Ministério Público acusa Najila de denunciação caluniosa e extorsão

brasil
17.09.2019, 21:40:00
Atualizado: 17.09.2019, 21:45:05
(Reprodução/TV Globo)

Ministério Público acusa Najila de denunciação caluniosa e extorsão

Modelo baiana acusou jogador Neymar de estupro em encontro na França

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério Público do Estado de São Paulo denunciou nesta terça-feira (17) Najila Trindade Mendes de Souza por denunciação caluniosa e extorsão no caso em que a modelo acusa o jogador Neymar de estupro durante um encontro em Paris, no mês de maio.

Na terça, a Polícia Civil havia indiciado Najila por fraude processual, denunciação caluniosa e extorsão. O ex-marido dela, Estivens Alves, foi denunciado por fraude processual e divulgação de conteúdo erótico.

Dois inquéritos do 11º DP investigavam o caso, após encerramento de um que corria junto à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, que decidiu por não indiciar Neymar.

O pai de Neymar entrou com a ação de denúncia caluniosa e tentativa de extorsão de Najila. Neymar ainda responde a outra denúncia, na esfera da Lei Maria da Penha, por divulgar online conversas que continham imagens íntimas de Najila, ainda que borradas.

Arquivamento
A Vara de Violência Doméstica da Justiça de São Paulo aceitou o pedido do Ministério Público (MP) paulista e arquivou o processo sobre as acusações de estupro e agressão feitas pela modelo baiana Najila de Souza contra o jogador de futebol Neymar Júnior. No dia 8 desse mês, o MP pediu o arquivamento, por falta de provas, do inquérito sobre o caso. 

“Decidimos pelo arquivamento do processo por não haver provas suficientes do que foi alegado pela vítima protegida. É importante deixar claro que o arquivamento do inquérito policial não implica absolvição do acusado. Isso porque, com o arquivamento por falta de provas, o inquérito policial pode ser reaberto a qualquer momento, desde que surjam novas provas”, disse ontem a promotora de Justiça Flávia Merlini, da área de Enfrentamento de Violência Doméstica.

No último dia 29, a delegada Juliana Lopes Bussacos, titular da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, também encerrou as investigações sobre as acusações de estupro e agressão feitas pela modelo. Para a polícia, Neymar não cometeu o crime. 

(Foto: Reprodução/SBT)

A delegada decidiu encerrar a as investigações após anexar ao inquérito cópias do prontuário médico de Najila. Já as imagens do suposto furto de um tablet, no apartamento do modelo, e que foi pedido peo Ministério Público, não foram enviadas. De acordo com Najila, neste tablet estaria um vídeo do encontro entre ela e Neymar.

Lembre o caso
As investigações do possível estupro cometido por Neymar começaram no dia 31 de maio, quando Najila Trindade registrou Boletim de Ocorrência na Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo.

De acordo com a modelo, o crime teria acontecido durante um encontro com o jogador em um hotel de Paris, na França. No depoimento, Najila conta que Neymar estava alterado e que a forçou a fazer sexo sem preservativo.

Neymar usou as redes sociais para divulgar as conversas que teve com a modelo e negou ter cometido o crime. Durante as investigações Neymar prestou depoimento e chegou a afirmar que estava sendo vítima de extorsão por parte de Najila.

Em entrevista ao SBT, a modelo contou como teve contato com Neymar e como foi o encontro com o jogador. Ela relatou que pediu para que o brasileiro parasse, mas ele se recusou. "Falei 'para, está doendo'. E ele me virou, cometeu o ato. Pedi para ele parar, enquanto ele cometia o ato, e ele continuava batendo na minha bunda, violentamente", relatou ela ao SBT. Questionada se considera que foi vítima apenas de uma agressão, ela nega. "Agressão, juntamente com estupro".

Ela explicou que Neymar pagou a viagem e sua hospedagem em Paris, com intenção dos dois ficarem juntos. "A gente conversou, conversei com ele como uma pessoa comum, era intuito sexual, era um desejo meu. Ficou até claro para ele isso. Ele perguntou quando eu poderia ir, eu disse 'no momento não posso', questões financeiras, não podia ir. E também questões da agenda e do meu trabalho. E daí ele sugeriu: 'Tá, eu posso resolver isso", conta ela.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas