Memórias de um candomblé Jeje em Salvador

entretenimento
27.04.2018, 09:00:00
As histórias da comunidade do Bogum mostram as tradições culturais do Candomblé Jeje-Mahi (Reprodução/Divulgação)

Memórias de um candomblé Jeje em Salvador

Livro reúne as memórias de Everaldo Conceição Duarte, ogã do Terreiro do Bogun; lançamento será nesta sexta (27) no Terreiro da Casa Branca

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Certo dia, depois de trabalho de preparo do terreno em volta da árvore sagrada de Lôko para as oferendas da festa do dia seguinte, os filhos de Mãe Runhó, Amâncio e Filhinho terminaram por dormir no tronco da gameleira. Preocupados com o sumiço dos dois irmãos, a comunidade foi encontrá-los adormecidos próximos de uma rodilha cinza escura, que inflava e esvaziava no mesmo ritmo dos dorminhocos, especialmente, Filhinho, que morria de medo de cobras. Na Nação Jeje, as dans (as cobras) são sagradas e manifestação do sagrado na Terra. Para evitar uma tragédia, Mãe Runhó foi convocada e todos os membros que conheciam os segredos da convivência com elas também.

Após muitas orações e encantamentos, eles acordaram e se levantaram ao ver os rostos ansiosos e aflitos. Quando questionaram o que estava acontecendo, alguém mostrou a conhecida que se desenrolava lentamente e se escondia no troco da velha árvore.  As histórias de uma vida de devoção e convívio no espaço sagrado estão no livro Terreiro do Bogum- Memórias de uma Comunidade Jeje-Mahi na Bahia, do ogã da Casa Everaldo Conceição Duarte. O lançamento da obra será hoje, das 17h às 21h, no Terreiro da Casa Branca. 

De acordo com o autor, a ideia de escrever as memórias surgiu há muito tempo, mas só há oito anos, o projeto tomou corpo. “Queria deixar uma mensagem de esclarecimento aos iniciados e aos interessados nessa cultura ancestral”, diz, ressaltando a importância de perpetuar as experiências, sem ofender ou comprometer os fundamentos da religião. “Esses registros, mais que perpetuarem nossa cultura, mostra que não somos guiados por nenhuma força do mal”, completa. O livro será comercializado no dia do lançamento e no site da editora Solisluna (https://solisluna.com.br/products/terreiro-do-bogum). O valor da obra é R$ 50. 

A publicação traz as memórias de Everaldo Conceição Dantas, Ogã do Bogum e neto de Mãe Runhó(Foto: Reprodução)


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas