Marcela, do BBB20, quer combater a covid-19: 'Ir para a linha de frente'

em alta
30.04.2020, 19:43:00
Atualizado: 30.04.2020, 19:43:41
(Foto: Reprodução/Instagram)

Marcela, do BBB20, quer combater a covid-19: 'Ir para a linha de frente'

Médica também revelou que pretende se relacionar com mulheres: "Dá menos trabalho do que homem"

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma das protagonistas do Big Brother Brasil 20, Marcela Mc Gowan quer ajudar a combater o novo coronavírus. A médica, que está em quarentena com os pais no interior de São Paulo, pretende voltar ao trabalho e partir para a luta contra a covid-19.

"Quando voltar para a capital, quero ir para a linha de frente, para ajudar real. Meus amigos médicos falam que a situação é bem mais grave. Como obstetra, posso trabalhar como clínico geral na linha de frente. Estou bem ansiosa", disse, em entrevista à revista Marie Claire, via live no Instagram.

Durante sua passagem pelo reality show, a médica contou algo que, até então, só a família e amigos mais próximos sabiam: sua bissexualidade. Segundo Marcela, havia um receio do que outras pessoas achariam da revelação.

"Tinha medo do que as minhas pacientes achariam, o que era até um preconceito comigo mesma. Eu trabalho com o público LBTQ+ devido ao meu irmão, Enzo. Ele é o meu xódo. Quando tinha 18 anos, tentou falar para minha família que era transexual, mas não tínhamos muito entendimeto. Depois que estudei sobre o assunto, conversamos direito. Minha família me surpreendeu positivamente. Quando saí do BBB, muitos vieram falar comigo sobre isso", comentou.

Agora, é paquerada pela turma feminina. "Elas não chegavam muito em mim, acho que ficavam na dúvida. Eu quero me relacionar com mulheres, dá menos trabalho do que homem".

No início do BBB20, aliás, Marcela foi considerada grande candidata ao grande prêmio de R$ 1,5 milhão. Mas, após engatar um romance com Daniel, viu seu favoritismo ir diminuindo - assim como o número de seguidores nas redes sociais. 

"As pessoas aqui fora tem uma leitura diferente do que eu tenho. A leitura do que tenho é a da vivência. Daniel e eu temos oito anos de diferença. Quando sai não tinha entendido, achava que o que as pessoas falaram da idade e eu pensava que se fosse ao contrário, não teria isso. Depois entendi o que era... Mas agora não quero me incomodar com nada".

Se mudaria alguma coisa durante sua passagem pelo reality show? "É cruel pensar assim, mas se eu tivesse a leitura que tive quando saí, não me fecharia com meus amigos. Eu não li o jogo, não sou uma pessoa competitiva. Me perdi no afeto".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas