mecanismo muito usado pelos brasileiros. Além disso, ele tem um dos juros mais altos do mercado. A partir do momento em que a pessoa contrai uma dívida em cartão, mesmo que inicialmente pequena, ela acaba virando uma bola de neve por conta dos juros sobre juros que vão aumentando”, diz. Apesar da maioria dos débitos serem de valores baixos, alguns podem chegar a mais de R$100 mil. 

Sobre o segundo lugar, Patrícia afirma que revela a face cruel da crise financeira atual. “São contas de gás, luz, água, ou seja, básicas. Então isso mostra o quanto os brasileiros estão num cenário difícil de inflação, preços altos e taxas de juros, como a Selic, muito altas. Isso diminui o nosso poder de compra e diminui o nosso acesso ao crédito”, acrescenta.

O mototaxista Flávio Nascimento, de 30 anos, está envolvido em dívidas com contas do setor de utilidades, mas também que envolvem a sua moto e outras coisas. São tantas dívidas que ele já não sabe mais dizer o valor total que deve.  “Eu sou autônomo e estou com dívidas no MEI, são boletos atrasados desde o início da pandemia. Agora, também estou com contas de luz em atraso. E por aí vai porque falta dinheiro para alimentação. Outro dia acabou o gás e eu saí rodando para fazer pesquisa de preço, o mais barato foi R$100”, conta.

Mototaxista diz que dívidas viraram uma bola de neve (Foto: Arquivo Pessoal)

Flávio diz que já tentou limpar o nome, mas foi aí que descobriu outras dívidas e, ao tentar parcelar os valores, se complicou ainda mais. “Eu fui ver uma dívida e descobri que tinha outras. Só com o Bradesco, a dívida era de R$11. Aí eu fui parcelar, mas complicou. É difícil porque fiquei parado na pandemia. Até hoje o negócio não está bom. Hoje mesmo eu não consegui nenhum serviço ainda de delivery e como mototaxista também não apareceu nada”, lamenta.

Patrícia Camillo confirma que o aumento das dívidas como consequência da pandemia já pode ser percebido. “O Nordeste voltou ao patamar de dívidas de abril de 2020, quando mal era possível notar os efeitos da pandemia. Ao longo da pandemia, tivemos uma baixa por conta dos auxílios do governo, mas, agora, retrocedemos, acompanhando a alta da inflação e das taxas de juros”, destaca a especialista. 

Justamente por isso, em 2022, está sendo realizada uma edição extra do Feirão Limpa Nome. Os feirões acontecem, geralmente, no final do ano. Em 2021, aconteceu em novembro, com tendas físicas acumulando longas filas. Em 2022, o Serasa abriu uma exceção e está realizando agora uma edição extra. “Agora em março, está sendo realizada uma edição especial devido ao cenário de crise e aumento de dívidas”, explica Patrícia Camillo.

Como não se endividar?

Para não ficar no vermelho, o assessor de investimentos João Victor Moreira, da ACT Investimentos, explica que é preciso ter cuidado com os créditos oferecidos, a principal via de endividamento. “Ele é a confiança que determinado agente financeiro traz em relação a um montante a pagar no futuro. Só que as pessoas começam a usar esse capital como um dinheiro delas, ao invés de uma obrigação. Pela falta de conhecimento, termina gerando uma complicação, uma bola de neve, cobrado a juros compostos”, esclarece Moreira.

"O consumidor precisa ficar atento para não realizar compras e gastos que não caibam no orçamento. O parcelamento é atrativo, mas pode ser uma armadilha", acrescenta o economista e educador financeiro Edísio Freire. Ele também orienta, a partir da contração da dívida, o que pode ser feito pelo cidadão para reverter a situação. "O primeiro passo para retomar o equilíbrio financeiro é fazer um diagnóstico. Quanto você ganha? Quanto você gasta? Quanto você consegue reservar da sua receita, se possível, para pagar as dívidas? Se não for possível, vai ser preciso enxugar os gastos ou crescer a renda", aconselha. 

No Blog Serasa Ensina, é possível acessar conteúdos de educação financeira e dicas para evitar endividamentos. Há materiais que ensinam a como cortar gastos, como autônomos podem organizar finanças pessoais e como manter o nome limpo. 

Como limpar o nome?

Antes de mais nada, é preciso consultar, através do CPF, quais são as dívidas que estão no seu nome. A especialista do Serasa ressalta que a consulta é importante. “É importante para qualquer pessoa, fazer a consulta porque muita gente tem dívida e nem sabe. Algumas são frutos de golpes, erros, mas muitas delas não”, alerta. 

Após a consulta, vem a negociação. As dívidas costumam ter descontos e podem ser pagas em parcelas de até 72 vezes, a depender do valor e do credor. A partir do pagamento da primeira parcela da dívida, já é possível ter o nome limpo. Mas, se as demais parcelas não forem pagas, o nome volta para a lista de inadimplentes. Após o pagamento, as empresas têm até 5 dias úteis para limpar o nome. 

Confira onde e como pagar as dívidas:

Pelo site serasa.com.br ou aplicativo Serasa  

*O aplicativo está disponível no Google Play ou App Store gratuitamente

O primeiro passo é fazer um cadastro com CPF e criar uma senha. Depois, é preciso consultar as dívidas que estão no seu nome e quais delas têm oferta para quitação com desconto. A partir da manifestação de interesse em pagar, é gerado um boleto, que pode ser pago nas agências bancárias, pelos aplicativos dos bancos no celular ou nas agências lotéricas. 

Agência física Serasa (Salvador)

O Serasa possui uma agência física em Salvador onde as negociações podem ser feitas, caso a pessoa não seja familiarizada com os meios digitais. A agência fica na Av. Antônio Carlos Magalhães, número 3840, sala Ado Edifício Capemi, na Pituba. Horário de atendimento: De segunda a sexta, das 09h às 17h.

Correios

Também é possível limpar o nome em qualquer agência dos Correios. Vale ressaltar que, nelas, é cobrada uma taxa de R$ 3,60 para a consulta das dívidas. 

Telefone e Whatsapp

Através dos números 0800 591 1222 ou 3003-6300 ou pelo Whatsapp da Serasa (11) 99575-2096, é possível negociar as dívidas atrasadas.

Feirão Limpa Nome

A plataforma Serasa Limpa Nome fica online durante todo o ano, mas, durante o Feirão Limpa Nome, são ofertados descontos mais generosos. A edição teve início no último dia 7 e vai até o dia 31 de março, somente nos canais online. Os descontos chegam a até 99%. 

A vendedora ambulante Paula Carvalho, de 48, comprova que o Feirão vale a pena. Ela participou da edição do ano passado e conseguiu sair com o nome limpo. Há 21 anos, ela devia o pagamento de uma fatura de telefone fixo. Ela também tinha débitos como O Boticário e o Itaú. Ao todo, chegavam a mais de R$ 1.500. No final, só precisou pagar R$ 106, um desconto de quase 93%. “Foi ótimo, consegui pagar tudo, nome limpinho na praça, coisa boa demais!. Depois daquilo, dívida nunca mais!”, comemora a vendedora.  

Ranking de estados brasileiros com maior número proporcional de endividados (Fonte: Serasa)

AM 52,30%
AP 48,32%
DF 48,04%
MT 47,67%
RJ 47,64%
RR 46,63%
AC 45,53%
MS 44,28%
SP 42,35%
TO 42,06%
PE 41,10%
RO 41,10%
ES 41,05%
BR 40,30%
SE 40,16%
GO 39,39%
PR 38,63%
MG 38,08%
MA 38,06%
CE 38,00%
RN 37,62%
BA 36,98%
PA 36,58%
AL 36,48%
PB 36,44%
RS 34,97%
SC 33,43%
PI 32,79%

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas